Semana On

Domingo 29.nov.2020

Ano IX - Nº 421

Coluna

O Reino Mágico da Conformidade

Inovação pode ser convite à superação. Também pode ser armadilha.

Postado em 16 de Dezembro de 2016 - Rodrigo Amém

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Eu tenho duas obsessões: Disney e teatro de improvisação. Já trabalhei com um, trabalho com outro e ainda passo boa parte do meu tempo livre envolvido com ambos. Nesse trágico ano de 2016, alguns vídeos no Youtube combinaram esses interesses de uma forma divertida e inusitada.

Quem já esteve nos parques da Disney sabe que há atores contratados para interpretar os personagens dos filmes da companhia e interagir com o público. Óbvio, temos os inescapáveis Mickey, Minnie, Donald e Pateta. Mas também existem aqueles que são chamados de "personagens sósias" pela administração do parque, numa tradução livre. São personagens que são interpretados sem máscaras, ou seja, os atores "emprestam" sua fisionomia para dar vida ao ser ficcional. Assim são todas as princesas (Branca de Neve, Cinderela e Rapunzel) assim como seus respectivos príncipes e alguns vilões.

Gastão, o antagonista arrogante e vaidoso de A Bela e a Fera, é um deles. E um dos "amigos de Gastão" (como a Disney se refere aos atores que interpretam um determinado personagem) viralizou no Youtube em pelos menos dois registros de suas interações com o público.

No primeiro, ele é confrontado por uma menina que insiste em defender A Fera e exigir que Gastão deixe Bela em paz. Obviamente, nada na interação com a criança é ensaiado. Mostrando ótima presença de espírito e técnica de improvisação teatral, "Gastão" não sai do personagem e responde à menina dentro do universo do conto de fadas. Ele é arrogante e machista nas suas respostas como o personagem manda, sem deixar de ser engraçado. Quando finalmente convence a menina a posar para foto com ele, "Gastão" dispara: "Agora sorria como se estivesse preparando um sanduíche pra mim." A plateia que assiste à interação vai à loucura. Confira o vídeo.

Em uma outra ocasião, um adolescente desafia o mesmo "amigo de Gastão" para um concurso de flexões de braço. "Gastão" não pensa duas vezes e o resultado é hilário. Veja aqui.

Manter o emprego em 2017 vai ser mais difícil. A crise está longe de acabar, a multa para demissão sem justa causa já foi para escanteio. Muita gente vai tentar se agarrar com unhas e dentes ao posto de trabalho. Mas cuidado...

Quando assisti a esses vídeos, pensei: "aí está um exemplo de um funcionário que veste a camisa e está comprometido com a entrega da melhor experiência possível para os clientes da empresa." Imaginei até que ele ganharia alguma forma de reconhecimento da direção do parque por sua atuação.

Na verdade, este "amigo de Gastão" foi demitido.

De acordo com minhas fontes, o ator cometeu duas graves falhas que comprometeram seu contrato. A primeira: no vídeo da competição de flexões, ele infringiu uma das regras cardinais dos "amigos de personagens". Ele aproximou o figurino do chão, o que poderia ter comprometido a limpeza do tecido e a aparência do personagem. A segunda: depois que os vídeos viralizaram, uma coisa constrangedora começou a acontecer no parque. Toda vez que um outro "amigo de Gastão" estava trabalhando, alguém do público perguntava a que horas "o outro Gastão" chegaria, para constrangimento do ator de serviço. Nada quebra a magia como a sugestão de que o personagem é um "trabalho".

Trago este caso neste momento em que, no Brasil, as relações de trabalho estão sendo "modernizadas" nas madrugadas escuras do congresso e as empresas continuam cacarejando que querem funcionários comprometidos com os valores da empresa e com criatividade e inovação.

Manter o emprego em 2017 vai ser mais difícil. A crise está longe de acabar, a multa para demissão sem justa causa já foi para escanteio. Muita gente vai tentar se agarrar com unhas e dentes ao posto de trabalho. Vai tentar inovar, vestir a camisa e surpreender o cliente. Cuidado. Patrão gosta da inovação "de cima para baixo". Empregado inovador pode ser visto como insolente e insubordinado. Baixe a cabeça, cumpra as regras, mantenha seu uniforme limpo. E feliz 2017.


Voltar


Comente sobre essa publicação...