Semana On

Sábado 31.out.2020

Ano IX - Nº 417

Coluna

Outro olhar sobre os jogos olímpicos

E o que está rolando pelo mundo enquanto nos distraímos.

Postado em 05 de Agosto de 2016 - Bruno Lima Rocha

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Pessoal, vou começar a compartilhar as matérias do The Guardian a respeito dos Jogos no Rio e os "legados" para o andar de baixo de minha cidade natal. Não serei hipócrita em nenhuma instância: no Rio, venho da zona sul e do asfalto, e no esporte, acompanho com vigor militante as modalidades de luta e contato. Ainda assim, mesmo torcendo - e muito - pela seleção brasileira de boxe e de luta olímpica, vou manter o alerta e postar a dimensão absurda da falta de direitos fundamentais para as maiorias brasileiras, a começar pelo Rio de Janeiro. Daiene Mendes, no Alemão, faz um diário da favela pré-Olimpíadas, contando sobre tiroteios, ocupação policial, remoções, tensão e mortes. Segundo a ativista, dos últimos 48 dias registrados, 25 foram de confronto entre polícia e comunidades do Alemão. Além disso, desde o início de junho, dois moradores foram assassinados por tiro e outras cinco pessoas, incluindo dois policiais, foram feridas.

 

Masoquismo político do partido do governo deposto

Eu cansei já de falar. A estupidez da política paroquiana se sobrepõe, o tempo todo, por cima de qualquer decisão estratégica. Partido político se despolitiza assim, não importando se eleitoral ou não. Em sendo eleitoralista, aí o drama é permanente. Quero ver convencer a militância paraibana que ainda vota no PT?! De minha parte, e do setor ao qual pertenço, infelizmente, estamos certos de novo. Certeza ideológica e comprovação teórica. Não tem como definir os alinhamentos políticos assim.

 

A calculadora do rentismo

A calculadora do rentismo expõe as vísceras de um sistema e civilização onde o valor trabalho perde de longe para a usura e o endividamento coletivo como forma de garantias para a acumulação privada.

 

Retrocedendo

Pessoal, caminhamos como país do envergonhado pacto de classes para um desavergonhado pacotaço de retirada de direitos. Como o tema das políticas de reconhecimento é uma tensão da nova direita, agora vão cassar as condições de identidade da maioria. Isso é política de embranquecimento, puro, cruel e simples.

 

Não, Nicarágua...

Pessoal, este é um arranjo geopolítico em função do novo canal interoceânico e também o caminho da destruição do legado Sandinista. Pobre Carlos Fonseca, ao lado de Augusto César assistindo a tudo isso e morto novamente, só que de vergonha e indignação.


Voltar


Comente sobre essa publicação...