Semana On

Sábado 27.fev.2021

Ano IX - Nº 432

Coluna

2016 – Um ano que ninguém esquecerá

O sacrifício que se avizinha tem que redundar em um Brasil melhor.

Postado em 22 de Abril de 2016 - Josceli Pereira

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Ao abrir qualquer canal de comunicação encontraremos previsões alarmantes sobre o ano de 2016, destacando a grande preocupação que assola o país sobre a possibilidade de enfrentar a crise que estabeleceu seus tentáculos sobre a economia e política do Brasil.

Até os mais otimistas desenham um cenário preocupante sobre o que poderá acontecer, ainda com base nos últimos acontecimentos. Nada pode ser definitivo, tendo em vista que, em se tratando de política e a sua dinâmica de fatores não se pode afirmar nenhuma das possibilidades de resultado. O Brasil não pode ser visto como uma engrenagem separada do resto do mundo. Muitas vezes a nossa observação fica presa dentro dos limites territoriais e esquecemos a grande influência da globalização na economia.  Sabemos que uma parte importante da economia se fundamenta em seu comércio interno e pouca influência sofre dos cenários externos, mas lembramos também que em muitos segmentos a regra ditada é baseada nos acontecimentos que ocorrem fora das nossas fronteiras. Esta análise carece muitas vezes de observar a composição da importância de cada um.

Temos teorias que nos ajudam a enxergar o ambiente do ponto de vista que nos seja mais especifico, tendo a nossa particularidade observada com mais rigor. Precisamos planejar nossas ações e utilizar as ferramentas necessárias ao enfrentamento para vencer o momento que se estabelece pela crise. Grande parte do esforço de qualquer projeto deve ser sempre concentrada para saber onde investir recursos e concentrar esforços, evitando desperdício de dinheiro, reduzindo esforços desnecessários e economizando tempo, que são recursos preciosos, especialmente em tempos de crise.

Os momentos da crise são os sinais de alerta de inovar, de gerar novas tecnologias e processos inteligentes compostos por metodologias de produção capazes de construir a equação máxima do lucro: aumentar receitas e diminuir despesas.

Quando o cenário está desfavorável é o momento certo para afastar o helicóptero do solo e observar mais do alto o comportamento do mercado, criando novas oportunidades que surgem no meio da crise e nos indicando tendências do comportamento dos consumidores. Com certeza o ano de 2016 não será um ano de exuberantes resultados financeiros, mas terá sido muito importante para a economia experimentar novos conceitos e inaugurar novas formas de produção, comercialização e observância das exigências do mercado.

O comportamento político também passa seu grande momento de teste. O mercado não mais suporta a condução desregrada dos dirigentes governamentais na sua condução de medidas saneadoras da economia. A mão não preparada do governo poderá perder o ponto da massa e estragar totalmente o produto a ser produzido. A hora é de reflexão por parte dos autores desta grande peça teatral por que passa o sistema político do Brasil. Escolher o artista certo para cada personalidade.

Estamos começando a aprender a escrever um capítulo novo da nossa história, repleto de sangue, suor e lágrimas. Mas a esperança é que o sangue corra forte nas veias e seja capaz de nos impulsionar para um futuro melhor. Que o suor seja proveniente do esforço de cada um em prol de um resultado de alcance social pela nossa terra e a lágrima possa ser a resposta pela emoção de ver um Brasil melhor, onde nossos filhos possam carregar um pouco deste sentimento de mudanças, que somente pela união de todos será possível conquistar!

Que o ano 2016 possa ser lembrado pelo ano que o Brasil mudou! Pelo ano que nos trouxe de volta nossa cidadania!


Voltar


Comente sobre essa publicação...