Semana On

Terça-Feira 02.mar.2021

Ano IX - Nº 432

Coluna

Rio Verde: belezas naturais no interior de Mato Grosso do Sul

Cachoeiras e balneários são atrações.

Postado em 21 de Abril de 2016 - Raquel dos Passos - Fotos de Bolivar Porto

São muitos os encantos dessa região repleta de belezas naturais e cenários deslumbrantes. São muitos os encantos dessa região repleta de belezas naturais e cenários deslumbrantes.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Rio Verde é uma das mais belas cidades de Mato Grosso do Sul, localizada a 194 quilômetros da capital do estado – Campo Grande, é referência em turismo rural e de aventura. Reúne numerosas atrações como cachoeiras e rios, conta com pousadas, fazendas e balneários onde é possível apreciar a natureza e contagiar-se com a paisagem. Além da gastronomia típica, a hospitalidade é marcante. O município conserva ar interiorano é lugar certo para quem valoriza a qualidade de vida e tranquilidade. São muitos os encantos dessa região repleta de belezas naturais e cenários deslumbrantes.

Privilegiado, o município de Rio Verde conta com belíssimas cachoeiras e balneários de águas cristalinas e estão entre os principais atrativos turísticos. Hotéis, pousadas e área de camping também estão disponíveis para receber os turistas. A alta temporada atrai visitantes de várias partes do Estado aos espaços de lazer para momentos de descanso em meio à natureza.

Para quem gosta de aventura e de contato com a natureza, existem fazendas que oferecem várias atividades que garantem aos visitantes desfrutar e vivenciar os momentos, com caminhadas por trilhas, passeios a cavalo e ordenha. O turista pode degustar delícias da fazenda como bolos, queijos, sucos e outros quitutes de dar água na boca.

A Fazenda Igrejinha, a 18 quilômetros da cidade, oferece aos turistas passeios em ambiente natural, caminhadas em meio à fauna e flora, mirantes e bica d’água. Lá o visitante pode fazer rapel e cavalgada, além de contemplar o sítio arqueológico dentro da fazenda, segundo o pesquisador Rodrigo Simas Aguiar os desenhos rupestres têm em média 4,5 mil a 6 mil anos. O passeio é acompanhado por um guia de turismo local.

As festas mais importantes e tradicionais da cidade são: “Festa de Maio” (festa da padroeira do município Nossa Senhora Auxiliadora), o Carnaval, um dos mais famosos e frequentados do estado, a Expoverde (Exposição Agropecuária), Mostra Sustentável de Materiais Recicláveis, Semana da Valorização da Cultura Pantaneira, entre muitas outras que atraem não só a população local, como turistas de várias partes do país.

Rica, original e de sabor único, a culinária rio-verdense tem em seus pratos ingredientes e temperos que preservam as características histórico-culturais. A Cabeça de Boi Assada faz parte da gastronomia típica do município, preservada, é inserida e apresentada desde cedo nas escolas garantindo a perpetuação na memória da comunidade. Preparada em processo artesanal, a cabeça do boi é assada embaixo da terra e costumeiramente nas fazendas do Pantanal quando carneiam o gado.

Na cidade, é um tradicional jantar que acontece na Semana da Valorização da Cultura Pantaneira promovida pela Comunidade Kolping Frei Tomas, quando são servidas comidas típicas do Pantanal da Nhecolândia como o escondidinho de carne seca, macarrão pantaneiro, caldo de piranha e pintado com mandioca.

Os doces tradicionais são muito apreciados pela comunidade local e turistas. Os doces caseiros são de frutas fresquinhas da época colhidas no quintal e a geleia de mocotó feitos em fogões a lenha são deliciosos.

O município é considerado um dos maiores polos cerâmicos da região Centro-Oeste do Brasil. São pelo menos seis fábricas que produzem desde artesanato, objetos de decoração, até pisos e revestimentos cerâmicos.

Rio Verde conta também com uma fábrica de chapéus com a matéria prima da palmeira Carandá é a única da região brasileira. Atuando de forma sustentável, a empresa busca também a valorização da cultura pantaneira. Os produtos são vendidos para outros estados como Mato Grosso, Goiás, Rondônia, Acre, Roraima, Pará, Tocantins, Maranhão, Minas Gerais e São Paulo.

A arte regional compreende principalmente por peças de cerâmica produzidas pelas artesãs do município. Alguns núcleos reúnem grupos de mulheres que trabalham diferentes técnicas, que juntas fabricam travessas, petisqueiras, panelas, cumbucas, fruteiras, floreiras, cofrinhos, estátuas e demais objetos decorativos e ornamentais. A argila vermelha, matéria prima dos produtos artesanais do grupo, é extraída no próprio município de Rio Verde de Mato Grosso e é considerada uma das melhores em todo o país. O crochê de barbante também é um forte item do artesanato na cidade. É raro uma família que não faça tapetes, jogos de banheiros, trilhos de mesas e tantas outras peças.

Rio Verde atrai pelos sabores, aromas, histórias e costumes. Proporciona diversão, encantamento e tranquilidade, acolhe os visitantes com muita hospitalidade em meio à vastidão das paisagens naturais, que fascinam.


Voltar


Comente sobre essa publicação...