Semana On

Sexta-Feira 05.mar.2021

Ano IX - Nº 432

Coluna

O verão já passou, mas o calor continua

Temperatura exige alimentos leves para facilitar a circulação do sangue.

Postado em 08 de Abril de 2016 - Vera Chaves

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Quando o tempo está quente, nosso corpo pede alimentos mais leves. É um processo natural que não depende da nossa vontade, mas que tem explicações químicas e biológicas.

Em primeiro lugar, o corpo humano tem uma temperatura constante, por volta dos 36º C. Quando está frio, ele precisa de mais energia para manter a temperatura, e esse consumo cai no calor. Por isso, é normal gastar menos calorias no verão, então também é bom ingerir menos.

Além disso, a circulação do sangue aumenta na região da pele – isso faz com que o corpo troque calor com o ambiente. Quando comemos, o sangue tende a ir para o aparelho digestivo, onde ele recebe os nutrientes.

Quanto mais comemos, mais sangue vai para o aparelho digestivo. Como a demanda do corpo pelo sangue fica muito alta, isso pode causar tontura, sono ou cansaço. Esse é mais um motivo para comer menos e mais leve quando faz calor.

Quando uma pessoa ingere um alimento muito quente no calor, a tendência é transpirar, e isso acontece por dois motivos. O suor é o mecanismo do corpo para equilibrar a temperatura interna. Além disso, existe um nervo chamado nervo vago, que passa pelo sistema digestivo, que reage ao calor dos alimentos e provoca a produção do suor.

O suor é constituído de água e sais minerais. Portanto, quando o corpo perde essas substâncias, precisa também repô-las. O ideal é beber muita água e muito suco, que hidratam melhor que o refrigerante, mesmo antes de sentir sede. A bebida alcoólica não hidrata, pois tem efeito diurético, e deve ser consumida juntamente com a água.

Sais minerais

Os sais minerais podem ser repostos com a alimentação. O sódio e o cloro estão presentes no sal de cozinha e, portanto, em todos os alimentos salgados – que devem ser consumidos com moderação por quem tem pressão alta. O potássio pode ser encontrado em muitas frutas, como banana, laranja, uva, abacate e água de coco, enquanto o magnésio é adquirido em grãos como o milho, a lentilha e o grão de bico, além de em nozes e amêndoas.

É preciso lembrar que as bactérias se proliferam mais no calor, e isso exige cuidados redobrados com a higiene. É preciso ter atenção com a procedência da água, com o armazenamento e a preparação de frutos do mar, maionese, leite e seus derivados. Alimentos crus, como verduras, devem ser muito bem lavados.

Saladas

Tendo o devido cuidado com a higiene, a salada é um alimento muito indicado para o verão, por ser leve e de fácil digestão. O Bem Estar desta quarta apresentou receitas de saladas preparadas pela chef Ina Gracindo, que você confere na íntegra aqui no site.

 

Salada fresca multicor

Ingredientes

1 cenoura ralada
1 beterraba ralada
1 pepino japonês ralado
1 rabanete ralado
2 colheres de sopa de amendoins descascados
2 colheres de sopa de passas brancas
Fatias de abobrinha grelhadas
100g de queijo ricota temperado com manjericão picado
- Para o molho:
Polpa de 1 maracujá
Suco coado de meia laranja seleta
1 colher de chá de mel
2 colheres de sopa de azeite ou óleo de gergelim tostado
Sal e pimenta do reino a gosto

Preparo

Misture todos os ingredientes e aplique sobre a salada. Sobreponha as camadas usando um aro culinário – uma lata de conserva pode substituí-lo – e regue com o molho de maracujá, A ricota pode ser temperada e depois rechear as fatias de abobrinha que guarnecem a salada.


Voltar


Comente sobre essa publicação...