Semana On

Sexta-Feira 24.nov.2017

Ano V - Nº 281

Camara

Auau Miau

Pirataria de remédio para animais chega a 15% e coloca pets em perigo

Mercado de produtos para a saúde animal movimentou R$ 4,5 bilhões no ano passado.

Postado em 03 de Março de 2016   - Mauro Zafalon

O seu cão e o seu gato podem não estar sendo bem medicados. Mas o perigo ronda não só animais de estimação como bovinos, suínos, equinos e aves. Isso porque pelo menos 15% dos medicamentos utilizados para a defesa da saúde animal no Brasil são piratas.

A pirataria vem tanto de produtos contrabandeados de países vizinhos como de fabricantes internos. E os efeitos dessa pirataria são o de trazer problemas de saúde tanto para os humanos como para os animais.

A utilização de um medicamento sem qualidade não vai fazer efeito sobre a doença do animal. Pior, em alguns casos a persistência dessa doença coloca em risco a saúde humana.

No caso de outros animais, como bovinos, suínos e aves, a ineficácia e a impropriedade do medicamento pirata podem comprometer até a saúde dos consumidores dessas proteínas.

Essa pirataria de produtos destinados ao mercado de saúde animal (vacinas, medicamentos etc.) é um sinal de alerta, segundo Henrique Uchio Tada, presidente-executivo da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac). São produtos sem registros e sem comprovação de eficácia.

Além de colocar em risco a saúde pública, a pirataria no setor traz sérias dificuldades financeiras para o setor devido à concorrência desleal, segundo Tada.

O mercado brasileiro de produtos para a saúde animal movimentou R$ 4,5 bilhões no ano passado, 12% mais do que em 2014.

O segmento de bovinocultura é o mais importante, com vendas de R$ 2,4 bilhões e crescimento de 8% no ano. O que mais cresce, no entanto, é o setor de medicamentos para o mercado de cães e gatos, cujas vendas somaram R$ 734 milhões em 2015, com evolução de 25% em relação às do ano anterior.

A pirataria aparece no mercado na forma de produtos sem testes e sem eficiência comprovada e também com a falsificação de embalagens de produtos de empresas tradicionais do mercado.

Aumenta até a oferta de produtos manipulados nas gôndolas das lojas, o que não deveria ocorrer. São produtos diferenciados e que servem apenas para consumos específicos, segundo Tada.

Há uma movimentação tanto de empresas nacionais como de outros países vizinhos para uma busca de soluções contra a pirataria, segundo o presidente da Alanac.

No Brasil, as medidas de combate à pirataria de produtos veterinários estão sendo estudadas no Conselho Nacional de Combate à Pirataria, sob o guarda-chuva do Ministério da Justiça.

Entram ainda nessa lista de combate Anvisa, polícias Federal e Rodoviária, Inpi e Receita Federal.

O setor aguarda uma nova força nessa luta contra a pirataria. O Ministério da Agricultura fez um pedido para participar desse conselho, o que deverá ser avaliado na primeira quinzena deste mês.

Agro tem de ter perfil do cliente, diz especialista

O agronegócio tem bom desenvolvimento, mas o desempenho das empresas seria ainda melhor se elas entendessem mais o perfil de distribuidores e consumidores.

Se a indústria fizer o que se faz em supermercados e farmácias –"fidelizar" e entender o setor–, o agronegócio teria mais eficiência.

A avaliação é de José Loyola, diretor da Agdata, empresa voltada para a montagem de sistemas de coleta de dados e avaliações de mercado.

As empresas gastam energia em montar sistema próprio para conseguir esses dados de inteligência. Os distribuidores de agroquímicos, por exemplo, atuam com diversas indústrias e têm de responder a vários sistemas para avaliar estoques, potencial do mercado e participação das empresa nas vendas.

Loyola diz que essa avaliação da inteligência dos negócios tem de ser unificada em um único formato padrão.

Os custos seriam menores para as indústrias e distribuidores na coleta de dados.

Comum nos EUA e no Canadá, empresas independentes fazem a coleta, diagnósticos e condensam informações espalhadas pela empresa.


Voltar


Comente sobre essa publicação...