Semana On

Terça-Feira 02.mar.2021

Ano IX - Nº 432

Coluna

Lisboa: a cidade mais romântica do mundo

Um giro pela capital portuguesa.

Postado em 13 de Novembro de 2015 - Débora Bordin

O pôr-do-sol da Torre de Belém é um cenário de tirar o fôlego.<br>Foto: Débora Bordin O pôr-do-sol da Torre de Belém é um cenário de tirar o fôlego.
Foto: Débora Bordin

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Lisboa… o que posso dizer? Que é um lugar que me emociona e me faz sorrir. Onde o pôr do Sol preenche a alma e o vento é carinhoso. O cheiro das ruas inebria e a luz entorpece. Lisboa é sedutora, não tem como escapar.

Estive algumas vezes nas terras do além-mar e sempre fui muito bem recebida em todos os lugares. Acredito que esse seja um dos pontos mais importantes para se gostar de um destino. Além, é claro, do que se pode ver, ouvir, cheirar, provar. Por esses e outros motivos a revista Food and Wine recentemente elegeu Lisboa a cidade mais romântica do mundo.

Nas primeiras vezes que fui a Lisboa, fiquei hospedada no Residencial Florescente. Um hotelzinho simpático na região histórica da Baixa Pombalina, bairro do Rossio. Simples e charmoso, recomendo. Como fui a trabalho, não tive tempo de fazer um roteiro turístico, então a saída foi andar para conhecer o “meu bairro” até onde as pernas aguentavam.

Logo ali fica a Praça Dom Pedro IV (Praça do Rossio), com o chão revestido de pedras portuguesas (!!! rsrs) e desenhos bem parecidos com os da calçada de Copacabana. E como ninguém é de ferro, a parada para o almoço é obrigatória em um dos restaurantes que servem deliciosas sardinhas assadas na brasa e temperadas com sal grosso, acompanhadas de batatas e um bom vinho.

Andando um pouco mais está a famosa Rua Augusta, onde comércio, artistas, turistas e vendedores ambulantes vivem em harmonia. Em uma de minhas estadas, a bela Avenida da Liberdade era palco da exposição LOVE, do artista Robert Indiana. E por falar na Liberdade, um simples passeio por suas ruas já é um atrativo. Aliás, as pessoas fazem isso desde o século XIX, época em que a avenida era o “passeio público” da cidade.

Da última vez que estive em Lisboa, fiquei no Hotel Dom Pedro, no centro da cidade.

É um hotel cinco estrelas… então, acho que nem precisa de explicação. Para quem gosta de fazer compras, em frente ao hotel está o Shopping Amoreiras. Mas é possível andar pelas redondezas a pé e conhecer o comércio da região.

Não posso deixar de falar da Torre de Belém, um dos principais cartões postais da capital portuguesa e classificada como patrimônio cultural da humanidade pela UNESCO. Tive a sorte de conhecê-la numa tarde em que o pôr-do-sol me presenteou com um belíssimo cenário.

Ali ao lado está também o Forte do Bom sucesso, no Museu do Combatente. E os tradicionais e deliciosos pastéis de Belém? Minha primeira experiência com os docinhos foi diretamente na fábrica, que funciona desde 1837. A fila é grande para entrar e encontrar um lugar à mesa, mas vale o esforço.

Quer começar a noite tomando um drink com vista para o Tejo? Pois bem, meu bem… muitos turistas vão até as docas, em Alcântara (fiquei sabendo que os lisboetas não frequentam, mas vale conhecer o lugar). Barzinhos e restaurantes para todos os gostos. Eu fui ao Irish&Co (eu sei, eu sei, eu deveria ir a um bar local, mas…) e foi muito divertido. Por falar em rio Tejo, é de tirar o fôlego esta foto privilegiada de outro pôr-do-sol maravilhoso, visto do Campo de Ourique.

Há tantas coisas para ver e sentir, talvez só as imagens e minhas palavras não consigam traduzir o que é estar em Lisboa. Na romântica Lisboa.

Sugestão de música para ler este texto: o lindo fado Canção do Mar, de Amália Rodrigues, interpretado por Dulce Pontes. 


Voltar


Comente sobre essa publicação...