Semana On

Sábado 18.jan.2020

Ano VIII - Nº 376

Coluna

Jornais perdem credibilidade

Há eficiência na apuração jornalística frente ao caos urbano?

Postado em 23 de Outubro de 2015 - Gerson Martins

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Há varias semanas a mídia local tem publicado, divulgado, veiculado a situação de calamidade em que se encontra a cidade de Campo Grande, primeiramente com o problema do acumulo de lixo por causa da greve dos funcionários da empresa que faz a coleta, pela falta do pagamento de salários dos trabalhadores e agora, há vários dias, a mídia reclama o abandono da cidade que deixou ruas cheias de buracos, quase que intransitáveis em vários lugares como causadora de acidentes, muitas vezes com vítimas. O público lê, todos os dias, nos jornais impressos, assiste na televisão, ouve no rádio e ainda lê também nas dezenas de cibermeios jornalísticos que existem na cidade.

Natural que todo esse alarde não passe despercebido pelas autoridades públicas municipais, tal é a quantidade de notícias sobre a situação de abandono em que se encontra a cidade. E por que com tanto alarde pela mídia as autoridades públicas não tomam qualquer providencia para resolver a situação? O que a população percebe é que se passam vários dias e a cidade está cada vez pior. O que a população percebe é que, novamente, assume novos gestores da cidade e não há qualquer ação que deixe a cidade habitável.

Enquanto editores e proprietários das empresas jornalística não compreenderem que o verdadeiro jornalismo se faz com boa apuração e com procedimentos investigativos, o noticiário estará comprometido.

Nessa perspectiva há que se questionar a eficiência da mídia em geral na publicização dos fatos urbanos. Ou, por outro lado, da ineficiência da apuração jornalística que provoca, nos gestores, um desinteresse e um comportamento que ignora e relativiza, não dá importância para o que os meios de comunicação propagam, noticiam. Será que basta, no geral o que é veiculado pela mídia, mostrar os milhares de buracos que infestam as ruas ou a situação de abandono da cidade? Será que o papel da mídia, dos meios jornalísticos também não é apurar corretamente as informações e promover o comprometimento das fontes, das autoridades públicas?

Está muito claro que a mídia local perdeu eficiência, e isto é decorrente de práticas continuadas de fatos mal apurados, de notícias superficiais, sem aprofundamento. Ler jornal impresso ou os cibermeios jornalísticos se tornou decepcionante, pois as informações, as notícias não têm profundidade. O jornal diário, seja o impresso, o de televisão ou de rádio, ou ainda internet se igualaram aos jornais semanários que tratam a informação de maneira superficial, de um lado, e de outro utilizam de suas edições para promoverem, publicitariamente, políticos que compram os espaços travestidos de jornalismo.

Esta situação comprova o que há muito tempo os críticos da academia, das universidades anunciam, mesmo que na perspectiva de que muitos jornalistas nas redações são egressos das escolas universitárias de jornalismo e que, portanto, aprenderam o verdadeiro espirito do jornalismo, qual seja uma apuração adequada, um jornalismo investigativo. Não existe jornalismo investigativo na mídia local. São situações extremamente raras. E sem jornalismo investigativo se perde a credibilidade do noticiário, o que leva os leitores a relativizarem o que é veiculado nos jornais diariamente.

Enquanto editores e proprietários das empresas jornalística não compreenderem que o verdadeiro jornalismo se faz com boa apuração e com procedimentos investigativos, o noticiário estará comprometido e o leitor contextualiza como fatos superficiais, sem aprofundamento, sem merecer a devida atenção e credibilidade. Esta situação também é decorrente de procedimentos de reportagem que não valorizam o profissional e empregam muitos estagiários que “comem na mão dos editores”!


Voltar


Comente sobre essa publicação...