Semana On

Domingo 25.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Comportamento

Por que mais homens estão fazendo xixi sentados?

Tema foi parar na Justiça na Alemanha.

Postado em 21 de Maio de 2015 - Mark Hay - Vice

Eles podem urinar de pé? Eles podem urinar de pé?

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em janeiro, um tribunal em Düsseldorf, Alemanha, decidiu que os homens têm o direito de mijar em pé. O caso relevante era uma disputa menor sobre um proprietário que queria ficar com o depósito do locatário por causa de manchas de urina no mármore do banheiro. Mas o fato de o proprietário ter visto o hábito do locatário de urinar em pé como algo bárbaro, assim como o fato de o juiz ter se referido à posição, agora protegida, como um antigo costume de dominância, diz muito sobre a questão.

Na última década, Alemanha e vários outros países avançam cada vez mais em direção a uma cultura de xixi sentado. Debates têm se acirrado sobre os méritos da prática, com argumentos vindo desde as bases feministas até as de saúde pública. Mas, apesar de toda a linguagem bombástica e recuo em torno dessa grande transição, as origens do movimento moderno e a história anterior da prática masculina de se fazer xixi em pé continuam obscuras para quase todo mundo.

O que sabemos é que, desde 2004, pelo menos uma empresa vem produzindo algo chamado "WC Ghost", um adesivo de privada que incentiva vocalmente os homens a levantar o assento e também a se sentar para urinar. Naquele mesmo ano, o fantasminha higiênico começou a aparecer em redes internacionais de supermercados. Em 2006, uma história surgiu na Noruega de que uma professora de escola primária teria pedido aos pais para treinarem seus filhos a fim de que eles urinassem de uma maneira civilizada, ou seja, sentados. Desde então, a prática vem se tornando mais comum na Alemanha e nos países nórdicos, com movimentos similares surgindo na França e Holanda. O fenômeno europeu provavelmente atingiu sua maior visibilidade em 2012, quando o Partido de Esquerda em Sormland, Suécia, tentou exigir que os vereadores se sentassem em vez de ficarem em pé quando usassem o banheiro de prédios municipais.

Mas isso não é uma tendência apenas na Europa. Em 2007, uma pesquisa entre casais no Japão descobriu que 49% dos homens casados faziam xixi sentados - em 1999, o número era de 15%. Em 2012, oficiais da Tailândia também começaram a promover a prática. E, mesmo nos EUA, ela ganhou um pequeno (porém altamente visível) impulso com os rumores de que pessoas como Ryan Gosling costumam se sentar.

Muitos tentaram justificar a tendência como uma medida de saúde lógica, dizendo que isso é mais saudável para a próstata (e, portanto, para a vida sexual) e mais natural para a musculatura. Mas a literatura científica parece dizer que isso é besteira, a não ser para homens com próstatas aumentadas.

De acordo com o dr. Stephen Soifer, presidente da Escola de Trabalho Social da Universidade de Maryland e especialista em parurese (bexiga tímida), que observou muitos modelos e hábitos de uso de banheiro, o grande fator unificador do movimento (que ele acredita ter atingido a massa crítica seis anos atrás) é a questão da limpeza e dos respingos causados pelos homens.

"A origem [europeia] é realmente a Alemanha", explica Soifer. "O movimento das mulheres lá estava tentando fazer os homens se sentarem para urinar, porque [elas] afirmam que os homens sujam os assentos sanitários."

(Apesar de a reclamação fazer sentido anedótico, Soifer não acredita que essa é uma afirmação bem fundamentada. Ele aponta para pesquisas do Reino Unido dos anos 80 mostrando que 96% das mulheres não se sentam nos assentos de banheiros públicos quando urinam, criando sujeira também.)

Quanto à origem da prática fora da Europa, em lugares como Japão e Tailândia, Soifer acha que isso provavelmente tem a ver com a predominância regional de associações de banheiro [organizações que promovem a construção e o melhoramento de banheiros públicos]. "Esses países, e Singapura e Coreia do Sul em particular", ele explica, "têm associações de banheiro muito ativas. (Os EUA têm uma, mas não muito ativa.) Essas associações vêm defendendo uma variedade de questões relacionadas a banheiros públicos [como higiene]."

Mas não é como se, do nada, os homens tivessem se tornado muito mais porcalhões na hora de usar o banheiro, o que torna a origem do movimento pelo xixi sentado um tanto misteriosa. No entanto, Soifer tem algumas ideias sobre por que isso apareceu recentemente na Europa e Ásia.

"Era o momento certo", ele frisa. "Acho que o movimento das mulheres [e, na Ásia, o movimento das associações de banheiro] tinha coisas mais importantes para se focar antes... não sei dizer exatamente quem e quando, mas isso foi uma daquelas questões em que, quando a hora é certa, todos pulam no mesmo barco."

Baseado na recente tendência global de homens que não urinam em pé, é fácil suspeitar que a prática, como norma cultural em vez de capricho pessoal, é algo novo. Mas sempre houve culturas que promoveram o xixi sentado para homens (ou lugares onde não há privadas, sendo o xixi agachado). A mais proeminente delas é a do Islã, em que alguns interpretam o hadith, guias para a vida baseadas nos feitos e ditos do profeta e de seus companheiros, como encorajador (mesmo não sendo exigido) para que os homens agachem na hora de urinar, evitando contato com a urina impura. Mas a promoção feita pelo Islã não é uma obrigação universal entre o mundo muçulmano tão diverso ou uma base para espalhar a prática a novas culturas hoje. Isso só prova que as sociedades, assim como os indivíduos, sempre foram um pouco irregulares e idiossincráticas em seus ideais e práticas de higiene masculina.

"Há tantas variações, culturalmente falando", destaca Soifer, refletindo sobre como nossas normas de uso de banheiro são baseadas no que é mais prático para as pessoas quando e onde elas vivem.

"Na cultura vitoriana", ele continua, "as mulheres urinavam enquanto andavam. Por causa do tipo de roupa que elas usavam... elas não conseguiam tirar aquilo tudo; então, realmente se aliviavam enquanto estavam andando."

Em algumas comunidades islâmicas, a disponibilidade de instalações e o ímpeto de se estar ritualística e pragmaticamente limpo são grandes o suficiente para que os homens escolham agachar a fim de urinar. No Ocidente e em partes da Ásia, aparentemente, estamos tão cansados do cheiro de ácido úrico e da visão de manchas amarelas que podemos mudar nosso foco para se sentar na hora de mijar. Mas onde a conveniência de se aliviar numa árvore é primordial, o xixi em pé provavelmente vai continuar reinando, apenas porque é o jeito mais fácil e simples para o cara comum.


Voltar


Comente sobre essa publicação...