Semana On

Segunda-Feira 01.mar.2021

Ano IX - Nº 432

Brasil

Projeto dá prioridade especial às pessoas com mais de 80 anos

Alteração no Estatuto do Idoso garante prioridades especiais nos serviços de saúde e em processos judiciais.

Postado em 07 de Maio de 2015 - Redação Semana On

O projeto muda o Estatuto do Idoso e determina expressamente que as pessoas com mais de 80 anos O projeto muda o Estatuto do Idoso e determina expressamente que as pessoas com mais de 80 anos

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Federal aprovou na última quinta-feira (7), em caráter conclusivo, projeto de lei que garante prioridade especial, entre os idosos, às pessoas com mais de 80 anos.

O projeto muda o Estatuto do Idoso e determina expressamente que as pessoas com mais de 80 anos terão prioridade nos atendimentos de saúde, exceto nos casos de emergência, e também em processos judiciais.

Se não houver recurso para apreciação no plenário da Câmara, o projeto será encaminhado diretamente à discussão e votação no Senado. De autoria do deputado Simão Sessim (PP-RJ), a proposta altera o Estatuto do Idoso, que estabelece que as pessoas com idade superior a 60 anos têm direito a tratamento prioritário.

De acordo com o parlamentar, o Estatuto do Idoso deixou uma lacuna ao não estabelecer prioridade especial para pessoas com mais de 80 anos. Segundo ele, com o aumento da expectativa de vida no Brasil, hoje já são mais de 3 milhões de brasileiros com mais de 80 anos. 

Para Simão Sessim, a medida é justa socialmente e amparada na melhor lógica, "devendo ter a pessoa de quarta idade prioridade total nos serviços de saúde, tramitação de processos e em todos os direitos".

Na justificativa do projeto, o deputado informou que a legislação de 2003, que contemplou os direitos dos idosos, maiores de 60 anos, não atentou para o fato que a diferença de capacidade, mobilidade e dificuldades dos que chegam à chamada quarta idade é muito maior que das pessoas que ainda estão na faixa dos 60 anos.

"Logo, nossa legislação contém uma lacuna, que exige correção. É preciso distinguir os maiores de 80 anos, a fim de dar a eles ainda mais prioridade do que se dá aos outros idosos”, acrescentou Simão Sessim.


Voltar


Comente sobre essa publicação...