Semana On

Sábado 25.jan.2020

Ano VIII - Nº 377

Poder

Janot reage e diz que Lava Jato desvendou falcatruas

Para o procurador, esforço do Ministério Público expôs o esquema de corrupção.

Postado em 13 de Março de 2015 - Redação Semana On

Janot disse que graças aos esforços do Ministério Público o esquema de corrupção foi exposto ao país. Janot disse que graças aos esforços do Ministério Público o esquema de corrupção foi exposto ao país.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, rebateu nesta sexta-feira (13) críticas feitas por parlamentares na CPI da Petrobras, que taxaram sua atuação como política, pretendem convocá-lo para depor na comissão e ainda querem quebrar seu sigilo telefônico, transformando investigador em investigado.

Num evento com os chefes dos ministérios públicos dos estados, o procurador lembrou de uma carta que enviou aos colegas de profissão no último dia 4, quando disse não ser necessário ter "dons premonitórios" para saber que ataques à instituição e contra sua pessoa seriam proferidos após a derrubada do sigilo dos inquéritos da Lava Jato.

"De fato, não seriam necessários dons premonitórios. A história ensina algo sobre o presente", disse. "De toda forma, causa espécie que vozes do Parlamento, aproveitando-se de uma CPI instaurada para investigar o maior esquema de corrupção já revelado no País, tenham-se atirado contra a instituição que começa a desvelar a trama urdida contra a sociedade", acrescentou.

Janot ainda comentou que graças aos esforços do Ministério Público o esquema de corrupção foi exposto ao país, e que será também pela atuação da instituição que "os verdadeiros culpados irão responder judicialmente e sofrerão as penas cabíveis".

As declarações foram dadas num evento em que Janot falou para os procuradores sobre um conjunto de medidas que pretende lançar para combater a corrupção e ampliar a recuperação de ativos. Para isso, conclamou a união e apoio de todos os procuradores do país.

Por fim, disse acreditar que os cidadãos, pagadores de impostos, saberão distinguir quem está do lado do bem e do mal quando avaliarem os casos de corrupção que correm nos tribunais do país.

"Que os cidadãos que pagam impostos e que cumprem com seus deveres cívicos saberão, nessa hora sombria e turva da nossa história, distinguir entre o bem e mal; entre a decência e a vilania; entre aqueles que lutam por um futuro para o país e aqueles que sabotam nosso sentimento de nação".


Voltar


Comente sobre essa publicação...