Semana On

Terça-Feira 13.abr.2021

Ano IX - Nº 438

Coluna

Celebrando as Mulheres na fotografia

Mulheres que deixaram sua marca na história da fotografia.

Postado em 06 de Março de 2015 - Elis Regina Nogueira

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Julia Margaret Cameron - Índia (1815-1879)

Tinha 48 anos quando se aventurou na fotografia após ganhar uma câmera como presente. Ela é mais conhecida por seus retratos de grandes personalidades, como pintores, poetas, filósofos, e até de Charles Darwin. Apesar de ter se iniciado na fotografia sem ambições comerciais, continuou e foi comprada por diversos museus.

Dorothea Lange – EUA (1895 – 1965)

Dedicou-se a registrar o impacto das tragédias na vida das pessoas. Durante os anos 30, registrou como a Grande Depressão havia afetado os camponeses. Nos anos 40, acompanhou diversas famílias japonesas antes e durante sua estadia nos Centros de Realocamento destinados a elas.  Na época, suas fotos ajudaram a melhorar a situação dos fotografados. Hoje são consideradas retratos da História, sendo “Migrant Mother” (Mãe Emigrante) uma das imagens mais reproduzidas pelo mundo.

Margaret Bourke-White – EUA (1904 – 1971)

Uma das preferidas da revista Life, a fotojornalista foi a primeira mulher a atuar como correspondente fotográfica de conflitos armados. Trabalhou durante a Segunda Guerra Mundial, sendo também a primeira mulher autorizada tanto a fotografar as instalações industriais soviéticas quanto a operar em zonas de combate. Suas fotografias da libertação do Campo de Concentração de Buchenwald foram publicadas com alarde em todo o mundo. Ela também registrou fielmente a luta pela independência na Índia e no Paquistão. Margaret foi vítima do Mal de Parkinson, vindo a falecer com 67 anos de idade.

Eve Arnold – EUA (1912 – 2012)

Em 1957, foi a primeira mulher a ser membro da renomada Magnum Photos. A fotojornalista se interessava muito pela figura feminina, seu papel na sociedade e sua história pessoal. Seus cliques registraram desde Marilyn Monroe e a Rainha Elizabeth II até mulheres pobres na China, Afeganistão, África e, claro, União Soviética.  Nos anos 80, Eve foi eleita membro honorário da Royal Photographic Society.

Helen Levitt – EUA (1913 – 2009)

Interessada na vida comum e suas surpresas, Levitt passou os 60 anos de carreira registrando o cotidiano da cidade de Nova Iorque. Seus cliques, considerados uma mistura entre registro e poesia, inspiraram várias gerações de artistas simpatizantes do mesmo conceito. Seu trabalho pode ser visto em alguns dos mais importantes museus do mundo, como o Metropolitan Museum of Art e o Centro Nacional de Fotografia, em Paris.

Diane Arbus- EUA – (1923-1971)

Retratista americana conhecida por suas fotos quadradas em preto e branco. Seus objetos frequentemente são controversos, já que ela fotografava artistas de circo, travestis, e pessoas com distúrbios mentais, dentre outros. Existem reações muitos diversas dentre os críticos das fotos de Diane Arbus. Alguns a elogiam por seu trabalho único e revolucionário  e outrso criticam fortemente.

Vivian Maier – EUA – ( 1926-2009)

Vivian Maier era uma fotógrafa de rua que também trabalhava como babá. Durante seu trabalho como babá, tirou mais de 100.000 fotos da vida cotidiana. Apesar de ter tirado muitas fotos em toda sua vida, seus trabalhos só se tornaram conhecidos alguns anos depois de sua morte.

 

Estas fotógrafas influenciaram toda uma geração de artistas visuais. Na coluna da semana que vem vamos celebrar as fotógrafas contemporâneas, que  atualmente trabalham com a fotografia como suporte para suas intervenções e expresses artistica


Voltar


Comente sobre essa publicação...