Semana On

Domingo 25.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Comportamento

Narrando a enfermidade

Escrever sobre a própria doença traz benefícios à saúde.

Postado em 19 de Fevereiro de 2015 - Redação Semana On

O poder de dizer. O poder de dizer.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Médicos de um dos mais respeitados centros oncológicos do mundo fizeram uma descoberta que vai na contramão do senso comum, segundo o qual a última coisa que o portador de uma doença grave deve fazer é pensar demais no problema de saúde.

Eles pediram que centenas de pacientes colocassem no papel, em detalhes, os pensamentos e as sensações provocadas pelo câncer. O resultado: uma melhora significativa de vários sintomas da doença, relatam os especialistas do Centro do Câncer MD Anderson, nos EUA.

"Há boas evidências de que a negação pode ser uma estratégia eficaz de curto prazo contra uma causa de estresse, mas no longo prazo essa abordagem é deletéria para a saúde mental e física. Os efeitos das sessões de escrita disparam um processo nos pacientes que vai continuar mesmo depois do fim dessas sessões”, diz o coordenador do estudo, Lorenzo Cohen.

Usar a escrita como arma contra o câncer é só o exemplo extremo de uma série de outros estudos, os quais indicam que a chance de contar a própria história por escrito ajuda a enfrentar problemas de saúde ou dificuldades de relacionamento e autoestima.

Nos últimos anos, grupos internacionais de pesquisadores têm empregado a técnica para diminuir o risco de episódios de depressão, ajudar casais em dificuldades ou melhorar o desempenho acadêmico de universitários de baixa renda, por exemplo (veja infográfico acima).

O animal que narra

Para o crítico literário americano Jonathan Gottschall, do Washington & Jefferson College, a associação entre escrita autobiográfica e bem-estar faz todo o sentido.

Gottschall é autor do livro "The Storytelling Animal" ("O Animal Contador de Histórias"), uma análise darwinista da compulsão humana de contar histórias, no qual usa a literatura científica da área de psicologia para argumentar que pessoas sãs normalmente criam um "épico próprio", no qual são os heróis.

"Isso deriva do fato de que, em condições normais, todos temos um viés psicológico ligeiramente favorável a nós mesmos. Quando você pergunta sobre uma qualidade, como inteligência ou sensibilidade, a tendência é qualquer pessoa dizer que está acima da média, quando, por definição, metade das pessoas sempre está abaixo da média em alguma coisa", diz Gottschall.

Para ele, o lado "terapêutico" de contar a própria história se dá quando essa narrativa autobenevolente deixa de funcionar – nesses casos, recontar os próprios passos ajudaria as pessoas a entrar nos eixos de novo.


Voltar


Comente sobre essa publicação...