Semana On

Sábado 05.dez.2020

Ano IX - Nº 422

Coluna

A genialidade de Iñárritu

Novo longa do diretor mexicano é o favorito ao Oscar.

Postado em 06 de Fevereiro de 2015 - Danilo Custódio

 Birdman, é um filme que deflagra, sob uma perspectiva no mínimo curiosa, os bastidores da maior indústria de entretenimento do mundo. Birdman, é um filme que deflagra, sob uma perspectiva no mínimo curiosa, os bastidores da maior indústria de entretenimento do mundo.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Iñárritu, com seu humor negro, mais uma vez nos prova que é sim um gênio. Seu último longa, Birdman, é um filme que deflagra, sob uma perspectiva no mínimo curiosa, os bastidores da maior indústria de entretenimento do mundo: o mercado cinematográfico hollywoodiano.

Apesar da sua excelente execução técnica (como é o caso da grande maioria das coisas que são feitas por lá), o que mais chama a atenção no favorito ao Oscar desse ano é a facilidade com que o diretor universalizou o drama da exposição pessoal, onde o mundo precisa saber quem você é e, a partir disso, adorá-lo pelo que conhecem de você. Como todo filme de Iñárritu, Birdman é uma obra que nos faz compreender essa relação de maneira profunda.

 

Cinema brasileiro

Em 2014 o cinema nacional ocupou apenas 18,6% do market share (divisão do mercado). Desse montante, apenas seis filmes englobaram a maior parte dessa fatia (cada um deles com mais de 1 milhão de ingressos vendidos). Dos 114 filmes nacionais que estrearam em 2013, 83 não atingiram a marca dos 10.000 espectadores e 29 deles não venderam nem 1.000 ingressos. Essa é a realidade do cinema brasileiro. O brasileiro produz, mas não assiste o seu próprio cinema. Se você quer ajudar a mudar isso, precisa começar a ver filme brasileiro no cinema. E se você gosta de cinema - em qualquer um de seus aspectos - com certeza irá se deliciar com o último filme de Adirley Queirós. Branco Sai, Preto Fica é um filme imperdível, que fala do Brasil de uma maneira simples, pura e sincera (pra não dizer verdadeira). A segregação da periferia em Brasília é o tema central nessa trama sci-fi que chegará aos cinemas em 19 de Março de 2015. Vale a pena conferir!

Olhar de Cinema.

 

Fique por dentro

Em entrevista ao Estadão na semana passada, Juca Ferreira, nosso Ministro da Cultura, voltou a bater na tecla da reformulação da Lei Rouanet. A pauta é antiga. Ninguém está satisfeito com o atual mecanismo da Lei, que permite à iniciativa privada definir como e onde o dinheiro público da cultura será investido. O gargalo que isso traz é tamanho, que é unânime entre os artistas: do jeito que tá não dá mais.

 

Máquina do tempo

Entre 1975 e 1979, circulou no Brasil a revista Cinema em Close Up, que teve origem na Boca do Lixo, importante região de São Paulo que se tornou parte da história do cinema brasileiro, pelas importantes obras que realizou. Todas as suas vinte edições foram digitalizadas e estão disponíveis na internet (link acima). Aproveite!


Voltar


Comente sobre essa publicação...