Semana On

Segunda-Feira 01.mar.2021

Ano IX - Nº 432

Coluna

Fofofascista

Raphael Tsavkko Garcia fala de genocidas, fascistas e quetais

Postado em 28 de Janeiro de 2021 - Raphael Tsavkko Garcia

Ilustração: The Intercept_Brasil Ilustração: The Intercept_Brasil

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O fofo fazendo cosplay de genocida e querendo suspender a vacinação em São Paulo é o deputado estadual bolsonarista e amigaço dos Carecas do ABC (aquele grupo abertamente fascista), Douglas Garcia. Sim, o mesmo que criou a famosa (ou famigerada?) lista de antifascistas com nomes, endereços, fotos, CPF e telefone de ativistas de esquerda e jornalistas e que está me processando por chamá-lo de.... fascista - aqui a história https://is.gd/fJrJrT

Abaixo a patotada...

Juiz nega pedido de deputado para suspender produção da Coronavac em São Paulo

Por Tiago Angelo (no Conjur)

Proibir o uso de uma vacina reconhecida como eficaz e aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária causaria prejuízo à saúde dos brasileiros, levando em conta o avanço da epidemia de coronavírus no país. 

Com esse entendimento, do juiz Otavio Tiotti Tokuda, da 1ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, negou, nesta sexta-feira (22/1), pedido do deputado Douglas Garcia (PTB-SP) para suspender o contrato celebrado entre o governo de João Doria (PSDB), o Instituto Butantan e a Sinovac. O objetivo era paralisar a produção da vacina Coronavac. 

O julgador também negou o pedido do parlamentar para que o contrato fosse divulgado para a população. 

"Ainda que o autor popular especule sobre um possível prejuízo à população, não se justifica dar ampla publicidade ao contrato firmado para a fabricação da Coronavac, ainda mais quando não há qualquer evidência de risco à população quanto ao uso dessas vacinas", afirmou o juiz. 

Ainda segundo o magistrado, a Covid-19 "é doença nova, as pesquisas para combater a doença estão em andamento e a vacinação deve ser global, o que pressupõe um alto custo para a produção e aquisição dessas vacinas, aprovadas para uso emergencial, cujas fórmulas devem permanecer em sigilo, até para que não se dissemine uma concorrência predatória e prejudicial à população". 

Clique aqui para ler a decisão
Processo 1056621-40.2020.8.26.0053


Voltar


Comente sobre essa publicação...