Semana On

Domingo 24.jan.2021

Ano IX - Nº 427

Campo Grande

Acompanhamento individualizado nas farmácias garante maior adesão a tratamento nas unidades de saúde

Expansão do serviço de farmácia clínica é uma das iniciativas visando o fortalecimento da Atenção Primária

Postado em 10 de Novembro de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em Campo Grande, pacientes atendidos em 23 unidades básicas e de saúde da família (UBSs e USFs) contam com atendimento farmacêutico individualizado, o que garante maior adesão ao tratamento e impacta diretamente na qualidade de vida dos usuários. A expansão do serviço de farmácia clínica é uma das iniciativas adotadas pela atual gestão, visando o fortalecimento da Atenção Primária e a melhoria da assistência prestada à população.

O aposentado Antônio pereira de Souza, usuário da Unidade de Saúde da Família (USF) Parque do Sol, é um dos milhares de pacientes beneficiados pelo serviço.  Ao menos uma vez por mês ele passa pela consulta realizada pelo profissional farmacêutico.

"Antigamente, não tinha isso não. As vezes, nem médico tinha. É um atendimento muito bom. Eles me orientam como eu devo tomar os remédios da maneira correta e sempre que eu tenho dúvida eu consigo ser atendido. Isso tem me ajudado muito no tratamento. Certamente, tem feito diferença para a melhoria da minha qualidade de vida", diz.

Durante a consulta, o profissional esclarece ao paciente sobre  a forma correta de utilização de cada medicamento,  bem como verifica a eficácia e segurança do tratamento,  além da verificação de interação medicamentosa,  conciliação de medicamentos,  adesão ao tratamento,  orientação sobre descarte de medicamentos,  solicitação de exames laboratoriais para acompanhamento do tratamento e encaminhamento para outros profissionais de saúde, dentre outras ações como as práticas integrativas complementares (PICS) e ações educativas coletivas e atendimento  domiciliar.

Expansão

Nos últimos quatro anos, o serviço de farmácia clínica esteve em franca expansão em Campo Grande, estando atualmente presente em 23 UBSs e USFs das 71 existentes:

USF Mata do Jacinto, USF Jardim Noroeste, USF Estrela Dalva, UBS Coronel

Antonino, USF São Francisco, USF Nova Lima, USF Vida Nova, USF Jose Tavares, USF

Parque do Sol, USF Iracy Coelho, USF Tiradentes, USF Moreninha iii, UBS

Universitário, USF Jardim Itamaracá, USF Indubrasil, UBS Silvia Regina, UBS Popular,

USF Aero Itália, UBS Buriti, USF Coophavilla Ii, USF Batistão, USF Portal Caiobá, USF

Oliveira II

Medicamentos garantidos

Atualmente, o estoque de medicamentos da rede encontra-se em 80%, o que garante o pleno funcionamento de serviços como a farmácia clínica e garante a assistência adequada à população, segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau). O cenário é bem diferente do encontrado há quatro anos. Em janeiro de 2017, a rede municipal de saúde encontrava- se com estoque menor que 20%, abaixo da chamada reserva técnica, além de uma dívida de mais de R$20 milhões com fornecedores. 

Planejamento

O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, destaca  que todos os processos de compra de medicamentos, insumos e materiais são feitos de maneira programada e seguindo um planejamento pré-definido com total lisura para garantir o atendimento à população.

"Através do empenho da nossa equipe e um trabalho de planejamento, conseguimos manter o abastecimento em quase sua totalidade, assegurando à população que ela saia da consulta já com o medicamento em mãos. Através dessa organização, é possível fazer as previsões e evitar que os medicamentos faltem nas prateleiras das unidades por muito tempo. É claro que existem situação pontuais, que muitas vezes fogem do nosso controle, como atraso de entrega, processos burocráticos morosos, por exemplo. Mas, trabalhando desta forma, nós estamos conseguindo garantir que não falte a maioria dos medicamentos tidos como essenciais", complementa.

Nestas "exceções" encontram-se medicamentos específicos, como os controlados, por exemplo,  que registram faltas pontuais, devido atraso de fornecedores, seja por falta de matéria-prima; falência de empresas ou alta do dólar, que modificou preço dos produtos. Com isso, as empresas não conseguem comprar o produto e oferecer para prefeitura, visto que o preço ofertado na licitação está defasado.

No entanto, existe um esforço junto aos fornecedores de que haja uma melhor resposta quanto a estas necessidades para evitar que a população fique desassistida.

A Relação Municipal de Medicamentos (Remume) de Campo Grande é composta de 343 itens, que são disponibilizados gratuitamente à população. Desses, 275 medicamentos são adquiridos pelo Município e os demais são fornecidos diretamente pelo Ministério da Saúde e Secretaria Estadual de Saúde (SES).


Voltar


Comente sobre essa publicação...