Semana On

Domingo 25.out.2020

Ano IX - Nº 416

Campo Grande

Repasses do Estado para saúde da capital somam R$ 132 milhões desde janeiro deste ano

Além de ações de contenção e combate à Covid, recursos foram destinados para custeio de atendimento em unidades hospitalares, UPA, SAMU, pagamento de Agentes Comunitários de Saúde, saúde bucal, Estratégia de Saúde da Família, entre outros

Postado em 29 de Setembro de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Desde o início do ano, o Governo do Estado repassou, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), recursos da ordem de R$ 132.078.852,41 em transferências diretas para o Fundo Municipal de Saúde de Campo Grande, destinadas ao custeio de serviços como SAMU, Assistência Farmacêutica, UPA, hospitais, Agentes Comunitários de Saúde, saúde bucal, prevenção e combate à Covid-19 e outros.

A manutenção regular do aporte financeiro para os municípios de Mato Grosso do Sul é determinação da gestão estadual.  “Essa foi uma das missões que nos foram delegadas pelo governador Reinaldo Azambuja com o objetivo de, em parceria com os municípios, ofertar saúde de boa qualidade aos cidadãos sul-mato-grossenses”, explica o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende.

Sendo referência estadual para diversos serviços de alta complexidade, Campo Grande recebe pacientes de diversas regiões do Estado. A regularidade dos repasses financeiros para os municípios de todas as regiões tem o objetivo, também, de desafogar a capital. “Trabalhamos para reorganizar a atenção básica e a assistência hospitalar, a fim de que gradativamente boa parte desses usuários possam ser atendidos em seus municípios de origem”, salienta o secretário.

Do valor global de R$ 132 milhões, um dos itens mais expressivos é o valor repassado pelo Governo do Estado para custeio das UPA’s (Unidades de Pronto Atendimento) de Campo Grande: R$ 11,2 milhões. Já a Santa Casa de Campo Grande recebeu, no mesmo período, R$ 27,4 milhões. Como forma de apoio do Estado às ações em saúde, a capital conquistou um repasse de R$ 18,7 milhões desde o começo deste ano. Na cota-parte da receita do FIS (Fundo de Investimento Social/Saúde), houve uma transferência estadual, para o Município, de R$ 18,3 milhões.

Como forma de incentivo salarial aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), houve o pagamento de R$ 8,5 milhões, depositados no Fundo Municipal de Saúde da capital. O SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) obteve R$ 2,8 milhões. A soma dos repasses mensais para o Fundo de Assistência Farmacêutica de Campo Grande, por sua vez, soma R$ 2 milhões.

Para pagar o atendimento no Hospital do Câncer Carmem Prudente, o Estado repassou, desde janeiro, R$ 1 milhão na rubrica HF/SUS, além de mais R$ 1 milhão para quitar a produção, R$ 7,1 milhões para custeio e R$ 5 milhões como forma de incentivo. Para o Hospital Universitário da Universidade Federal (UFMS) foram destinados R$ 3 milhões. A saúde mental, por sua vez, obteve um aporte de R$ 457,8 mil e a saúde bucal, R$ 271,7 mil, enquanto o sistema penitenciário recebeu R$ 268,4 mil, e o Programa Estratégia de Saúde da Família obteve repasses de R$ 5,4 milhões.

Destinados à Maternidade Cândido Mariano, foram R$ 2,3 milhões. O Hospital São Julião também recebe recursos estaduais, e neste ano os investimentos chegaram a R$ 2,4 milhões, mais R$ 80 mil no setor de odontologia, R$ 1,5 milhão para custeio de leitos e R$ 700 mil para custeio de tratamento oftalmológico.

A Santa Casa de Campo Grande tem apoio financeiro do Governo do Estado para a prestação de diversos serviços. Para a OPO (Organização de Procura de Órgãos), foram R$ 300 mil, este ano; para o setor de Trauma, R$ 7,7 milhões; na rubrica “Financiamento”, a instituição obteve mais R$ 7,5 milhões; e como forma de incentivo, foram mais R$ 11,8 milhões. No total, foram R$ 27.404.487,17.

Para o Centro Especializado em Reabilitação (CER) foram destinados R$ 448,54 mil; o Fundo para Atender Unidade de Acolhimento Adulto obteve R$ 162,5 mil, enquanto a Oficina Ortopédica Itinerante, R$ 46 mil; o Incentivo ao Serviço Residencial Terapêutico, R$ 130 mil; e Consultório na Rua, R$ 177,4 mil. O incentivo para o hospital Nosso Lar foi de R$ 1,2 milhão, enquanto a APAE conquistou R$ 2,7 milhões. Para custeio de ações de prevenção e contenção ao coronavírus, Campo Grande recebeu R$ 3,5 milhões do governo estadual.


Voltar


Comente sobre essa publicação...