Semana On

Terça-Feira 27.out.2020

Ano IX - Nº 416

Comportamento

Morte de bebês negros cai pela metade quando tratados por médicos negros

Levantamento realizado nos EUA analisou taxas de sobrevivência e mortalidade de recém-nascidos ao longo de 23 anos. Artigo reforça importância da diversidade na medicina

Postado em 15 de Setembro de 2020 - Frederico Cursino - Agência Einstein

Foto: Getty Images Foto: Getty Images

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um estudo publicado pela National Academy of Sciences revelou que, nos Estados Unidos, recém-nascidos negros têm maior chance de sobrevivência quando atendidos por médicos da mesma raça. De acordo com o trabalho, conduzido por pesquisadores de três universidades norte-americanas, os bebês negros morrem três vezes mais do que bebês brancos durante a internação inicial. Porém, quando atendidos por médicos negros, sua taxa de mortalidade cai à metade. Já com os bebês brancos não existe diferença de mortalidade relacionada à raça do médico responsável.

“Esta é a primeira evidência do efeito da concordância racial entre médico e paciente na diferença de mortalidade entre negros e brancos. À medida que buscamos fechar lacunas raciais persistentes para a questão do nascimento, essa descoberta é bastante importante”, afirma a coautora do estudo Rachel Hardeman, professora especializada em saúde pública e equidade racial da Universidade de Minnesota.

O estudo, no entanto, não indicou as razões pelas quais a raça atribuída ao médico estaria influenciando na diferença de mortalidade entre bebês negros e brancos. Segundo os pesquisadores, qualquer conclusão no momento seria meramente especulativa, mas é possível que questões como a maior identificação entre médicos e pacientes negros, o que facilitaria inclusive a comunicação com as mães, estejam entre as causas. Por isso, os autores alertam que pesquisas futuras sobre este tópico são fundamentais para avançar nos esforços contra a disparidade racial na prestação de cuidados de saúde.

“Há um ambiente de explicações possíveis. O próximo passo é, por meio de observações, descobrir as razões para tal diferença”, afirma Brad Greenwood, da Universidade George Mason, também coautor do estudo.

Para a realização da análise, equipes de pesquisadores das universidades de Minnesota, Harvard e George Mason examinaram, ao longo de 23 anos (entre 1992 e 2015), 1,8 milhão de nascimentos hospitalares no estado da Flórida, identificando a raça do médico em cada um dos casos. 

Um outro ponto destacado pelos autores é a necessidade de aumento da diversidade na força de trabalho médica. Enquanto nos Estados Unidos cerca de 13% da população é negra, apenas 5% dos médicos são da mesma raça, segundo a Associação de Faculdades de Medicina Americana. Atualmente, nos Estados Unidos, bebês negros com menos de um ano morreram duas vezes mais que bebês brancos, asiáticos ou hispânicos, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças.


Voltar


Comente sobre essa publicação...