Semana On

Terça-Feira 27.out.2020

Ano IX - Nº 416

Coluna

Tirando stalinistas do armário

Na estreia de sua coluna, Raphael Tsavkko chacoalha o esgoto do totalitarismo

Postado em 09 de Setembro de 2020 - Raphael Tsavkko

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Se existe algo fácil nesse mundo é tirar stalinista do armário. Sim, a discussão do fim-de-semana segue viva, com Stalinnials surgindo do esgoto para defender seu líder e, claro, também aliados ao identitarismo mais torpe possível.

Identitarismo é uma ideologia eminentemente anti-marxista que relega classe a um segundo ou terceiro lugar, dando destaque à raça, gênero e outras características físicas dos indivíduos. Ela também bebe de fontes liberais, sendo defendida com unhas e dentes, nos EUA, exatamente pelos liberais que esse pessoal tanto odeia (e ameaça eliminar fisicamente, mandar pro gulag, etc).

Mas que os stalinistas tupiniquins adotam quando lhes convém pra tentar impedir debates gritando "RACISMO". Não falha nunca.

Como disse um amigo no Twitter:

"Racismo é colocar em xeque a propriedade intelectual de um homem negro, ou colocar em xeque a propriedade intelectual de um homem negro por ele ser negro?

São coisas bastante diferentes, não?"

Ilustrando:

-O cara defende Stalin, diz textualmente que GOSTA do cara, defende Gulag, defende censura, etc....
-ISSO É RACISMO !

Esse foi mais um episódio de: "Stalinistas identitários: Porque quando você acha que não pode piorar, vem a metástase".

Mas o pior é o resto da esquerda que passa pano, passa a mão na cabeça (numa condescendência que poderia ser intepretada, aí sim, como racista) e ainda reforça o vitimismo e o discurso em defesa de regimes genocidas (sim, eles também defendem com unhas e dentes a Venezuela e a Coreia do Norte).

Imagina se alguém chega por aqui e diz "eu gosto de Hitler". Não ia ter meio termo (felizmente), o cara ia ser chamado e tradado como nazista.

Mas dizer "eu gosto de Stalin", defender gulag e tudo mais a galera passa a mão na cabeça. "Ah, não é bem assim". E a esquerda afundando.

-voces criticam por classismo
-mano, o cara é stalinista
-voces criticam por racismo
-qual parte do "ele é stalinista" você não pegou?
-Isso é classismo e racismo!

Block.

Claro, como bons censuradores que são, eis o que pensam do The Intercept e da liberdade de imprensa. Divirtam-se. E sigam dando moral.

GENTE SEM NOÇÃO

"Só gente muito sem noção leva o stalinismo a sério hoje em dia. Uma dessas criaturas é o cientista social russo Aleksandr Dugin, que além de fã de Josef Stálin também curte Adolf Hitler, o czarismo e produziu um livro em parceria com Olavo de Carvalho. Faz sentido, portanto, que o Brasil agora tenha inventado “influencers stalinistas”. Depois de desenterrar o terraplanismo, o monarquismo e o integralismo, chegou a vez de tirar da cova também o stalinismo. Como diria Millôr Fernandes, “quando uma ideologia fica bem velhinha, ela vem morar no Brasil”."

Boa Edson Aran!

VAI ESTUDAR

Começa com "vai estudar", parte pra defesa de genocida (ops, ele só não crítica genocida, defende legado), passa pela mal disfarçada defesa de "bala" contra "liberais" (que pro moleque são invariavelmente fascistas) e acaba com "vai ler".

É essa desgraça que vocês andam chamando de esquerda? Dêem poder a esse tipo de gente, a esses stalinnials, e os primeiros a serem eliminados são os de esquerda se achando bem intencionados e "radicais".

Objetivamente Jones e um nazista são a mesma coisa. Genocídio? O meu primeiro. "Stalin cometeu erros, mas" é, sem tirar nem pôr, o mesmo que "Hitler cometeu erros, mas".

Como disse um amigo, "esse tipo de psicopata aí tem que ser chamado do que é: mamador de ditador e genocídio, que não deveria ter espaço no debate público e deveria ser tratado tanto como pária quanto um neonazista seria. Cada vez mais as figuras públicas da esquerda não retardada estão acanhadas e querendo fazer mediazinha com esse tipo de doente. Resultado: tá cada vez mais normal ver stalinismo como algo “aceitável”"

A pena para nossa inação e conivência de muitos é o Reich de Mil Anos do Bolsonaro. Não bastou o PT ter esmagado a esquerda em 2013 (com um profundo processo de cooptação posterior), agora surge uma "alternativa" que consegue agregar o identitarismo mais torpe e a brutalidade petista com direito a doses cavalares de ego e prepotência?

QUE TEXTÃO DO CALLIGARIS!

"Os fanáticos lutam para impor a todos os caminhos pelos quais eles adoram se censurar e reprimir. Devem ter a estimulante impressão de estar trabalhando para realizar na marra a Cidade de Deus (ou o terceiro império dos homens puros).

Os cultos e céticos lutam para que cada um possa tocar a vida e gozar do jeito que lhe parece certo, sem ser julgado (apenas nos limites do Código Penal). É menos estimulante do que agitar os estandartes de Deus, família e tradição —sobretudo para o aplauso de quem nunca parou para pensar o que eles podem significar.

Para mim, a liberdade quase ilimitada de gozar e tocar a vida é um prazer pelo qual vale a pena lutar, mais do que por qualquer outro.

Mas talvez essa liberdade moderna já seja uma espécie em vias de extinção. Talvez os fanáticos e incultos sejam fadados a prevalecer."

OUTROS TEMPOS

Em outros tempos eu me perguntaria como um presidente que defende a Ditadura pode seguir sem sofrer impeachment.

Mas depois de quase 130 mil mortes por coronavirus, Gabinete do Ódio, corrupção envolvendo toda a família e etc eu só posso esperar, sentado, pelo novo horror.

A desgraça, o abuso, a verborragia, a violência, o desprezo pela vida se tornaram lugares-comum. Bolsonaro se tornou banal em sua caricatura.

O fascismo tornou-se a realidade anestesiada.

MARGINAIS DA FÉ

Não basta os marginais da fé extorquirem livremente dinheiro dos "fiéis", agora eles também tomam dinheiro do Estado - e de quem não tem nada a ver com o fundamentalismo que pregam.


Voltar


Comente sobre essa publicação...