Semana On

Segunda-Feira 01.mar.2021

Ano IX - Nº 432

Mato Grosso do Sul

Estudo aponta MS como estado brasileiro com maior crescimento no PIB em 2021

Governo de MS deve investir mais de R$ 1,5 bilhão neste ano

Postado em 25 de Agosto de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Apesar do estrago causado pela Covid-19, Mato Grosso do Sul deverá obter o melhor desempenho do país no crescimento da economia no próximo ano. É o que revela levantamento da Tendências Consultoria Integrada. Segundo o estudo, Mato Grosso do Sul vai estar entre os cinco estados brasileiros a encerrar o próximo ano com crescimento no Produto Interno Bruto (PIB), em relação a 2019.

Enquanto 21 estados e o Distrito Federal podem fechar 2021 com queda, Mato Grosso do Sul deverá exceder em 2,7% o PIB do ano passado. Os outros estados com estimativa de crescimento são Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Goiás. O Produto Interno Bruto é a soma de todas as riquezas geradas por um país.

Para o governador Reinaldo Azambuja, o papel do poder público deve continuar sendo o de permitir uma retomada segura da economia. “Todo mundo teve prejuízos por causa da pandemia, da dona de casa aos governos, e quem respondeu melhor à pandemia foi o agronegócio, que em Mato Grosso do Sul tem um papel essencial. Mais uma vez, os produtores brasileiros mostraram que, da porteira para dentro, eles dão show. Não chegamos a paralisar nenhuma atividade, mas criamos protocolos e medidas de segurança para o trabalhador, trabalhadora e criamos o Comitê Gestor do Plano de Retomada Pós-Crise para apoiar iniciativas que contribuam para a retomada segura das atividades econômicas. Queremos estimular o mercado, mesmo que o retorno a essa nova normalidade seja diferente. É com responsabilidade, que vamos superar essa crise”, disse.

De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o desempenho de Mato Grosso do Sul é explicado em parte pela agroindústria, em especial a de papel e celulose. “Com localização privilegiada, próxima de São Paulo, a indústria de celulose do Estado deve ser favorecida pela expectativa de ampliação da demanda asiática por papel tissue, pela tendência estrutural de substituição do plástico por produtos de papel e pelo câmbio brasileiro desvalorizado”, explica o economista da Tendências Lucas Assis.

Não é a toa que o Governo de Mato Grosso do Sul não tem medido esforços em promover a integração logística para facilitar o escoamento da produção. Na última semana, o governador Reinaldo Azambuja assinou um acordo com o colega Carlos Roberto Massa Ratinho Junior, do Paraná, para viabilizar a construção de um corredor ferroviário de exportação com 1.370 quilômetros, ligando regiões produtoras de Mato Grosso do Sul ao porto de Paranaguá.

Isso, sem falar da Rota Bioceânica, projeto encabeçado por Mato Grosso do Sul que irá reduzir em 14 dias a distância e o custo do transportes dos produtos da América do Sul ao continente asiático - que é o maior consumidor do Estado.

1,5 bilhão neste ano

Na contramão de praticamente todos os estados brasileiros e mesmo enfrentando o estrago provocado pela Covid-19, Mato Grosso do Sul pode fechar 2020 com crescimento da economia e investimentos ultrapassando a casa de R$ 1,5 bilhão nas mais diversas áreas. A informação é do governador Reinaldo Azambuja.

“O poder público hoje tem a capacidade de fazer investimentos. Isso é importante. Se você olhar entre todos os investimentos - saneamento, habitação, infraestrutura [etc] - vamos ultrapassar R$ 1,5 bilhão, mesmo na pandemia, no ano de 2020”, afirmou o chefe do Executivo. “Temos estados [brasileiros] em que o PIB vai ultrapassar uma queda de 10%. Eu acho que no ano de 2020, Mato Grosso do Sul devemos terminar o ano talvez até crescendo um pouquinho, diferente do Brasil todo”, acrescentou.

E se para 2020 o cenário é positivo para o Estado, inclusive obtendo o terceiro melhor resultado do país na geração de empregos com carteira assinada com 1.561 novos postos de trabalho, no acumulado de janeiro a julho de 2020, a projeção para o próximo ano é melhor ainda.

Mato Grosso do Sul deverá obter o melhor desempenho do país no pós-pandemia, em 2021. Levantamento da Tendências Consultoria Integrada, divulgado no último domingo (23), revela que o Estado pode fechar o próximo ano com crescimento no Produto Interno Bruto (PIB) de 2,7%, em relação a 2019. Com esse desempenho, Mato Grosso do Sul será um dos cinco - com Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Goiás - a ter melhora na economia em 2021.

Para o governador Reinaldo Azambuja, a conjuntura é resultado de investimentos e medidas responsáveis que, apesar de impopulares, prepararam Mato Grosso do Sul para o futuro. “Valeu a pena a gente ter feito o dever de casa. É aquilo que eu disse já a vocês: às vezes, a gente toma o remédio amargo, mas ele muitas vezes cura a doença. Esse remédio amargo que tomamos durante o mandato - tendo coragem de enfrentar uma reforma administrativa, teto de gastos e reforma previdenciária - consolidou Mato Grosso do Sul como um estado de viabilidade”, declarou.

Ele destacou ainda o papel do investimentos estruturantes na integração logística para a geração de empregos, atração de investimentos privados e fortalecimento da economia. Mato Grosso do Sul encabeça o projeto da Rota Bioceânica, uma ligação ao Oceano Pacífico que irá reduzir em 14 dias a distância e o custo do transportes dos produtos da América do Sul ao continente asiático - que é o maior consumidor do Estado.

E na última semana, os governadores Reinaldo Azambuja e Carlos Massa Ratinho Junior (Paraná) assinaram um acordo visando a construção de um corredor ferroviário de exportação com 1.370 quilômetros, ligando regiões produtoras de Mato Grosso do Sul ao porto de Paranaguá.


Voltar


Comente sobre essa publicação...