Semana On

Sábado 08.ago.2020

Ano IX - Nº 405

Poder

A luta anônima de três brasileiros contra sites de fake news

PF pode contribuir para tirar máscara da política

Postado em 17 de Julho de 2020 - Edison Veiga (DW), Josias de Souza (UOL) - Edição Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Principal plataforma de anúncios da internet, o Google Adsense é o que garante a saúde financeira de boa parte dos sites campeões de audiência mundo afora. E é justamente por meio desse sistema que ativistas do movimento Sleeping Giants Brasil pretendem sufocar propagadores de notícias falsas e fomentadores de discurso de ódio. 

Inspirados pelo Sleeping Giants original – criado por um publicitário americano e em operação desde 2016 –, três brasileiros decidiram criar uma versão tupiniquim do movimento em 18 de maio deste ano. Passaram, então, a mirar os esforços em conhecidos sites de fake news, expondo publicamente, via redes sociais, empresas que apareciam como anunciantes nessas páginas, via AdSense.

Pelo sistema do Google, as empresas podem criar uma lista com todos os sites nos quais não querem aparecer de forma alguma. Essa é a ideia do Sleeping Giants: pressionar os anunciantes para que incluam sites de notícias falsas em suas listas e, assim, estes sejam desmonetizados.

A ideia parece estar funcionando. De acordo com balanço fornecido por um dos criadores do movimento, no primeiro mês de atividade o Sleeping Giants Brasil conseguiu que páginas propagadoras de fake news deixassem de embolsar 448 mil reais. O grupo contava com 377,5 mil seguidores no Twitter na manhã desta sexta-feira (17) e, no Instagram, com 126 mil seguidores, além de estar presente no Facebook e no Linkedin.

Por temerem ameaças como as sofridas pelo criador da versão original e sua família nos Estados Unidos, os idealizadores do projeto brasileiro não dão nenhuma pista de suas identidades. À reportagem do site DW Brasil eles só toparam conversar via mensagens diretas no Twitter, não aceitando passar nenhuma outra forma de contato. 

Segundo eles, na maior parte das vezes, depois da exposição pública, as empresas respondem ao perfil e se comprometem a incluir os sites reconhecidos como propagadores de notícias falsas na lista de exclusão da plataforma AdSense.

"Recebemos mais de 400 respostas [de empresas anunciantes] em apenas um mês e meio de atuação”, afirmam. "Muitas empresas estão aderindo ao movimento, se conscientizando e passando a analisar melhor a forma como promovem sua publicidade e cedem espaços a perfis que promovem a desinformação e o ódio."

Em um conturbado cenário político como o brasileiro atual, marcado por uma acirrada polarização, o grupo tem sido criticado por apoiadores do governo do presidente Jair Bolsonaro. O deputado federal Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente, classificou o Sleeping Giants como "a nova forma de censurar a direita". 

"Somos contra todos os disseminadores de fake news e discursos odiosos, e sabemos que isso independe de espectro político”, defendem-se os idealizadores. "Mas no atual momento, a extrema direita concentra poder se utilizando de conteúdos falsos e odiosos. Além de que, em meio a uma pandemia, propagar desinformação é extremamente perigoso, visto que estamos falando de vidas sendo perdidas.”

Gigantes na mira

Os criadores do Sleeping Giants Brasil afirmam que os alvos são escolhidos com base na "proporção, relevância e alcance” de seus sites.

A partir de uma lista de empresas fornecida pelos criadores, a reportagem da DW Brasil buscou contato com Americanas, Nike, Spotify e MRV, as quatro mencionadas em primeiro lugar e que não responderam ao grupo, mesmo diante de constantes exposições públicas no Twitter. Nenhuma delas retornou o pedido de posicionamento da reportagem. 

A DW Brasil apurou, contudo, que algumas das empresas expostas estão bloqueando sites de fake news de sua lista do AdSense, ainda que prefiram não assumir isso publicamente. Mais que isso, há empresas que, cientes da atuação do Sleeping Giants Brasil, estão se antecipando a uma provável exposição pública e adicionando sites propagadores de fake news a sua lista de exclusão da plataforma do Google. 

"A liberdade de expressão é um direito de todos, não estamos aqui para contrariar isso", afirmam os ativistas. "O movimento busca alertar as empresas de que estão contribuindo com o discurso de ódio e a desinformação, mas cabe a elas a escolha de retirar ou não seu anúncio do site. Só queremos seu posicionamento."

Trabalho de formiguinha

E por que então não mirar os esforços diretamente na Google, em vez de fazer o trabalho de formiguinha? Segundo os idealizadores do Sleeping Giants, cobrar a responsabilidade da empresa de tecnologia não traria resultados.

"As grandes plataformas são, sim, responsáveis pelo espaço dado a disseminadores de conteúdos falsos e odiosos, mas é muito difícil ganharmos a atenção delas", argumentam. "Em quatro anos de existência do perfil americano, nenhuma das grandes plataformas tomou medidas ou contatou o Sleeping Giants. Mas esperamos que isso mude e que elas entendam a responsabilidade que têm quando não há um selecionamento criterioso do que admitem ou não no ambiente virtual."

O escritório da Google no Brasil se posicionou via assessoria de imprensa. "Temos políticas rígidas que limitam os tipos de conteúdo nos quais exibimos anúncios, como a que não permite que publishers busquem enganar o usuário sobre sua identidade ou produtos. Quando uma página ou site viola nossas políticas, tomamos medidas imediatas e removemos sua capacidade de gerar receita", disse a empresa, em nota.

"Entendemos que os anunciantes podem não desejar seus anúncios atrelados a determinados conteúdos, mesmo quando eles não violam nossas políticas, e nossas plataformas oferecem controles robustos que permitem o bloqueio de categorias de assuntos e sites específicos, além de gerarem relatórios em tempo real sobre onde os anúncios foram exibidos", acrescentou.

A Google afirmou que, apenas em 2019, encerrou mais de 1,2 milhão de contas e retirou anúncios de mais de 21 milhões de páginas "por violação de políticas". 

PF pode contribuir para tirar máscara da política

A entrada da Polícia Federal no caso do Facebook, já autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, tornou-se inevitável e necessária. Ao desativar as redes administradas anonimamente pelo bolsonarismo, o Facebook justificou-se dizendo que as páginas, as contas e os grupos exibiam um "comportamento inautêntico coordenado". Inautêntico é falso. Coordenado pressupõe a presença de coordenadores. É preciso esclarecer quais foram as falsidades difundidas nas redes sociais e quem comanda as mãos que operam os teclados.

De acordo com o Facebook, há entre os difusores de raiva e desinformação assessores do presidente da República e dos seus filhos. Olhando-se a lista de nomes, verifica-se que Jair Bolsonaro tem um espinho no pé. Chama-se Tércio Arnaud Thomaz. É assessor especial da Presidência, tem escrivaninha no terceiro andar do Planalto, a poucos passos da sala presidencial. Apontado como braço operacional do gabinete do ódio no Planalto, recebe R$ 13,6 mil por mês.

Se ficar demonstrado que Tércio é remunerado pelo contribuinte para desperdiçar seu expediente industrializando raiva e falsidade nas redes sociais, Bolsonaro pode ter problemas. A Constituição proíbe que um presidente seja processado por eventuais delitos cometidos antes da posse. Mas os indícios de que a rede clandestina operou nos anos de 2019 e 2020 empurram a encrenca para dentro do mandato de Bolsonaro.

Na única manifestação pública que fez sobre o caso, Bolsonaro jogou Tércio para baixo do tapete. Em vez de explicar o que faz o seu assessor, preferiu omitir o nome dele e desconversar. Desafiou a imprensa a mostrar manifestações de ódio nas suas redes sociais ou nas de seus filhos. Não é disso que a Polícia Federal vai tratar. As páginas oficiais de Bolsonaro e de sua prole continuam no ar. O que se investigará é a manipulação digital anônima contra instituições, adversários e a própria sociedade, que merece uma política feita sem máscaras.


Voltar


Comente sobre essa publicação...