Semana On

Quarta-Feira 05.ago.2020

Ano IX - Nº 404

Comportamento

A psicologia explica por que as pessoas acreditam em teorias conspiratórias sobre o coronavírus

Por que é tão fácil acreditar em mitos sobre a pandemia de Covid-19, e quem tem as maiores chances de se deixar enganar

Postado em 14 de Julho de 2020 - Julia Ries – Huffpost

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Bill Gates está arquitetando um plano para vacinar a população inteira. A pandemia de covid-19 foi provocada pelas torres de telefonia 5G. O coronavírus foi criado num laboratório chinês para ser usado como arma de guerra biológica.

Várias teorias conspiratórias como essas estão circulando no momento, propondo explicações criativas (e pouco plausíveis) sobre como e por que o coronavírus avançou de tal maneira em todo o planeta.

Um vídeo intitulado “Plandemic” circulou nas redes sociais propondo ideias falsas sobre a covid-19. Por exemplo, a teoria de que máscaras ativam o vírus e que o fato de termos sido vacinados no passado nos torna mais vulneráveis à doença.

Especialistas comportamentais não se surpreendem com o fato de esse tipo de dúvidas e rumores estarem ganhando força. Sempre houve teorias conspiratórias. Inúmeras dúvidas pairam no ar – sobre as origens do vírus, a economia global, nossos políticos, nossos empregos e o futuro ―, e a covid-19 é um alvo perfeito desses mitos.

“As pessoas se deixam seduzir por teorias conspiratórias em tempos de crise e incerteza, como nosso momento atual é, sem sombra de dúvida”, disse ao HuffPost a professora de psicologia Karen Douglas, da Universidade de Kent, no Reino Unido.

Leia abaixo como a psicologia explica o crescimento das teorias da conspiração e a razão de elas exercerem tanta atração sobre algumas pessoas.

Gostamos de ligar os pontinhos

Nosso cérebro tende naturalmente a tentar encontrar conexões entre o que acontece na nossa vida e no mundo. Gostamos de histórias e explicações, de coisas que fazem sentido. Mistérios não são bem aceitos pelas pessoas.

Joanne Miller, professora de ciência política e relações internacionais na Universidade de Delaware, disse que chamamos isso de “ligar os pontinhos”. Às vezes esses pontinhos deveriam ser ligados; outras vezes, não.

Quando ocorre algo negativo ou assustador, tentamos entender e explicar as razões que motivaram o fato.

Um bom exemplo dessa tendência, para ela, é o caso das torres de telefonia 5G. As torres começaram a aparecer em Wuhan, na China – o epicentro original da covid-19 – mais ou menos na mesma época em que o vírus surgiu. As pessoas enxergaram um vínculo entre os dois eventos, que na realidade não são ligados de nenhuma maneira, e assim nasceu a teoria conspiratória de que as torres de 5G propagam o vírus.

As pessoas não são fãs da incerteza

Como disse Karen Douglas, as pessoas se rendem a teorias conspiratórias em períodos de grande incerteza. Pelo fato de ligar os pontinhos, essas hipóteses tiram o elemento desconhecido da equação, dando às pessoas a sensação de controle. Mesmo que a ideia em que elas creem seja falsa, o fato de ter algum tipo de explicação do que está acontecendo pode ser altamente tranquilizador.

A realidade é que a covid-19 foi provocada por causas naturais e que ainda não sabemos como impedir o vírus de se alastrar. Isso é assustador. Se uma pessoa acredita que a covid-19 foi causada por torres de 5G, ela tem algo concreto a combater, em vez de sentir que está tateando no escuro.

“As pessoas estão procurando respostas que expliquem esta situação terrível. Estão preocupadas e incertas”, disse Douglas. “E estão confusas com as informações contraditórias que estão recebendo de diferentes fontes.”

Douglas, que já estudou a psicologia por trás das teorias conspiratórias, acrescentou que pessoas ansiosas ou que se sentem impossibilitadas de agir se voltam a essas teses para se sentirem mais seguras no mundo.

Miller, que está coletando dados sobre teorias conspiratórias sobre o coronavírus, constatou que pessoas que acreditam nelas tendem a acreditar em outras também. Tais teses acabam formando um sistema de crenças unidas pela incerteza. Essas pessoas tendem a ser menos resilientes.

Pesquisas anteriores mostram que as pessoas utilizam teorias conspiratórias para proteger sua ideologia e os grupos aos quais pertencem e com os quais se identificam.

Miller disse que sua pesquisa recente mostrou que nos EUA republicanos têm tendência maior a acreditar em teorias conspiratórias sobre a covid neste momento. Por exemplo, os esforços da administração Trump para vincular o coronavírus a um laboratório chinês alimentaram uma série de teorias sobre a origem do vírus.

Para ela, os republicanos não devem ter uma mentalidade mais conspiratória de modo geral, mas neste momento devem estar sentindo necessidade especial de proteger ou reforçar sua visão de mundo porque são seu partido e seu presidente eleito que estão promovendo a narrativa.

Ela destacou, também, que pessoas com posições partidárias fortes são mais suscetíveis a se deixar levar por teorias conspiratórias. Se uma teoria dessas reafirma o sistema de crenças de uma pessoa, aumenta a probabilidade de a pessoa dar crédito à teoria.

O distanciamento social pode estar alimentando o pensamento conspiratório

Outros especialistas comportamentais pensam que pessoas que estão isoladas devido à pandemia mostram tendência maior a acreditar em teorias da conspiração.

Um estudo da Universidade Princeton encontrou uma ligação entre exclusão social e pensamento sombrio, supersticioso. Segundo os pesquisadores, isso pode criar um ciclo altamente negativo em que pessoas socialmente isoladas desenvolvem teorias conspiratórias, depois compartilham essas ideias com amigos e familiares, que então as rejeitam por seu pensamento conspiratório. Segundo outro estudo publicado este ano, pessoas submetidas ao ostracismo têm tendência maior a defender teorias conspiratórias.

Soma-se a tudo isso o fato de que tantas áreas se encontram sob lockdown ou medidas compulsórias de distanciamento social. As pessoas estão se vendo menos, estão mais isoladas, mais ansiosas e com mais tempo para se render ao pensamento conspiratório.

Teorias conspiratórias podem ser perigosas e difíceis de combater

Quando deixadas sem controle, as teorias conspiratórias podem provocar destruição desnecessária.

“Teorias conspiratórias não são triviais”, disse Douglas. “Elas podem ter efeitos nocivos sobre facetas importantes da sociedade.”

Torres de telefonia 5G já foram depredadas no Reino Unido e Estados Unidos. Segundo Douglas, pesquisas anteriores revelam que pessoas que creem em teorias conspiratórias têm ligação maior com preconceito, violência e criminalidade em pequena escala.

Também tendem a ter comportamentos de mais risco em relação à própria saúde, frequentemente se recusando a praticar sexo seguro ou a vacinar seus filhos. Mais para frente, se e quando uma vacina contra o coronavírus for disponibilizada, os partidários de teorias conspiratórias poderão se recusar a ser testados ou vacinados.

Para Miller, não existe uma receita mágica para derrotá-las. Não é fácil convencer alguém de que suas crenças, que lhe dão um senso de paz e tranquilidade, são falsas.

Para ela, uma coisa que todos podemos fazer para prevenir a disseminação de teorias conspiratórias é procurar informações confiáveis, respaldadas por fatos e pela ciência. Há muita desinformação aí fora neste momento. Antes de passar adiante um link, pergunte-se: “Quais são as fontes desta informação? Será que devo acreditar nelas?”.

Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.


Voltar


Comente sobre essa publicação...