Semana On

Quinta-Feira 24.set.2020

Ano IX - Nº 411

Campo Grande

Campo Grande registrou 16,1 mil nascimentos em 2019

Média é de 44 bebês nascidos vivos por dia

Postado em 23 de Junho de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Dados do boletim informativo da Coordenadoria de Estatísticas Vitais (Cevital) da Secretaria Municipal de Sáude (SESAU) divulgado no último dia 22 revelam que em 2019 foram registrados 16.195 nascimentos, o que dá uma média de 44 nascidos vivos por dia em Campo Grande.

Conforme o boletim, 16.091 nascimentos ocorridos dentro de estabelecimentos de saúde. Desses, 14.040 foram de mães residentes em Campo Grande, ou seja, 2.051 eram gestantes de outros municípios.

Dos nascimentos ocorridos em unidades de saúde, mais da metade foram na Maternidade Cândido Mariano, com uma média mensal de 692 nascidos vivos em 2019, correspondendo a 51,6%. A Santa Casa ficou em 2º lugar com 18,9%, o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul com 12,6% e o Hospital Universitário com 12,1%.

Nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Centros Regionais de Saúde (CRSs) do município foram 41 partos realizados no ano passado.

Gravidez na adolescência vem reduzindo de forma gradativa.

Em 2019, apenas 12,6% dos nascidos vivos foram de mães com até 19 anos, 70,5% de mães com 20 a 34 e 16,8% de mães acima dos 35 anos. Em contrapartida, a proporção de mães desejando ter filhos acima dos 35 anos vem aumentando paulatinamente. Em 10 anos, houve aumento de 75% no número de nascidos vivos de mães acima de 35 anos na capital

De todos os nascidos vivos de mães residentes na capital em 2019, 40,9% foram de Parto Vaginal, enquanto as Cesarianas corresponderam a 59,1%. O baixo peso ao nascer e a prematuridade são importantes fatores de risco para a morbimortalidade infantil. A antecipação do parto ou o peso inadequado para a idade gestacional podem ser influenciados por afecções maternas como a hipertensão, infecções, diabetes e patologias da placenta, cordão ou membranas.

Os recém-nascidos de baixo peso e/ou prematuros demandam maiores cuidados não só dos profissionais e estabelecimentos de saúde, mas também dos seus familiares para o acompanhamento e manejo no crescimento e desenvolvimento infantil. Felizmente, apenas 8% dos nascidos vivos estavam abaixo de 2500 gramas no município.

O boletim traz ainda dados sobre o pré-natal, mortalidade materna e infantil durante o ano de 2019. Para fazer o download do documento na integra acesse o link: http://www.campogrande.ms.gov.br/cgnoticias/downloads/boletim-informativo-cevital-2020-como-nascem-os-campo-grandenses/


Voltar


Comente sobre essa publicação...