Semana On

Segunda-Feira 01.jun.2020

Ano VIII - Nº 395

Mato Grosso do Sul

Coronel Marcos Paulo assume comando da PM com a missão de especializar tropa no combate à criminalidade

Sejusp doa viaturas para conselhos comunitários indígenas para o combate à criminalidade nas aldeias

Postado em 20 de Maio de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O coronel Marcos Paulo Gimenez, de 46 anos, assume o Comando-Geral da Polícia Militar em Mato Grosso do Sul. Ele pretende especializar a tropa para ter excelência no combate à criminalidade no Estado. O atual comandante-geral, coronel Waldir Ribeiro Acosta, de 56 anos, deixa a função e segue para reserva devido ao tempo de serviço.

“São muitos desafios, mas o principal é buscar a especialização dos policiais para que possam fazer um trabalho de excelência e combater efetivamente à criminalidade. Quero trazer equidade à corporação, para que a tropa fique mais imbuída, coesa e humanitária”, pontua o coronel.

Atual diretor do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), o coronel Marcos Paulo afirma que sempre se preparou para este grande desafio. “Me especializei, me preparei e sempre tive isso no meu discurso. Se pegar a minha história, sempre trabalhei na ponta. E ao receber o convite, fiquei muito lisonjeado”.

Marcos Paulo fala com apreço do amigo, coronel Waldir Ribeiro Acosta. “Somos amigos desde a época em que cheguei da academia no ano de 1997. Agradeço tudo o que ele fez pela minha pessoa, me recepcionou quando cheguei a aspirante, aprendi a trabalhar com ele. Agradeço sempre pelo apoio e o parabenizo pelo excelente comando e empenho. Vou trabalhar ao máximo, para dar continuidade ao seu trabalho”.

De saída, rumo à aposentadoria, coronel Waldir manifesta apoio ao amigo. “Desejo muito sucesso ao Marcos Paulo. O que puder auxiliá-lo, estou aqui pronto para o que for possível. Desejo que ele possa crescer junto com a sua tropa”.

Legado

O comandante-geral destaca algumas ações que foram importantes nestes cinco anos à frente da Polícia Militar.  “Saio com o sentimento de dever cumprido. Criamos o primeiro Curso de Formação para oficiais formados em Direito, foram duas conquistas inéditas”.

E ainda lembra que deixa um legado. “Tem a construção dos novos quarteis de Jardim e Coxim, investimentos de R$ 14 milhões, que agora devem iniciar a execução. Tem o dinheiro, está tudo aprovado. Tivemos a redução criminal por dois anos e criamos o Grupamento Aéreo. Então, agradeço à Deus, a minha família e a corporação”.

A troca de comando acontece nesta sexta-feira (22.5), às 10 horas, na sede do Comando-Geral da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, em razão da pandemia do Covid-19, a cerimônia será fechada e transmitida via internet. 

Viaturas para conselhos comunitários indígenas

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), por meio da Polícia Militar, doou três veículos para os Conselhos Comunitários de Segurança (CCS) das aldeias douradenses Bororó e Jaguapiru e na aldeia Teykue, em Caarapó. Os veículos deverão auxiliar os conselheiros no desenvolvimento de ações de polícia comunitária no combate à criminalidade nas regiões.

Segundo o coordenador da Coordenadoria de Polícia Comunitária, coronel PMMS, Carlos de Santana Carneiro, a doação dos veículos vai permitir que os presidentes de cada conselho fiquem mais próximos de suas comunidades. “Vai permitir o apoio para que possam buscar ações para a redução e a prevenção da criminalidade, além de desenvolverem ações sociais nas comunidades indígenas”.

“Esse compromisso veio desde junho do ano passando, quando foram instituídos os Conselhos Comunitários de Segurança nas Aldeias Indígenas”, explica coronel Santana.

“Essas viaturas foram doadas para os primeiros conselhos que foram criados para atender essas comunidades indígenas. Os veículos foram reformados, restaurados e adesivados. Esses conselhos são formados por indígenas e nós respeitamos cada nação deles e todos foram capacitados”, explica o secretário de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira.

Os três veículos estão avaliados em R$ 160 mil reais. Em razão da pandemia do coronavírus, o evento vai ser fechado, contando com apenas com representes da Sejusp, MPF/MS e dos conselhos indígenas.  

Conselhos Comunitários de Segurança

Os Conselhos Comunitários de Segurança (CCS) são grupos de pessoas do mesmo bairro ou município que se reúnem para discutir, analisar, planejar e acompanhar a solução de seus problemas comunitários de segurança, desenvolver campanhas educativas e estreitar laços de entendimento e cooperação entre as várias lideranças locais.

A criação dos conselhos é uma das várias ações do Governo do Estado para atender os indígenas. Em 2015, ao assumir o cargo, o governador Reinaldo Azambuja criou a Subsecretaria Estadual de Políticas Públicas para População Indígena. Dentro da política de transversalidade entre as secretarias, praticamente todas têm ações específicas para as comunidades indígenas.

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, Mato Grosso do Sul possui uma das maiores populações indígenas do Brasil, com mais de 80.841 mil pessoas morando em 78 aldeias de oito etnias: Atikum, Guarani Kaiowá, Guarani Ñandeva, Guató, Kadiwéu, Kiniquinau, Ofaié e Terena.


Voltar


Comente sobre essa publicação...