Semana On

Segunda-Feira 01.jun.2020

Ano VIII - Nº 395

Auau Miau

Meu bicho de estimação pode transmitir o coronavírus?

De acordo com a OMS, não há nenhuma prova de que os animais de estimação possam transmitir o novo coronavírus

Postado em 19 de Maio de 2020 - Marina Prats – Huffpost

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O pânico do novo coronavírus se espalhou pelo mundo todo. A epidemia teve origem na cidade chinesa de Wuhan e agora se estende por todo o planeta, com mais de 3,4 milhões de casos da doença no mundo - mais de 90 mil deles no Brasil.

Algumas pessoas têm medo de que a doença também atinja seus animais – e que eles também possam ser transmissores do vírus para seres humanos.

Apesar disso, a OMS (Organização Mundial da Saúde) envia uma mensagem clara: “Não há provas de que estes animais possam transmitir a doença aos seres humanos e desempenhar um papel na propagação da covid-19. A covid-19 propaga-se principalmente através de gotículas produzidas por uma pessoa infectada quando esta tosse, espirra ou fala”.

Ainda segundo a OMS, vários cães e gatos (gatos domésticos e um tigre) em contato com seres humanos infectados apresentaram resultados positivos no teste de covid-19. Em condições experimentais, eles puderam transmitir a outros animais da mesma espécie, mas não há provas de que tenham contaminado espécies diferentes, como os humanos.

“Ainda assim, recomenda-se que as pessoas com covid-19 e as pessoas em risco limitem o contato com os seus animais de estimação e outros animais. Ao tocar nos animais e ao cuidar deles, devem ser sempre tomadas medidas básicas de higiene. Isto inclui lavar as mãos depois de tocar nos animais, nos seus alimentos ou objetos, e evitar beijar, lamber ou compartilhar os alimentos.”

Mesmo com a recomendação, especialistas afirmam que o contágio entre espécies é praticamente impossível no caso desse tipo de vírus. “É altamente improvável, embora não exista o zero na biologia. Há uma limitação chamada barreira de espécie. Ainda que possa haver o salto [entre duas espécies diferentes], não é nada fácil. A prova é que nós humanos sofremos de milhões de infecções por outros coronavírus (uma das causas do resfriado comum) e nunca houve casos comprovados de transmissão a cães ou gatos”, afirma ao HuffPost Esperanza Gómez-Lucía, professora de saúde animal e especialista em virologia da Universidade Complutense de Madri.

O coronavírus animal é totalmente diferente do de Wuhan

Ainda que o termo coronavírus seja o mesmo, é necessário esclarecer que ele se refere a uma família de vírus que tem sintomas distintos, “do resfriado comum à SARS”, afirma a OMS.

A família do coronavírus tem vários tipos de vírus animais que não têm nada a ver com o de Wuhan. Eles se transmitem somente dentro da mesma espécie e muito raramente passam de uma para outra. As cepas que se transmitem entre cães e gatos são específicas de cada animal, portanto não há risco de contágio cruzado ou dos animais para seres humanos.

“A família Coronaviridae é muito grande e inclui vírus que afetam diversas espécies. Não se pode falar de um único coronavírus animal. Nos bichos de estimação existe um que há muito tempo afeta os gatos e causa a peritonite infecciosa”, afirma Gómez-Lucía.

“O vírus foi muito estudado. Houve tentativas de desenvolver vacinas, sem muito êxito, e não há casos de transmissão para humanos”, diz a especialista. Ela também aponta que existe um coronavírus dos porcos, que tampouco pode ser transmitido para humanos. Ele é responsável pela gastroenterite porcina transmissível e mais recentemente pela diarreia porcina epidêmica.”

Este texto, originalmente publicado no HuffPost Espanha, foi traduzido do espanhol e atualizado pelo HuffPost Brasil.


Voltar


Comente sobre essa publicação...