Semana On

Segunda-Feira 23.nov.2020

Ano IX - Nº 420

Comportamento

Plataforma 'Inumeráveis' presta homenagem a pessoas que morreram com Covid-19

Projeto disponível na internet é um memorial sobre as muitas pessoas que morreram com o vírus

Postado em 19 de Maio de 2020 - Priscilla Aguiar e Mônica Silveira - TV Globo

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

"Não há quem goste de ser número. Gente merece existir em prosa". É assim que o artista Edson Pavoni apresenta a plataforma digital "Inumeráveis", um memorial para lembrar pessoas que morreram em todo o Brasil por conta da Covid-19.

Com escritos sobre memórias e características marcantes, o memorial surgiu no fim de abril. Neta de Maria da Glória, que morreu aos 94 anos no Recife, Bruna Lins contou que os números sempre incomodaram muito, mas que passaram a realmente machucar desde que a avó foi embora, no dia 15 de abril.

Ela soube do "Inumeráveis" por uma amiga e decidiu escrever sobre a avó, que deixou seis filhos e dezesseis netos, todos bem criados e formados.

"Esta era a riqueza de Maria. Uma vó que tem muitas histórias. Ela tinha muito orgulho da família que construiu. Ela também adorava dizer que se o galo cantasse e a alguém estivesse fazendo careta, iria ficar com a cara torta pra sempre", descreveu Bruna, na história revisada por Rayane Urani e publicada na plataforma.

As pessoas, além de ler, podem se conectar com os textos com um clique no símbolo do infinito. Um espaço que toca por mostrar a essência de pessoas como o recifense Admário Lucena da Silva, que morreu aos 69 anos.

"Tricolor, emotivo, folião arretado, futuro vovô do Vicente e, como ele mesmo costumava dizer, 'uma pessoa de alma jovem'", descreveu a filha dele, Rebeca de Menezes Lucena, que está grávida de cinco meses (21 semanas).

Ana, Barbara e Raquel perderam a mãe, Regina Maria Menezes Leite, que tinha 57 anos e uma neta, Lorena, de 2 anos. A servidora pública aposentada "dona de um sorriso marcante e que vivia a vida intensamente" morreu no dia 4 de maio.

"É preciso amor para poder pulsar, era o bordão de Regina Maria. Apaixonada por viagens, praia e cerveja, se puder unir os três, é paraíso. Foi uma excelente mãe, avó, profissional e amiga. Guerreira e rainha", descreveu a filha Barbara Leite Stival no testemunho revisado por Ticiana Werneck.

Segundo Edson, que é idealizador do projeto, a intenção foi de trazer mais sensibilidade aos números diariamente divulgados sobre a pandemia.

"A gente está vivendo um momento muito sensível, onde todos os dias acordamos com um número novo. Cento e tantas mortes, 200, 300, 400. E, depois de um tempo, a gente vai ficando insensível a esse número. E era para contar as histórias por trás de cada um dos números dessa pandemia que o 'Inumeráveis' foi criado", afirmou.

As histórias surgem a partir da busca da equipe de voluntários do inumeráveis e também do desejo de parentes e amigos de pessoas que morreram. A plataforma é um espaço aberto a qualquer parente ou amigo que queira deixar uma expressão de amor e saudade.

"Eu tenho ficado amiga das famílias, amiga dos amigos. Eu sorrio e eu choro junto, e eu quero cada vez mais contribuir para que essas pessoas sintam que elas não estão sozinhas. A gente compartilha com elas", disse a publicitária Rayane Urani, uma das voluntárias do projeto.


Voltar


Comente sobre essa publicação...