Semana On

Sábado 15.ago.2020

Ano IX - Nº 406

Coluna

Secretário de Saúde de MS pede: mostre seu amor ficando em casa no Dia das Mães

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 07 de Maio de 2020 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

"Nós somos doze irmãos. Nesse dia [Dia das Mães], há mais de 30 anos, nós nos reunimos. E este ano, seguramente, será o primeiro ano, nesses últimos 30, que a gente não vai passar junto. É um ato de amor. É um ato que a gente mostra o amor à nossa mãe. Eu gostaria de pedir a cada um de vocês que este final de semana a gente fique em isolamento, pelo crescimento que a doença está tendo aqui em Mato Grosso do Sul", disse em um apelo emocionado durante a live da Covid-19 hoje o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende. Médico, ele sugeriu à população que procure "formas criativas de manifestar esse amor". "Nossas mães quer a cada um de nós vivos, e nós queremos que elas vivam muitos e muitos anos. Minha mãe tem 93 anos, doze filhos, muitos netos, bisnetos, e certamente ela vai estranhar a ausência nossa. Então mostre seu amor para sua mãe. Daqui algum tempo nós vamos ter a possibilidade de pode abraçar, beijar, acariciar e mostrar-mos esse amor. Então, domingo, mantenhamos o isolamento social".

Fernandes quer vice tucano para reeditar chapa MDB - PSDB em Campo Grande

Pré-candidato do MDB à Prefeitura de Campo Grande, o deputado estadual Márcio Fernandes foi autorizado em reunião do partido a oferecer a vaga de vice em sua chapa ao PSDB. "Vou procurar o governador Reinaldo Azambuja e o presidente regional do PSDB, Sérgio de Paula, que são meus amigos pessoais, para convidar o partido a compor minha chapa, indicando o nome para vice e construir novamente essa parceria que já deu muito certo para Campo Grande e para Mato Grosso do Sul anos atrás", disse Fernandes ao Blog. "Nós seríamos muito soberbos e orgulhosos de menosprezar, numa eleição municipal, o apoio e a parceria com o partido que tem a maior representação na Câmara, com oito vereadores, inclusive tendo no comando do Legislativo o experiente e respeitado vereador João Rocha", acrescentou o pré-candidato emedebista, lembrando que já foi filiado ao PSDB e frisando ter "grandes amigos" no ninho tucano, como os deputados "Rinaldo, Orro, Onevan, o nosso presidente Paulo Corrêa com quem tenho uma longa amizade, e o deputado federal Marçal Filho".

Deputados pedem ao governo mais um ano de abono salarial para servidores de MS

Os 24 deputados estaduais de Mato Grosso do Sul assinaram um pedido para o Governo do Estado para que seja prorrogado por mais um ano o abono salarial dos servidores estaduais cujo prazo vence no fim deste mês. Os deputados Barbosinha (DEM) e Lidio Lopes (Patri) apresentaram indicações encampadas pelos demais parlamentares. O presidente da Assembleia, Paulo Corrêa (PSDB), lembrou que só um projeto do Executivo pode criar despesa, por isso os parlamentares estão pedindo ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) que tome a iniciativa, que atende pedidos de sindicatos das diversas categorias. "Só aqui no estado a pandemia do coronavírus impactou em uma queda de arrecadação de R$ 250 milhões. Mesmo assim o governador pagou em dia e eu o elogiei pela gestão. Os poderes terão dificuldades de pagamento, sabemos que essa nossa reivindicação impacta, mas resguarda o servidor, pois fará falta", acrescentou o tucano.

Mudanças sobre congelamento de salários criarão 'Frankenstein jurídico', diz Simone

O socorro aos estados e municípios aprovado pelo Senado poderá criar um "Frankestein jurídico" ao autorizar reajuste de salários só para servidores com atuação direta ao combate do novo coroanavírus e congelar os salários dos demais até dezembro de 2021, disse na sessão virtual a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS). Esses critérios, afirmou, podem provocar uma judicialização por ferir princípios da Constituição como o da revisão geral anual (direito à reposição da inflação), o da autonomia dos entes federados e o da isonomia. "As categorias na linha de frente no combate à Covid-19 podem ter algum reajuste, mas colegas da mesma categoria (saúde, segurança pública, professores) que não atuarem diretamente contra a pandemia, não teriam esse direito, o que interfere na isonomia. Teremos uma judicialização desnecessária", avaliou Simone, lamentando que não houve tempo para aprimorar o texto nesse item específico. Do montante, o Governo de Mato Grosso do Sul terá direito a R$ 622 milhões, e outros R$ 421 milhões vão para as prefeituras. O Estado receberá mais R$ 80 milhões para uso exclusivo no combate à pandemia e os municípios R$ 40 milhões. A suspensão das dívidas do governo estadual e prefeituras com a União, bancos oficiais e organismos internacionais, somará mais R$ 493 milhões, fazendo o total chegar a R$ 1,655 bilhões.


Voltar


Comente sobre essa publicação...