Semana On

Quarta-Feira 23.set.2020

Ano IX - Nº 411

Campo Grande

Campo Grande amplia em quase 100% a quantidade de leitos de UTI para atender casos graves de Covid-19

Ao todo, 453 leitos, sendo 341 clínicos e 112 de UTI, foram contratualizados pela Prefeitura de Campo Grande, em parceria com o Governo do Estado

Postado em 30 de Abril de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O município de Campo Grande ampliou em quase 100% a quantidade de leitos de terapia intensiva (UTI) para atender pacientes com coronavírus (Covid-19). O número de leitos clínicos de retaguarda também foi ampliado de forma significativa para reforçar a estrutura de assistência hospitalar e garantir atendimento adequado à população.

Ao todo, 453 leitos, sendo 341 clínicos e 112 de UTI, foram contratualizados pela Prefeitura de Campo Grande, em parceria com o Governo do Estado, em hospitais públicos, filantrópicos e particulares do município, para atender exclusivamente casos de Covid-19 e outras síndromes respiratórias. O município contava com 1001 leitos clínicos e 139 de UTI.

Leitos contratualizados exclusivos Covid-19 e outras SRAGs

Hospital

Leitos clínicos

Leitos de UTI

Santa Casa

100

28

Hospital de Câncer

20

Hospital Regional

142

47

Proncor

26

20

Clínica Campo Grande

20

10

El Kadri

33

07

Total:

341

112

Total geral: 453 - Inserção de leitos atualizada, às 15h, do dia 29 de abril de 2020

Conforme o secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, o município está se estruturando para lidar com um eventual aumento no número de casos no futuro.

“Não podemos pensar que estamos em uma situação confortável porque estamos ampliando a nossa estrutura hospitalar e temos leitos disponíveis, pelo contrário, temos que continuar atuando de maneira preventiva para evitar que o sistema seja sobrecarregado”, ponderou.

Menor risco de colapso

Segundo levantamento feito pelo prof. Diogo Ferraz, do Blog Valor Adicionado, com base nas informações do Datasus e do Brasil.io, a capital de Mato Grosso do Sul está com o índice-Covid em 0,01. Enquanto que as capitais que estão em situação de urgência estão com 1.

Campo Grande é a segunda capital, dentre todas do país, com mais leitos disponíveis para internação. Cinco capitais já estão à beira do calapso: Manaus, Macapá, São Paulo, Fortaleza e Palmas.

A situação mais confortável da capital, se deve às medidas urgentes tomadas no início da crise, e por isso é tão importante que as pessoas continuem em casa.

Metodologia

O COVID-Index mensura a utilização da estrutura hospitalar das regiões brasileiras – capitais, estados e microrregiões. Quanto mais perto de 1, ele mostra que a estrutura hospitalar de uma região está próxima do seu limite ou do colapso.

O índice leva em conta um modelo matemático não-paramétrico alimentado por vários indicadores, como:

- Quantidade de leitos clínicos
- Quantidade de respiradores
- Quantidade de médicos (clínicos, infectologistas e pneumologistas)
- Número de casos confirmados de coronavirus
- Número de óbitos por coronavírus

Dados epidemiológicos Covid-19

Campo Grande foi uma das primeiras cidades do país a estabelecer medidas a fim de reduzir a disseminação do Covid-19, como das aulas na rede pública, seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Tais medidas forma importantes para retardar o avanço da doença.

Até o dia 29 o município contabilizou 1.660 casos notificados da doença, sendo 1.471 descartados, 40 suspeitos, 128 confirmados e dois óbitos.

Dos 128 pacientes confirmados, oito estão internados, 24 em isolamento domiciliar e 96 curados.

Entre os sintomas mais comuns diagnosticados nos casos positos para Covid-19 estão: febre (20%), tosse (19%), dor de garganta (11%), entre outros.


Voltar


Comente sobre essa publicação...