Semana On

Quarta-Feira 23.set.2020

Ano IX - Nº 411

Coluna

Ei, você não vai se pronunciar sobre isso?

Idelber Avelar fala de patrulhas desnecessárias e necessárias e otras cositas más

Postado em 29 de Abril de 2020 - Idelber Avelar

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Cobranças do tipo "ei, você não vai se pronunciar sobre isso?" ou "por que você até agora não disse nada sobre tal tema ou tal fulano?" tendem a ser injustas e chatas. Meio policialescas, inclusive. Não as faço, em geral, e não gosto que façam comigo.

Mas isso não quer dizer que essas cobranças me pareçam sempre injustas ou desnecessárias. Algumas vezes elas procedem. Por exemplo: se você passou um ano dizendo que o governo Bolsonaro não seria corrupto como os outros, e vão se empilhando os casos de corrupção e você não diz nada, bem, fica meio feio, né?

Nós sabemos qual é regra desse "ficar feio". Essa feiúra é proporcional ao teu peso, à tua autoridade, à tua credibilidade etc. Se eu bater bumbo por um candidato aqui durante o ano, esse candidato ganhar, e revelar-se um autoritário corrupto, eu vou encarar uma cobrança não só maior, como mais rigorosa, do que será o caso contigo, se tu escreves para 30 ou 50 parentes no Facebook.

É a regra do jogo, não importa se ela é justa ou não, é o jogo jogado.

******

Minha pergunta é simples: os 357 professores universitários que conheço e que passaram a última ou as duas últimas décadas enfiando Giorgio Agamben no rabo de absolutamente tudo o que escreveram não vão mesmo se pronunciar sobre o fato de que Agamben deve ser hoje o único cidadão europeu relevante que está escrevendo textos que poderiam ser assinados por Jair, o Minúsculo?

Nada, nem uma palavrinha? Vão fazer cara de paisagem mesmo? A covardia é tanta assim?

Vejam bem, não cobro que ninguém deixe de citar ou queime livros de ninguém. Mas, poxa, se você passou 5, 10, 15, 20 anos incensando um sujeito e ele hoje está, em um sentido bastante literal, matando gente com textos na Itália, seria de bom tom uma palavrinha, né? Não vi nada até agora.

É impressionante a covardia da classe, a sua incapacidade de se responsabilizar por declarações públicas, por escritos, por consequências de escritos.

INCAPAZES

Cabanada, Canudos, ditadura militar, pandemia do coronavírus: Brasil, sempre fiel à tradição de ser incapaz de contar bem os seus mortos.

ESCRITOS

Aí vão, reunidos e recauchutados, uma parte dos meus escritos não acadêmicos, breves, sobre o bolsonarismo, agora em plataforma aberta. São coisas que estavam no Facebook e nas quais acho que dei uma melhorada.

"Como o bolsonarismo expressa o colapso do sistema partidário brasileiro, é útil observar o funcionamento dos blocos parlamentares e a configuração de sua base de apoio para localizar a forma do mosaico, que pode ser resumido, creio eu, em cinco ou seis componentes principais. O bolsonarismo é um mosaico composto de cinco partes — ou seis, dependendo de como você entenda o componente policial-judicial da coalizão."

MAIS ESCRITOS

Meus escritos breves, não acadêmicos, sobre os dois mestres indígenas Davi Kopenawa e Ailton Krenak já estão em plataforma aberta, aumentados e agora com imagens, link etc.

"A queda do céu é um livro 'feito no Brasil', mas não dá para dizer que seja um 'livro brasileiro', já que se escreve a partir de algo bem maior que o Brasil, que é anterior a ele, o transcende e o torna possível: a Amazônia. A queda do céu é uma autobiografia do Xamã Kopenawa, um relato da cosmogonia yanomami, uma auto-etnografia do povo yanomami, mas é também uma ferina e mordaz contra-antropologia do povo branco, o povo da mercadoria. O livro relata as incursões, invasões e agressões do povo da mercadoria aos ameríndios e à terra na qual e com a qual eles vivem e é um dos mais ricos testemunhos já escritos das políticas dos governos brasileiros do século XX para a Amazônia."

TRÊS INACREDITÁVEIS NOTÍCIAS NOS EUA

1. O número oficial de casos chegou aos sete dígitos. Passamos do milhão de casos.

2. Em uma visita com assessores a um hospital, o Vice-Presidente Mike Pence, que é o chefe da força-tarefa do coronavírus, era o único a não usar máscara. Passeando por um hospital, sem máscara, tagarelando, enquanto assessores, enfermeiros, médicas, jornalistas etc. usavam máscara. Sim, ele foi testado e deu negativo, mas lembremos que o falso negativo, em testes de coronavírus, anda por volta de 15%, o que não é nada desprezível.

3. Donald Trump assinou ordem executiva declarando frigoríficos "infra-estrutura crítica" e ordenando que eles permaneçam abertos ou voltem a abrir. Não é uma autorização, é uma ordem executiva para se que abram os frigoríficos no país todo, mesmo em estados que estão em quarentena total. Trump usou, para essa ordem executiva, o Defense Production Act, lei da época da Guerra da Coreia, anos 1950.

As coisas estão piores no Brasil, mas elas também estão muito, muito ruins nos EUA. Isso é péssimo, porque ajuda a piorar o que já está horrível no Brasil.

PREVISÕES

Via André Vallias, aqui vai a previsão do Marcos Nobre, para vocês discutirem.

"A chance de sobreviver é muito baixa. Se Bolsonaro ficar reduzido ao centrão especializado em carniça, ele está morto. Para se estender no poder, precisa negociar. Mas ninguém confia nele. Quando o general Santos Cruz fez um acordo com o centrão, o que Bolsonaro fez? Demitiu Santos Cruz. Neste ano, quando fez acordo sobre orçamento, o que fez? Desfez o acordo. Ele segue a lógica de permitir que o acordo seja feito, de dar corda e depois puxar a corda no pescoço de quem está negociando para enforcar o pescoço. Mas agora ele não tem capacidade de puxar corda nenhuma. Mas, ao mesmo tempo, ele não tem muita saída a não ser radicalizar. Estamos só no começo da desgraça sanitária e econômica. O que vai vir é muito pior, por uma razão simples: fizemos tudo meia boca. O governo não tomou as medidas de isolamento que deveria tomar, nem as medidas econômicas necessárias para o isolamento. Esse tipo de combinação significa o prolongamento de nossa desgraça. Bolsonaro vai para a lona e sabe disso."

Marcos Nobre

E ai? O que acham?


Voltar


Comente sobre essa publicação...