Semana On

Quarta-Feira 12.ago.2020

Ano IX - Nº 405

Coluna

Odilon de olho em 2022

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 15 de Abril de 2020 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Sem partido depois de disputar o Governo de MS em 2018 pelo PDT, Odilon de Oliveira diz que não será candidato nas eleições deste ano, mas pretende voltar a disputar as eleições estaduais em 2022. O juiz federal aposentado divulgou por meio da assessoria que vai focar, por enquanto, na reeleição do filho vereador Odilon Júnior na Capital, além de apoiar candidatos em várias cidades.

Nova presidente do PSOL defende 'frente de esquerda' em Campo Grande

A nova presidente da executiva municipal do PSOL em Campo Grande, Cris Duarte, defende "uma frente ampla de esquerda" com outros partidos na disputa pela Prefeitura da Capital neste ano, mas diz que caso não seja possível sua sigla tem "projeto de candidatura própria para apresentar" à cidade. Formada em Psicologia e pós graduada em Saúde Pública, ela tomou posse com os secretários Lucien Rezende (Finanças), Paulo Edir Bueno Camargo (Secretaria Geral e Organização Política), Nizael Flores de Almeida (Comunicação) e Rosana Santos de Oliveira (Movimentos Sociais). A sede do partido fica ao nº 610 da Rua Gonçalves Dias, no Monte Líbano.

Dagoberto sobre troca na Saúde: 'novela mexicana teve pior desfecho possível'

Integrante da oposição ao governo Jair Bolsonaro no Câmara, o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT-MS) criticou o presidente pela demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde, e afirmou em nota à imprensa que "a novela mexicana teve fim com o pior desfecho possível para o povo brasileiro".

Leia a íntegra:

"E a novela mexicana teve fim com o pior desfecho possível para o povo brasileiro. Em meio a uma pandemia, uma crise econômica, o presidente Bolsonaro não deu conta de seu egocentrismo e demitiu o ministro da saúde, Henrique Mandetta, a questão aqui não é morrer de amores pelo ministro, porém enquanto o mundo une seus poderes para combater a Covid-19, o presidente divide seu governo, causa um caos por dia e sua maior preocupação é "quem tem a caneta". A postura do Ministério da Saúde vinha sendo técnica, que é o que todos precisávamos neste momento. Isso só mostra a insanidade e irracionalidade de Bolsonaro! Agora ficamos na torcida para que o próximo ministro, que vai ter que assumir uma responsabilidade deste tamanho, em meio ao caos, consiga não deixar as coisas piores do que estão. Lamentável!

Deputado Dagoberto Nogueira - PDT-MS"

Simone diz que Mandetta 'sai do ministério com credibilidade fortalecida pela ciência'

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) escreveu no Twitter que Luiz Henrique Mandetta "encarou de frente, com coragem e correição" o "enorme desafio" que é a pasta de Saúde. "Sai do ministério com credibilidade fortalecida pela ciência. Agora, nos resta desejar que o novo ministro encontre a solução necessária para q possamos superar esta difícil travessia", acrescentou.

Paulo Corrêa diz que Mandetta foi 'um divisor de águas' no Ministério da Saúde

O presidente da Assembleia Legislativa de MS, Paulo Corrêa, homenageou o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta em postagem no Instagram: "Temos convicção de que seu trabalho à frente do Ministério da Saúde foi um divisor de águas em nossa história, e, certamente, contribuiu deveras para que essa pandemia não fizesse o estrago no país como infelizmente fez em países como Itália, Espanha e Estados Unidos", escreveu o deputado. Leia a íntegra no link abaixo.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Um verdadeiro defensor da vida, da ciência, da ética e desse único e mundialmente reconhecido Sistema Único de Saúde do Brasil. Luiz Henrique Mandetta, além de sua brilhante carreira política, e de sua preciosa amizade, aprendi a respeitá-lo como um médico que nunca abandona o paciente, um cidadão preocupado com seu povo, um gestor que se entrega por sua nação. Temos convicção de que seu trabalho à frente do Ministério da Saúde foi um divisor de águas em nossa história, e, certamente, contribuiu deveras para que essa pandemia não fizesse o estrago no país como infelizmente fez em países como Itália, Espanha e Estados Unidos. Gratidão, Mandetta, por seu trabalho, esforço e compromisso com a saúde de todo brasileiro, com a minha vida e dos meus conterrâneos brasileiros e sul-mato-grossenses. Sucesso em sua jornada, sei de seu valor como ser humano e de sua extrema competência profissional, e não tenho dúvidas que o futuro lhe reserva, além de agradáveis surpresas, muito trabalho pela nação e pela ciência. Conte sempre com nossa amizade e admiração. Sucesso, amigo! #deputadoPauloCorrêa #AssembleiaMS #trabalhoporMS #ministroMandetta #LuizHenriqueMandetta #todoscontraoCoronavírus

Uma publicação compartilhada por Paulo Corrêa (@deputadopaulocorrea) em

'Tristeza!' diz secretário de Saúde de MS sobre demissão de Mandetta

"Tristeza! Minha solidariedade ao ministro Mandetta e a toda sua equipe! Prestigiou muito a secretaria de estado de saúde e foi um parceiro sem igual! Certamente continuará a prestar contribuições importantes ao SUS como fez enquanto gestor municipal, parlamentar e ministro!", disse o secretário de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, em mensagem via WhatsApp, ao comentar a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde hoje pelo presidente Jair Bolsonaro.

'Lamentável a demissão do ministro Mandetta', diz Nelsinho no Twitter

"Lamentável a demissão do ministro Mandetta. Mas torço para que quem entre dê certo para o bem do Brasil" escreveu no Twitter o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), um dia depois de ter divulgado um vídeo em que pedia a Jair Bolsonaro para não demitir Mandetta, que é seu primo, do cargo de ministro da Saúde, e se unisse a ele no combate à pandemia da Covid-19.

 

 

 


Voltar


Comente sobre essa publicação...