Semana On

Quarta-Feira 23.set.2020

Ano IX - Nº 411

Veí­culos

GM anuncia redução salarial e suspensão de contratos no Brasil

Toyota adia retomada de produção no Brasil para fim de junho

Postado em 14 de Abril de 2020 - G1

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A General Motors anunciou medidas para minimizar os impactos causados pelo novo coronavírus em suas operações no Brasil. Entre elas, a empresa adiará investimentos, reduzirá cargas horárias e salários, e suspenderá contratos de trabalho em regime de layoff.

O pacote foi aprovado em uma assembleia digital promovida pelos sindicatos dos metalúrgicos locais e tem duração inicial de dois meses, com possibilidade de ser prorrogado ou cancelado, dependendo da situação da pandemia no país.

As medidas afetam as operações nas fábricas de São Caetano do Sul, São José dos Campos, Mogi das Cruzes (SP), Gravataí (RS) e Joinville (SC), além do centro de distribuição de peças de Sorocaba (SP) e do campo de provas de Indaiatuba (SP).

De acordo com a montadora, os empregados que seguem trabalhando em home office terão redução de jornada e de salários. Neste caso, há diferenças:

- Trabalhadores até nível de gerência terão redução de 1 hora na jornada diária e de 12,5% do salário;

- Executivos de nível de diretoria e acima terão 25% de redução no salário.

Para a maior parte dos colaboradores, como é o caso dos operários, será instaurado um programa de layoff (suspensão temporária do contrato de trabalho que mantém o vínculo empregatício). Para estes, a redução nos salários será entre 5 e 25%, variando de acordo com a faixa salarial de cada um.

A GM não informa o número de funcionários afetados. A empresa disse apenas que, na América do Sul, emprega 19 mil pessoas. A operação brasileira é a maior, e, por isso, tem a maior parte desses trabalhadores.

A empresa não deu detalhes sobre os investimentos adiados.

Toyota adia retomada de produção no Brasil

A Toyota do Brasil anunciou que adiou para o final de junho a retomada de suas quatro fábricas paradas no país. A medida foi acordada com sindicatos para suspender temporariamente contratos de trabalho de funcionários da produção.

O retorno das atividades está previsto para 22 de junho em três das fábricas: São Bernardo do Campo, que produz peças de reposição e motores, Indaiatuba, que fabrica o Corolla, e Porto Feliz, que produz motores. A unidade de Sorocaba, que produz Etios e Yaris, tem previsão de reinício em 24 de junho.

"A Toyota continuará avaliando a situação momento a momento, e caso entenda ser possível retomar as atividades antes do previsto, reverá esse cronograma, sempre seguindo as orientações das autoridades locais e, principalmente, colocando a saúde e o bem-estar de seus colaboradores e de seus familiares em primeiro lugar", afirmou a montadora japonesa em comunicado à imprensa.

De acordo com a fabricante, colaboradores horistas e administrativos de todas as áreas e níveis terão seus salários líquidos preservados entre 75 e 100%, de acordo com a faixa de remuneração.

Os empregados que não tiverem seus contratos suspensos continuarão em regime regular ou de home office. A companhia emprega 6 mil funcionários no país.


Voltar


Comente sobre essa publicação...