Semana On

Quarta-Feira 05.ago.2020

Ano IX - Nº 404

Comportamento

Por que pessoas inteligentes caem em mentiras e notícias falsas sobre o coronavírus?

Psicólogos indicam novas maneiras de nos protegermos das mentiras e ajudarmos a conter a disseminação de notícias falsas e comportamentos nocivos

Postado em 14 de Abril de 2020 - David Robinson - BBC Future

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A imprensa já desmentiu várias informações falsas que estavam sendo espalhadas sobre o coronavírus, incluindo mentiras sobre curas inexistentes. Autoridades como a Organização Mundial de Saúde e organizações médicas e científicas também estão a todo tempo divulgando informações corretas e confiáveis sobre a pandemia.

E muitas vezes, as informações falsas são tão perigosas quanto a doença. Um documento recente de uma província do Irã descobriu que mais pessoas morreram por consumir álcool industrial, com base em uma falsa alegação de que poderia protegê-las do Covid-19, do que do próprio vírus. Nos Estados Unidos, um homem morreu após se automedicar com cloroquina em seu formato usado para fazer limpeza de aquário.

Mas mesmo ideias aparentemente inócuas podem levar você e outras pessoas a ter uma falsa sensação de segurança, desencorajando-os a aderir às diretrizes de médicos e organizações de saúde.

Há evidências de que as pessoas estão acreditando nessas ideias erradas.

Uma pesquisa do instituto YouGov e da revista The Economist de março de 2020 descobriu que 13% dos americanos acreditavam que a crise da covid-19 era uma farsa. Outros 49% acreditavam que a pandemia poderia ter sido provocada pelo homem. E, embora se espere que maior capacidade intelectual ou educação nos ajudem a diferenciar fatos da ficção, é fácil encontrar exemplos de muitas pessoas instruídas que caem nesse tipo de mentira.

Leve em consideração a escritora Kelly Brogan, uma importante teórica da conspiração da covid-19: ela é formada pelo MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) e estudou psiquiatria na Universidade de Cornell, ambos nos EUA.

No entanto, ela desconsiderou evidências claras do perigo do vírus em países como China e Itália e chegou ao ponto de questionar os princípios básicos do conhecimento que se tem sobre os germes, ao mesmo tempo em que endossava ideias pseudocientíficas.

Mesmo alguns líderes mundiais — de quem você esperaria ter maior discernimento quando se trata de rumores infundados — estão espalhando informações imprecisas sobre o risco do surto e promovem remédios não comprovados que podem causar mais mal do que bem.

Isso levou o Twitter e o Facebook a fazerem algo inédito: removerem postagens de líderes mundiais por espalharem desinformação.

Os psicólogos já estudam esse fenômeno há alguns anos. E as respostas que eles encontraram podem indicar novas maneiras de nos protegermos das mentiras e ajudarmos a conter a disseminação de notícias falsas e comportamentos nocivos.

Sobrecarga de informação

Parte do problema surge do excesso de mensagens. Somos bombardeados com informações o dia todo, todos os dias e, portanto, frequentemente confiamos em nossa intuição para decidir se algo é verdade.

Os fornecedores de notícias falsas podem fazer com que suas mensagens pareçam "verdadeiras" através de alguns truques simples, que nos desencorajam nosso pensamento crítico — com práticas como verificar a credibilidade da fonte. Quando os pensamentos fluem sem problemas, as pessoas concordam.

Eryn Newman, da Universidade Nacional Australiana, por exemplo, mostrou que a simples presença de uma imagem ao lado de uma declaração aumenta nossa confiança em sua veracidade — mesmo que a imagem esteja relacionada apenas tangencialmente à reivindicação. Uma imagem genérica de um vírus que acompanha alguma alegação sobre um novo tratamento, por exemplo, pode não oferecer provas da afirmação, mas nos ajuda a visualizar o cenário geral. Aceitamos essa "facilidade de processamento" como um sinal de que a reivindicação é verdadeira.

Por razões semelhantes, a desinformação incluirá linguagem descritiva ou histórias pessoais que parecem realistas. Também apresentará apenas fatos ou números familiares o suficiente — como mencionar o nome de um corpo médico reconhecido — para fazer a mentira parecer convincente, permitindo que ela se amarre ao nosso conhecimento anterior.

Até a simples repetição de uma afirmação — seja o mesmo texto ou várias mensagens — pode aumentar a aparência de "veracidade", estimulando os sentimentos de familiaridade, que confundimos com precisão factual. Portanto, quanto mais vezes vemos algo em nossas redes sociais, maior a probabilidade de pensarmos que aquilo é verdade — mesmo se fôssemos originalmente céticos.

Compartilhar antes de pensar

Esses truques são conhecidos há muito tempo pelos publicitários e marqueteiros, mas as mídias sociais de hoje podem aumentar nossa tendência à ingenuidade.

Evidências recentes mostram que muitas pessoas compartilham conteúdo de forma automática, sem sequer refletir a respeito.

Gordon Pennycook, pesquisador em psicologia da desinformação da Universidade de Regina, Canadá, pediu aos participantes de um estudo que analisassem uma mistura de manchetes verdadeiras e falsas sobre o surto de coronavírus.

Quando foram especificamente solicitados a julgar a precisão das declarações, os participantes disseram que as notícias falsas eram verdadeiras em cerca de 25% das vezes.

Quando foram simplesmente questionados se compartilhariam a manchete, no entanto, cerca de 35% disseram que repassariam as notícias falsas — 10% a mais.

"Isso sugere que as pessoas estavam compartilhando material que eles poderiam saber que era falso, se tivessem pensado mais diretamente", diz Pennycook. (Como grande parte da pesquisa de ponta sobre a covid-19, essa pesquisa ainda não passou por peer review, ou seja, não foi revisada por outros cientistas, mas um resultado parcial já foi divulgado.)

Talvez os cérebros dos participantes estivessem se perguntando se uma declaração receberia curtidas e compartilhamentos em vez de considerar sua veracidade.

"As mídias sociais não incentivam a verdade", diz Pennycook. "O que elas incentivam é o engajamento."

Ou talvez as pessoas achassem que poderiam repassar a responsabilidade de julgar a veracidade para os outros: muitas pessoas têm compartilhado informações falsas com uma espécie de aviso, dizendo algo como "não sei se isso é verdade, mas...".

As pessoas podem pensar que, se houver alguma verdade nas informações, isso pode ser útil para amigos e seguidores e, se não for verdade, é algo inofensivo — portanto, o ímpeto é compartilhá-las, sem perceber que o compartilhamento também causa danos.

Sejam promessas de remédios caseiros ou reclamações sobre algum tipo de conspiração, a promessa de obter uma forte reação de seus seguidores desviará as pessoas da pergunta óbvia.

Esta pergunta deve ser, é claro: isso é verdade?

Substituir reações

Pesquisas psicológicas clássicas mostram que algumas pessoas são naturalmente mais propensas a substituir suas respostas reflexivas do que outras. Essa descoberta pode nos ajudar a entender por que algumas pessoas são mais suscetíveis a notícias falsas do que outras.

Pesquisadores como Pennycook usam uma ferramenta chamada "teste de reflexão cognitiva", ou TRC, para medir essa tendência. Para entender como funciona, considere a seguinte pergunta:

O dono do gato Mingau tem três gatos. Os dois primeiros são chamados Abril e Maio. Qual é o nome do terceiro?

Muitas pessoas respondem "Junho" intuitivamente — mas a resposta correta, é claro, é Mingau.

Para chegar a essa solução, você precisa pausar, pensar, e substituir a resposta inicial mais instintiva.

Por esse motivo, as perguntas da TRC não são tanto um teste de inteligência bruta, mas um teste da tendência de alguém a empregar sua inteligência, pensando as coisas de maneira deliberada e analítica, em vez de seguir suas intuições iniciais.

As pessoas que não fazem isso costumam ser chamadas de "avarentos cognitivos" pelos psicólogos, já que podem possuir capacidade de raciocinar, mas não a "gastam".

A avareza cognitiva nos torna suscetíveis a muitos preconceitos cognitivos, e também parece mudar a maneira como consumimos informações (e desinformação).

Quando se tratava das declarações de coronavírus, por exemplo, Pennycook descobriu que as pessoas que obtiveram uma nota ruim no TRC eram menos exigentes nas declarações que acreditavam e estavam dispostas a compartilhar.

Matthew Stanley, da Duke University, nos EUA, relatou um padrão semelhante na suscetibilidade das pessoas às teorias de conspiratórias sobre coronavírus. Lembre-se que cerca de 13% dos cidadãos dos EUA acreditavam que a pandemia era uma farsa, o que poderia desencorajar a higiene e o distanciamento social.

"Treze por cento parece ser suficiente para fazer com que esse vírus se espalhe muito rapidamente", diz Stanley.

Testando os participantes logo após a pesquisa original YouGov/The Economist, ele descobriu que as pessoas que obtiveram uma pontuação pior no TRC eram significativamente mais suscetíveis a esses argumentos mentirosos.

Esses "avarentos cognitivos" também eram menos propensos a mudar seu comportamento para impedir a propagação da doença — como lavar as mãos e manter isolamento social.

Conter a disseminação

Saber que muitas pessoas — mesmo as inteligentes e as instruídas — têm essas tendências "avarentas" de aceitar informações erradas pode nos ajudar a impedir a disseminação de informações erradas.

Dado os estudos sobre o assunto — que mostram que "concordamos quando os pensamentos fluem sem problemas" — as organizações que tentam fazer checagem dos fatos devem evitar ser excessivamente complexas.

Em vez disso, eles devem apresentar os fatos da maneira mais simples possível — de preferência com recursos como imagens e gráficos que facilitam a visualização das ideias. Como Stanley coloca: "Precisamos de mais trabalho de comunicação e estratégia para atingir as pessoas que não estão tão dispostas a parar e pensar criticamente sobre tudo".

Simplesmente não é o suficiente apresentar um argumento sólido e esperar que ele resolva o problema.

Essas campanhas devem evitar repetir as mentiras, quando possível. A repetição faz com que a ideia pareça mais familiar, o que poderia aumentar a percepção da veracidade. Isso nem sempre é possível, é claro.

Mas as campanhas podem pelo menos tentar tornar os fatos verdadeiros mais proeminentes e memoráveis do que os mitos, para que eles tenham maior probabilidade de ficar na mente das pessoas. (É por esse motivo que esse artigo fornece o mínimo de informações possível sobre as mentiras e teorias da conspiração.)

Quando se trata de nosso próprio comportamento online, podemos tentar nos libertar da emoção gerada pelo conteúdo e pensar um pouco mais sobre sua veracidade antes de transmiti-lo. É baseado em boatos ou em evidências científicas concretas? Você pode encontrar a fonte original? Como ele se compara aos dados existentes? O autor está usando falácias lógicas comuns para argumentar?

Essas são as perguntas que devemos fazer — em vez de se o post vai gerar muitas curtidas ou se "poderia" ser útil para os outros.

Pennycook sugere que as redes sociais poderiam levar seus usuários a pensar mais com intervenções relativamente diretas. Em suas experiências, ele descobriu que pedir aos participantes que avaliassem a precisão factual de uma única alegação levou os participantes a começar a pensar mais criticamente sobre outras afirmações, o que os levou a dobrar o cuidado ao compartilhar informações.

Na prática, pode ser simples: uma plataforma de mídia social que fornece lembretes ocasionais para pensar duas vezes antes de compartilhar já ajuda. E estudos cuidadosos podem ajudar as empresas a encontrar a estratégia mais confiável, diz ele.

Não há panaceia. Como nossas tentativas de conter o vírus em si, precisamos de uma abordagem multifacetada para combater a disseminação de informações erradas e potencialmente fatais.

E, à medida que a crise se aprofunda, será responsabilidade de todos conter essa disseminação.

*Artigo escrito por David Robson, autor do livro The Inteligente Trap (A Armadilha da Inteligência), que examina por que pessoas inteligentes agem de maneira tola e as estratégias que podemos usar para tomar decisões mais sábias.


Voltar


Comente sobre essa publicação...