Semana On

Terça-Feira 24.nov.2020

Ano IX - Nº 420

Mato Grosso do Sul

MS registra a pior taxa de isolamento social do Brasil: governador reforça pedido para população ficar em casa

Estado registra 97 casos confirmados e monitora cerca de 50 suspeitos

Postado em 10 de Abril de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Apesar do apelo das autoridades e especialistas em saúde para que a população fique em casa e Mato Grosso do Sul já contabilizar duas mortes pelo Covi-19, o estado registra a pior taxa de isolamento social do Brasil. Apenas 42,3% da população ficou em casa na quinta-feira (9), conforme o sistema que verifica o comportamento da população. Os números geram preocupação nas autoridades de saúde, devido a facilidade de transmissão da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Até o momento, 97 pessoas testaram positivo para a doença no Estado, sendo que 16 delas seguem internadas.

Segundo o médico infectologista e pesquisador da UFMS/Fiocruz, Júlio Croda, a relação entre o aumento do número de casos da doença e o afrouxamento das regras de convívio social é flagrante. Segundo ele, as próximas três semanas podem revelar grande quantidade de novos infectados pela covid-19.

Diante das estatísticas que apontam para um possível pico da pandemia em MS que pode sobrecarregar o sistema de saúde, o governador Reinaldo Azambuja reforça a gravidade da situação e pede que a sociedade tenha atitudes conscientes e responsáveis nesse momento de crise mundial.

“O pico da infestação no Brasil está previsto para abril e maio. Quanto mais ficarmos restritos ao ambiente familiar, quanto mais tivermos as precauções, menos pessoas serão contaminadas. Manter a vigilância, manter o isolamento é essencial para que possamos ultrapassar esse momento mais crítico. E o mais importante, dando suporte aquelas pessoas que necessitam da internação na rede pública estadual em todas as regiões do estado”, destaca.

Apesar de todas as medidas e esforços dos governos federal, estadual e municipal, o comportamento da população nos municípios é fundamental para evitar um possível colapso no sistema público de saúde que não só em Mato Grosso do Sul, mas em todo País, não possui estrutura para “cuidar” de todos os possíveis infectados pelo coronavírus.

A base de dados da In Loco, que usa como referência 60 milhões de telefones celulares existentes no País, tem sido utilizada por cientistas e autoridades em saúde para estudar o comportamento da população e como isso tem refletido no aumento dos casos confirmados. Foi comprovado que o aumento da reclusão no fim do mês de março evitou infecções e internações. Porém a queda do isolamento nos últimos dias pode mudar o cenário nas próximas semanas.

Diante disso, autoridades como ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, governador, Reinaldo Azambuja, e secretário de saúde, Geraldo Rezende, têm reforçado que a única medida eficaz para evitar o pico da doença é manter o isolamento social e manter os cuidados de higiene e uso de máscaras. “Só vamos ser vitoriosos se cada um dos 2,62 milhões de moradores de MS atenderem o nosso apelo e derem sua contribuição”, destaca o secretário de saúde. 

Casos em MS

Com mais quatro exames positivos para coronavírus (Covid-19), o número de casos confirmados da doença no Estado chega a 97. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) monitora outros cerca de 50 casos suspeitos.

Os casos mais recentes foram notificados em 06 de abril e são um homem de 29 anos, em Dourados, um homem de 32 anos, de Chapadão do Sul, um homem de 22 anos de Nova Andradina e um homem de 32 anos de Chapadão do Sul. Todos tiveram contato com casos confirmados

Dos 89 casos confirmados, 27 estão em isolamento domiciliar, 37 já finalizaram a quarentena e estão sem sintomas. 16 estão internados, sendo sete em hospitais públicos e 9 em hospitais privados. Sete pacientes tiveram alta hospitalar e foram registrado dois óbitos.

Desde o dia 25 de janeiro, foram registradas 818 notificações de casos suspeitos do coronavírus em Mato Grosso do Sul. Destes, 683 foram descartados após os exames darem negativo para Covid-19 e doze foram excluídos por não se encaixarem na definição de caso suspeito do Ministério da Saúde.

Os 34 casos suspeitos em investigação tiveram as amostras encaminhadas para o Lacen/MS, onde será feito o exame para nove tipos de vírus respiratórios, incluindo influenza e Coronavírus. O Lacen/MS realiza os exames para Covid-19 em Mato Grosso do Sul. Os resultados ficam prontos entre 24h a 72 horas, após o recebimento das amostras.

Uso de máscaras

Autoridades de saúde passaram a recomendar o uso de máscaras faciais por toda a população para evitar o contágio da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O secretário de saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, explicou a normativa. “Há hoje um estudo bastante amplo e incontestável do uso da máscara, mesmo a máscara caseira, e o benefício no enfrentamento da covid-19”, afirmou ele durante live nas redes sociais do Governo do Estado.

Dados científicos recentes constataram que a transmissão da covid-19 pode ocorrer mesmo antes do indivíduo apresentar os primeiros sinais e sintomas. Por esse motivo, o Ministério da Saúde passou a recomendar o uso de máscaras faciais para todos.

No entanto, diante da insuficiência mundial de insumos, foi solicitado aos cidadãos para que produzam a sua própria máscara de tecido, com materiais disponíveis no próprio domicílio. “Esse é o único instrumento de controle da doença disponível no momento”, afirma o ministério.

Segundo a secretária-adjunta da Saúde de MS, Christinne Maymone, o Governo do Estado prepara um vídeo para ensinar as pessoas a prepararem máscaras de pano em casa. “Que as famílias se preparem para a confecção das máscaras de pano, que devem ser utilizadas nas ruas”, destacou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...