Semana On

Sábado 19.set.2020

Ano IX - Nº 411

Mato Grosso do Sul

Coronavírus: Casos confirmados sobem para 53 em MS

Reinaldo Azambuja faz apelo para as pessoas ficarem em casa

Postado em 03 de Abril de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Mato Grosso do Sul registra 53 casos confirmados para o coronavírus (Covid-19), com dois novos exames positivos em relação ao dia anterior.

A SES monitora outros 28 casos suspeitos. Os casos novos são um homem de 35 anos, de Dourados, notificado em 31 de março e que está internado. O douradense teve contato com viajantes de São Paulo e Paraná. O outro caso é de uma mulher de 31 anos, de Batayporã, notificado em 29 de março, que teve contato com um caso confirmado e que se encontra em isolamento domiciliar.

Do total de casos confirmados, nove pacientes estão internados, 16 estão em isolamento domiciliar e 27 pessoas finalizaram a quarentena e estão sem sintomas. O Estado mantém um óbito pela doença.

Desde o dia 25 de janeiro, foram registradas 607 notificações de casos suspeitos do coronavírus em Mato Grosso do Sul. Destes, 515 foram descartados após os exames darem negativo para Covid-19 e onze foram excluídos por não se encaixarem na definição de caso suspeito do Ministério da Saúde.

Os 28 casos suspeitos em investigação tiveram as amostras encaminhadas para o Lacen/MS, onde será feito o exame para nove tipos de vírus respiratórios, incluindo influenza e Coronavírus. O Lacen/MS realiza os exames para Covid-19 em Mato Grosso do Sul. Os resultados ficam protos entre 24h a 72 horas, após o recebimento das amostras.

Isolamento Social

O governador Reinaldo Azambuja reforçou a importância de manter o isolamento social para combater a proliferação do vírus e evitar um colapso no sistema de saúde.

O Governo do Estado prevê prejuízo de até R$ 1,5 bilhão para os cofres públicos de Mato Grosso do Sul, mas Reinaldo Azambuja ponderou que a prioridade maior é salvar vidas. “Prejuízos todo mundo está tendo: a dona de casa, o trabalhador, o empregador, o empresário, o industrial, os governos. Prejuízos a gente repõe, agora vida você não repõe. Precisa ter consciência das ações que estão sendo tomadas pelos governos”, afirmou.

O governador avaliou que, por enquanto, os números de casos estão controlados no Estado, mas disse faltar consciência de algumas pessoas e não descartou o risco de colapso do sistema de saúde. “Ontem mesmo eu vi uma movimentação muito maior de pessoas circulando. Isso é ruim porque, não tenha dúvida, vai circular mais o vírus e vai contaminar mais. O Governo do Estado está fazendo o seu dever de casa: contratando leitos na rede privada, ampliando novos leitos na rede pública, fazendo parceria com prefeituras para ampliar leitos, agora se tiver um volume muito grande de pessoas contaminadas ao mesmo tempo que necessitem de internação, nós vamos ter dificuldade”, disse.

O governador lembrou ter países de primeiro mundo – como Itália, Espanha e Estados Unidos – enfrentando dificuldades para conter a pandemia e atender os pacientes e que a cidade de Nova Iorque vive “praticamente um colapso” porque tem muitas pessoas contaminadas ao mesmo tempo.

Regional instala Hospital de Campanha

O Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS), unidade de referência para a Covid-19 em MS, terá Hospital de Campanha para dar suporte no atendimento aos casos de coronavírus. O centro apoio está pronto para um possível cenário de aumento da pandemia no Estado. A unidade de apoio conta com leitos e equipamentos necessários para atendimento a pacientes com suspeita, porém sem indicação de internação.

De acordo com a diretora-presidente do Hospital Regional, Rosana Leite de Melo, a estrutura que está sendo instalada do lado de fora do HR está 80% pronta. No entanto, somente será utilizada quando a estratégia de enfrentamento ao novo coronavírus atingir o nível dois, ou seja, 70% de ocupação dos 386 leitos disponíveis no próprio hospital para os pacientes críticos.

“Esse centro de apoio começará a ser utilizada quando o hospital atingir o nível dois de ocupação. E estará à disposição de pacientes encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou pelas Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s), se estiverem com suspeita de terem contraído a Covid-19, mas que ainda não necessitem de internação”, salienta Rosana de Melo.

O Hospital de Campanha tem três tendas com contêineres que vão abrigar consultórios e salas de observação, sendo que a tenda maior terá uma estrutura com 108 leitos e 22 poltronas, assistidos por 60 técnicos em enfermagem, 32 enfermeiros e 16 médicos, além de equipamentos como inaladores e oxigênio.

Contratações

Seguindo determinação do governador Reinaldo Azambuja, o Hospital Regional de MS também tem contratado para suprir a possível demanda de atendimento na Unidade. No último dia 19 de março, foram convocados quatro novos médicos intensivistas, quatro fisioterapeutas e 20 enfermeiros. Na última terça-feira (31.03) foram chamados mais 20 profissionais na função de Médico Clínico-Geral e 40 Técnicos de Enfermagem.

Ainda em março a direção do hospital anunciou a disponibilização de 48 leitos semi-intensivos para atender exclusivamente possíveis infectados com o novo coronavírus, bem como a abertura do PAM 2, que está atendendo pacientes não relacionados à nova doença.

O HRMS também instituiu uma equipe médica para atendimento exclusivo aos servidores da unidade, bem como a distribuição criteriosa de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s), entre elas máscaras e óculos. O hospital está estruturado ainda para, se necessário, abrigar 800 pacientes em ventilação mecânica num período de quatro meses, dentro de um provável cenário de emergência utilizando os leitos de enfermaria.


Voltar


Comente sobre essa publicação...