Semana On

Segunda-Feira 25.mai.2020

Ano VIII - Nº 394

Cultura e Entretenimento

Fechados por causa do coronavírus, museus reforçam a interação nas redes sociais

Por meio de sites e aplicativos, instituições de arte da capital apostam na divulgação online de suas coleções

Postado em 01 de Abril de 2020 - Júlia Corrêa – Estadão

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Já faz quase duas semanas que museus e centros culturais dos grandes centros brasileiros estão com as portas fechadas como parte das medidas para tentar conter o avanço da covid-19. Em outros tempos, a suspensão das atividades deixaria o público sem nenhum acesso às coleções. Mas a internet permite boas alternativas: museus estão diversificando suas atrações online para manterem seus acervos vivos, mesmo sem estarem fisicamente abertos.

A Pinacoteca, que já vinha buscando maior proximidade com o público na web – como ao adotar a forma “Pina” em seus materiais de comunicação –, reforçou a presença nas redes. Com a hashtag #pinadecasa, passou a apresentar diariamente informações sobre sua coleção. Sempre pela manhã, no Facebook e no Instagram, uma postagem com descrições feitas pelos curadores traz curiosidades sobre determinada obra.

Do brasileiro Almeida Júnior, a pintura Leitura, de 1892, foi a primeira a ganhar destaque. Na composição, à frente de uma paisagem calma, uma mulher lê um livro em um terraço. Ao visualizar a obra, estimulado a interagir na caixa de comentários, o público reage de forma bastante positiva: alguns elogiam a escolha da pintura por passar “tranquilidade neste momento turbulento”; outros escrevem que, embora já tenham visto a tela no museu, desconheciam os detalhes apresentados.

A Pinacoteca também passou a utilizar os stories no Instagram para relembrar antigas exposições e compartilhar fotos de seus seguidores no museu. A interação, porém, não se restringe ao passado: neste sábado, às 11h, seu diretor geral, Jochen Volz, fará uma transmissão ao vivo para contar o que esperar da mostra OsGêmeos: Segredos, que, inicialmente prevista para abrir este fim de semana, precisou ser adiada.

O Itaú Cultural chegou a inaugurar duas mostras antes do avanço do vírus – uma dedicada ao arquiteto Rino Levi e outra com obras de Sandra Cinto. Agora, o público pode aproveitá-las pelo site do centro cultural. É possível fazer um tour em realidade virtual pelo hoje extinto Cine Universo, projetado por Levi em 1936. Entre 2 e 12 de abril, haverá também a mostra online Metrópole em Construção, com filmes sobre a urbanização de São Paulo. De Sandra Cinto, o site compartilha um caderno sobre seu universo poético – um plano de aula proposto pela artista, que pode servir como instrumento lúdico para pais e filhos durante a quarentena. A partir de 6 de abril, haverá ainda um vídeo em 360 graus de sua exposição, que foi interrompida.

Também na Avenida Paulista, o Instituto Moreira Salles (IMS) lançou um podcast com dicas de leitura para o período. Conhecido por realizar mostras de expoentes da fotografia, o centro cultural tem reforçado a divulgação de seu acervo online nas redes sociais – como os trabalhos de Peter Scheier, exibidos até então em uma retrospectiva no local. No YouTube, há vídeos de conversas com artistas e curadores. E, na próxima terça-feira, 31, das 14h às 22h, o instituto promove uma maratona de edição de verbetes da Wikipédia sobre arte brasileira e feminismo.

Outro que também investe em uma maratona para editar verbetes da Wikipédia é o Museu do Ipiranga, que realiza seu WikiConcurso até 15 de junho. Fechada há anos, a instituição vem buscando intensificar sua presença online enquanto não volta a funcionar fisicamente.

Cartão-postal da cidade, o Masp tem adotado a estratégia de difundir seu acervo nas redes sociais. Outra aposta é a expansão do aplicativo Masp Áudios (disponível para Android e iOS) unindo seu conteúdo – que inclui comentários de curadores, artistas, professores e pesquisadores – a vídeos divulgados nos canais digitais. No YouTube, há uma boa seleção de vídeos de seminários, palestras, entrevistas com artistas e exposições.

No MAM, além de poder fazer um tour por mais de dez exposições – incluindo exibições recentes de Mira Schendel e Ismael Nery –, o público pode conferir diariamente nas redes sociais postagens feitas com a hashtag #HistóriasDoAcervo. Toda quarta-feira, o museu divulga também conteúdos com #ArtistaDaSemana – as últimas postagens foram dedicadas a Antonio Dias e Thiago Honório, ambos com trabalhos a serem expostos este ano no museu. Também às quartas-feiras, o setor educativo faz lives com oficinas, contação de histórias e brincadeiras para as crianças. Há ainda quiz, indicação de leituras e playlists para ajudar no entretenimento durante a quarentena.

OUTRAS INICIATIVAS PELO BRASIL

Instituto Inhotim (Brumadinho-MG)
Além de tours virtuais, destaca, em suas redes, de obras do acervo a espécies botânicas do local.

Fundação Iberê Camargo (Porto Alegre-RS)
A divulgação na web inclui materiais informativos, quiz sobre Iberê e ilustrações para colorir.

Museu do Amanhã (Rio de Janeiro-RJ)
Conversa com curadores, clube de leitura, ioga… As ações do museu ganham transmissão online.

Museu Oscar Niemeyer (Curitiba-PR)
Além de relembrar mostras,
destaca obras do acervo, de nomes como Alfredo Andersen.

Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro-RJ)
Tours virtuais e divulgação de cartazes de antigas exposições estão entre as ações.

Fábrica de Arte Marcos Amaro (Itu-SP)
O museu terá tours virtuais em breve. Enquanto isso, exibe vídeos sobre o acervo no YouTube.


Voltar


Comente sobre essa publicação...