Semana On

Terça-Feira 31.mar.2020

Ano VIII - Nº 386

Legislativo

CPI Energisa: coleta de medidores será adiado por conta do risco de contágio pelo COVID-19

Comissão suspende prazos após paralisação temporária da ALEMS

Postado em 18 de Março de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Respeitando as orientações oficiais de segurança sanitária, a CPI da Energisa decidiu suspender temporariamente os trabalhos de recolhimento dos 200 medidores de energia para a perícia técnica. A data de retorno aos trabalhos de campo ainda não foi definida pelos membros da Comissão.

Na quinta-feira (19), 14 equipes percorreram as para as sete regiões urbanas da Capital Morena para fazer o trabalho de campo, recolhendo, em apenas dois dias, 93 medidores de um total de 200 que deverão ser periciados. O relator da CPI, o deputado estadual, Capitão Contar (PSL), acompanhou uma das 10 equipes da concessionária neste trabalho. Para atestar a transparência e eficácia da ação, um integrante da CPI acompanha cada equipe.

“Cada assessor ou membro da CPI vai acompanhar toda a ação de retirada destes equipamentos, do qual o consumidor já havia previamente reclamado no Procon e há uma queixa em processo. Foi a partir desta base de dados que fizemos o sorteio”, explica o parlamentar e acrescenta, “estamos empenhados em todas as etapas deste trabalho, pois queremos dar lisura em todas as fases deste assunto que afeta diretamente a população sul-mato-grossense, que clama por uma resposta sobre o serviço público que arca”.

Espera-se coletar os 200 relógios. O equipamento original da UC (Unidade Consumidora) será lacrado, assinado pelo cliente, Energisa e CPI. Eles ficarão acondicionados na Concessionária ao fim de todo o processo de coleta. Após o recolhimento, os equipamentos vão ser transportados para a USP-São Carlos para a realização da perícia.  

Esperança

“Eu tenho que agradecer. Acho muito importante vocês estarem fazendo isso. Foi um susto, a gente vai atrás de nossos direitos e nunca consegue. Aí chega vocês para estarem fazendo esse serviço maravilhoso, então tenho que agradecer do fundo do coração. Dessa vez deu até uma esperança no meu coração, de verdade. Fiquei muito feliz. Não esperava e fiquei feliz mesmo”, disse Cristina Nascimento Marchezin, que vive com seu irmão Marcos Arruda em uma casa na Vila Alba.

Ela relata que desde setembro sua conta de luz só faz aumentar, passando de R$ 600 para R$ 1.200 reais. Após ter ido ao Procon reclamar, a Energisa retirou o medidor, porém a análise não teria constatado irregularidade, segundo a versão da empresa. “Baixou um pouco, mas ainda está muito alta”, disse. Em casa ela só tem uma televisão, um ventilador de teto. “Foi dado como se a gente tivesse uma indústria, um comércio. Se tivesse um ar condicionado ou uma luz ligada o dia todo, mas não é nada disso”, completou.

Serão retirados 200 medidores de um universo de 2,3 mil consumidores que registraram reclamação contra a Energisa por variação injustificada do consumo, durante o ano passado. Desse total, foram sorteadas 300 moradias para receberem as equipes, considerando que muitos moradores podem não ser encontrados ou mesmo se recusam a permitir que o medidor seja retirado para perícia.

Os medidores foram retirados e acondicionados em uma embalagem plástica com lacres da Energisa e da CPI, e permanecerão em um local designado pela empresa até o dia 26, quando então serão transportados a São Carlos (SP), onde serão submetidos a perícia feita por professores do Curso de Engenharia Elétrica da Universidade de São Paulo.

Prazos suspensos

Em reunião extraordinária, os integrantes da CPI deliberaram a suspensão dos prazos para conclusão das investigações sobre eventuais irregularidades nas contas de energia elétrica no Estado. A decisão foi anunciada após a Mesa Diretora da ALEMS determinar o fechamento da Casa de Leis por 15 dias, devido ao aumento dos casos de contágio pelo coronavírus (Covid-19) em MS.

“Suspenso por 15 dias os trabalhos, consequentemente com toda a Assembleia fechada, suspendem-se também os prazos da CPI e outras comissões”, justificou o presidente da Comissão, deputado Felipe Orro (PSDB). O parlamentar também explicou que apesar de os prazos estarem suspensos por 15 dias, os trabalhos administrativos da CPI continuam. “Nosso relator já tinha uma programação apresentada e nós vamos seguir essa programação”, disse.

Acompanhe todas as notícias referentes ao trabalho da comissão clicando aqui


Voltar


Comente sobre essa publicação...