Semana On

Domingo 25.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Comportamento

Só 30% dos idosos com mais de 80 anos envelhecem bem

Focado na capital paulista, resultado do estudo pode ser estendido a outros centros urbanos.

Postado em 09 de Outubro de 2014 - Redação Semana On

O estudo aponta que, embora as mulheres vivam mais anos, os homens estão envelhecendo melhor: 42% deles tiveram o conceito O estudo aponta que, embora as mulheres vivam mais anos, os homens estão envelhecendo melhor: 42% deles tiveram o conceito "ótimo", contra 23,7% das mulheres.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Só 30% dos idosos com mais de 80 anos que vivem em São Paulo têm um envelhecimento tido como "ótimo", ou seja, sem problemas funcionais ou cognitivos. Os dados vêm de estudo inédito da USP, feito partir de projeto que monitora há 14 anos o envelhecer na capital paulista. Os resultados do estudo podem ser estendido a outros centros urbanos brasileiros.

"Não ter depressão é um dos principais fatores para um envelhecimento ótimo. A doença é muito subnotificada no idoso e negligenciada pelos serviços de saúde. As pessoas acham que é normal ficar 'tristinho' na velhice", diz a pesquisadora Yeda Duarte, professora da USP.

Manter contato social, ser ativo fisicamente, não ter depressão ou outra doença mental, possuir mais de quatro anos de escolaridade e renda suficiente são os fatores que aumentam as chances de envelhecer bem.

Dos idosos "ótimos", só 4,7% relataram ter depressão. Na outra ponta, dos que não estão envelhecendo bem, 73,5% relataram a doença.

O estudo também aponta que, embora as mulheres vivam mais anos, os homens estão envelhecendo melhor: 42% deles tiveram o conceito "ótimo", contra 23,7% das mulheres.

Outros estudos já demonstraram que homens que chegam até a idade avançada tendem a ser mais ativos e independentes que mulheres da mesma faixa etária. "Quanto mais idade, mais isso fica claro. Entre os centenários, é evidente. É um fenômeno universal", diz a geriatra Maysa Seabra Cendoroglo, professora da Unifesp. Segundo ela, fatores genéticos e ambientais que podem contribuir para isso ainda estão sendo estudados.

Sociabilidade, atividade fisica, escolaridade e boa saúde aumentam as chances de envelhecer bem.

Atividade

Outro tema bastante pesquisado são as atividades e hábitos de vida que podem colaborar para um envelhecimento saudável.

O papel da atividade física como fator de proteção física e mental já está bem documentado. Mas agora estudos em modelos animais têm demonstrado que a interação social também produz benefícios semelhantes.

"A interação com o outro produz desafios constantes. Usamos recursos mentais e emocionais, o que estimula o aprendizado, a sair da zona de conforto", explica Maysa.

Doenças

Envelhecer bem não significa não ter doenças. A grande maioria (84,4%) dos idosos "ótimos" têm uma ou mais doenças de base, como diabetes e hipertensão.

"Manter essas doenças bem controladas é fundamental para viver mais anos sem comprometimento funcional", explica a geriatra Maria Lúcia Lebrão, coordenadora do Sabe. Isso significa poder vestir-se, comer, ir ao banheiro e tomar banho sozinha, por exemplo.

Outro estudo, também com dados Sabe, mostrou que as chances de declínio cognitivo aumentam duas vezes e meia entre os idosos com dificuldades em desempenhar essas atividades diárias.


Voltar


Comente sobre essa publicação...