Semana On

Quinta-Feira 09.abr.2020

Ano VIII - Nº 387

Campo Grande

Prefeitura inicia processo de substituição de árvores na 14 de Julho

Paisagismo incluiu o plantio de 180 exemplares de várias espécies

Postado em 11 de Março de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Como parte da manutenção da Rua 14 de Julho, a Engepar, empresa executora da obra de requalificação, inicia o processo de remoção das árvores que não vingaram ao longo da via. O paisagismo inclui o plantio de 180 exemplares de várias espécies, como ipê amarelo, árvore da China, aldrago, ipê branco, pau mulato, erva mate, pau ferro, jacarandá mimoso, lafontera da Amazônia, fruta de tucano, ipê roxo e grandiuva.

Como se tratou de um transplante, com a planta já em desenvolvimento, havia o risco de “pegar” ou não, e algumas não brotaram como o esperado. Nesta terça e quarta, está sendo feita a retirada daquelas que não vingaram, cerca de 70. Na sequência, será feito o preparo das covas e, após, o plantio efetivo das novas árvores. Exemplares de todas as espécies serão substituídos.

“É comum essa perda em decorrência do transplante. Por isso, fazemos todo o acompanhamento até constatar que a planta não vai mais vingar. Mas é importante a população saber que a troca das árvores não tem custo, já que está prevista em contrato”, afirma a consultora socioambiental do Reviva, Juliana Casadei.

O lote com as árvores veio do interior do Estado e do Paraná. Após o plantio, a adaptação será acompanhada por pelo menos 40 dias.

Manutenção

Os cuidados com as árvores estão sendo feitos pela equipe de paisagismo da Engepar, conforme a necessidade. Independentemente disso, a Prefeitura lançou uma campanha de conscientização ambiental, com a disposição de murais ao longo da Rua 14 de Julho, que chamam a atenção da população para a limpeza dos canteiros e preservação das árvores.

O paisagismo da Rua 14 de Julho foi amplamente estudado para se tornar real. O projeto é da arquiteta Maria Teresa Corrêa, que buscou exemplares regionais como o ipê.


Voltar


Comente sobre essa publicação...