Semana On

Sábado 28.nov.2020

Ano IX - Nº 421

Campo Grande

Prefeitura decreta situação de emergência por conta da dengue

Esse é o segundo ano consecutivo que a Capital enfrenta uma epidemia, tendo quase 6 mil notificações em menos de dois meses

Postado em 03 de Março de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Foi publicado no Diário Oficial de Campo Grande do último dia 2 o decreto de emergência em virtude do alto número de notificações de dengue na cidade. Esse é o segundo ano consecutivo que a Capital enfrenta uma epidemia, tendo quase 6 mil notificações em menos de dois meses. 

Datado do dia 28, o decreto facilita a aquisição de bens necessários às atividades de resposta à epidemia e prestação de serviços, dispensando a necessidade de licitação, sem prejuízos a Lei de Responsabilidade Fiscal, tendo assim um resultado mais rápido no combate à doença.

Até o dia 26 de fevereiro, foram 5.863 registros de suspeita de dengue, sendo que desses, quatro evoluíram para o óbito, sendo um homem de 30 anos, uma idosa de 74, uma criança de 9 e, o último caso, um homem de 54 anos. 

Combate ao mosquito 

Desde agosto do ano passado, a Prefeitura tem intensificado as ações de enfrentamento ao mosquito, antecipando a chegada dos períodos críticos, de chuva e calor. As equipes da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV) da Sesau tem realizado diariamente o trabalho de orientação e eliminação de criadouros do mosquito. 

Além de inspeções em residências, é feita a vistoria em pontos estratégicos, áreas consideradas de maior risco de proliferação de mosquito e que exigem um trabalho específico, a exemplo de borracharias, oficinas mecânicas, pontos de recicláveis, construções, casas e construções abandonadas. 

A partir do início desse ano, a prefeitura intensificou ainda mais o combate ao Aedes aegypti, sendo uma delas a “Operação Mosquito Zero – É Matar ou Morrer”, onde equipes impulsionam os serviços durante dez dias em cada um dos distritos urbanos da cidade. Atualmente a operação, que deve durar cerca de 70 dias, está na região do Prosa. 

Nessas ações, os profissionais de saúde orientam os munícipes a seguirem os cuidados necessários para evitar a proliferação do mosquito: nunca deixar ao ar livre qualquer recipiente propenso a acumular água, manter a limpeza de terrenos e quintais em dia, instalar telas nas janelas, colocar areia até a borda dos vasos de planta, manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo, acondicionar pneus em locais cobertos, limpar e trocar a água de bebedouros de animais, proteger ralos pouco usados com tela ou jogar água sanitária. 

Infestação pelo Aedes 

Conforme o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo o Aedes aegypti (LIRAa) realizado em janeiro, sete áreas de Campo Grande foram classificadas com o risco de surto de doenças transmitidas pelo mosquito. 

O número de áreas em alerta praticamente dobrou, em comparação com o último LiRaa divulgado em novembro do ano passado, passando de 22 para 42 áreas. Dezoito áreas permanecem com índices satisfatórios. 

O índice mais alto foi detectado na área de abrangência da USF Iracy Coelho, com 8,6% de infestação. Isso significa que de 233 imóveis vistoriados, em 20 foram encontrados depósitos. A área da USF Azaleia aparece em segundo com 7,4% de infestação, seguido da USF Jardim Antártica, 5,2%, USF Alves Pereira, 4,8, USF Sírio Libanês, 4,4%, Jardim Noroeste, 4,2% e USF Maria Aparecida Pedrossian (MAPE), 4,0%.


Voltar


Comente sobre essa publicação...