Semana On

Segunda-Feira 10.ago.2020

Ano IX - Nº 405

Saúde

Cientistas identificam método que pode ajudar a tratar a ansiedade

Tratamento usando "sinais de segurança" contribuiria para a melhora de pacientes que não respondem bem à terapia ou ao uso de remédios

Postado em 21 de Janeiro de 2020 - Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Fazer terapia ou tomar medicamentos não significa que uma pessoa vai melhorar da ansiedade, pois há quem possa continuar sentindo os sintomas do transtorno, como a aceleração dos batimentos cardíacos e a sensação de “nó” na garganta. 

Pesquisadores da Universidade de Yale, dos Estados Unidos, dizem que identificaram uma resposta para ajudar esses pacientes: sinais de segurança, como uma música, um alguém conhecido ou até um bichinho de pelúcia.

Para chegar à essa conclusão, foi feito um experimento, no qual participantes tiveram que associar ilustrações à sensações de medo e elencar os itens que não remetessem à esse sentimento. Um grupo de pessoas visualizou somente as imagens que davam aflição. Ao mesmo tempo, outra parte observou as fotos intimidadoras e objetos agradáveis.

Os especialistas notaram que observar as formas assustadoras junto com as agradáveis suprimia o sentimento ruim. Analisando diversos estudos, eles identificaram que os sinais de segurança (representados pelas boas imagens) afetam uma rede neurônios em uma região diferente da que é afetada durante terapias.

Isso acontece porque as terapias, geralmente, são baseadas no extermínio de um medo. “Mesmo que uma memória segura seja formada durante a terapia, sempre estará competindo com outras memórias ameaçadoras que vieram antes”, disse em comunicado Dylan Gee, líder da pesquisa

Segundo a especialista, o uso dos sinais de segurança pode ajudar quem não faz acompanhamento com um psicólogo. “Tanto a terapia cognitiva comportamental, quanto o uso de antidepressivos podem ser muito eficientes, mas há uma parte substancial da população que não se beneficia de modo suficiente, ou os benefícios não duram a longo prazo”, ela comentou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...