Semana On

Sábado 04.abr.2020

Ano VIII - Nº 387

Legislativo

Campanhas institucionais da ALEMS promovem reflexões e ações de prevenção

Para Paulo Corrêa, campanhas reforçam a responsabilidade social e o engajamento

Postado em 14 de Janeiro de 2020 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Anualmente, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS) realiza iniciativas, seja apresentando projetos de lei, promovendo ações ou reacendendo debates que alertam e conscientizam para a importância de algum tema. As atividades integram as ações institucionais fortalecidas com veiculação dos materiais na Intranet, nas mídias sociais, TV e Rádio da Casa de Leis.

Você já deve ter observado que várias campanhas apresentam cores determinadas como forma de conscientização. Abaixo, estão elencadas algumas campanhas realizadas durante o último ano (2019) no Legislativo Estadual:

Visando à conscientização e a prática de ações relacionadas à saúde, à segurança e à prevenção de riscos no ambiente do trabalho, foi criado o Abril Verde, por meio da Lei 5.196/2018, do então deputado Junior Mochi. Em 2019, ato realizado no início de abril, na Assembleia Legislativa, marcou o lançamento desta campanha que ganhou iluminação verde no dispositivo das Bandeiras.

Para o presidente da ALEMS, deputado Paulo Corrêa (PSDB), a adesão ao movimento visa conscientizar empresários de que investimento em prevenção é a melhor forma de evitar mortes por acidentes de trabalho e maiores prejuízos aos empregadores. “Será que todos estão fazendo o que é possível para evitar os acidentes de trabalho? O mês de abril ficou reservado para isso, para pensar que vidas estarão sendo salvas se a gente conscientizar não só governo, mas também empresários de que investimento em prevenção ao acidente de trabalho é muito melhor do que o acidente que ceifa uma vida”, disse.

Maio Laranja é a campanha destinada às atividades de conscientização, prevenção e orientação para combate ao abuso e exploração sexual da criança e do adolescente. Instituída pela Lei 5.118/17, do deputado Herculano Borges (Solidariedade), ações foram realizadas no Estado por meio de audiências, palestras e entrevistas para veículos de comunicação.

Em junho, há a campanha de Combate à Violência contra o Idoso, representada pela cor prata, que remete ao grisalho dos cabelos das pessoas da terceira idade. Destinada a sensibilizar e envolver a população no combate à violência contra as pessoas com 60 anos ou mais, foi criada pela Lei 5.215/18, do deputado Renato Câmara (MDB). Junho Prata contou com lançamento da campanha e seminário estadual, proporcionando reflexão e debate sobre as várias faces da violência contra os idosos.

Campanha Agosto Lilás, instituída pela Lei 4.969/16, do deputado Professor Rinaldo (PSDB), é realizada em alusão à data de sanção da Lei Maria da Penha com proposta de sensibilizar a sociedade sobre a violência doméstica e familiar contra a mulher. Na ALEMS, projetos de lei foram apresentados e debates na tribuna enfatizaram o tema.

Há, ainda, o Agosto Dourado, que é a campanha de conscientização e esclarecimento sobre a importância do aleitamento materno. Conforme a Lei 4.728/15, da ex-deputada Antonieta Amorim, entre os dias 1º e 8 de agosto é celebrada no Mato Grosso do Sul a Semana Estadual da Amamentação.

Agosto Verde foi instituído no Mato Grosso do Sul pela Lei 5.088/17, dos ex deputados Dr. Paulo Siufi e George Takimoto, e atuais deputados Paulo Corrêa (PSDB) e Pedro Kemp (PT). A proposta é a realização de ações preventivas à integridade da pessoa, visando combater e prevenir depressão, prostração ou desânimo e outras doenças mentais. E agosto recebeu mais uma campanha. De autoria do deputado Marçal Filho (PSDB), foi criada a Lei 5.431/19 que institui o Agosto Cinza como o mês de conscientização do cidadão no combate aos incêndios e queimadas no Estado de Mato Grosso do Sul. A partir do próximo ano, poderão ser desenvolvidas ações para a conscientização da população a combater e prevenir os focos de incêndio e queimadas provocadas em zonas urbanas e rurais.

Em setembro, com a cor amarela, há a campanha Prevenção ao Suicídio, instituída pela Lei 4.777/15, da então deputada estadual Mara Caseiro, para informar e sensibilizar a sociedade que o grave problema de saúde pública pode ser prevenido. Na ALEMS, por diversas ocasiões, parlamentares utilizaram a tribuna durante sessões plenárias declarando preocupação com as elevadas estatísticas de suicídio. Audiência pública e atividades voltadas aos servidores, com o intuito de melhorar a qualidade de vida, foram realizadas. Inclusive, a preocupação com questões relativas à saúde mental, fez a Escola do Legislativo criar o projeto Apoio Legal, onde os servidores recebem auxílio psicológico.

Por meio da Lei 5.395/19, do deputado Marçal Filho (PSDB), fica instituída, no Estado de Mato Grosso do Sul, a Campanha Permanente de Informação, Prevenção e Combate à Depressão. O objetivo é informar a população sobre causas, sintomas, meios de prevenção e de tratamentos da depressão, por meio de ações educativas e informativas.

Ainda em setembro, os deputados estaduais da 11ª Legislatura assinaram o Protocolo de Intenções por uma Assembleia mais Sustentável, na qual estão integradas as Campanhas Energia Limpa, Papel Zero e Chega de Plástico na ALEMS. Estão estabelecidos no documento consumo sustentável dos recursos naturais, eliminação do desperdício e uso de materiais recicláveis.

“A conservação ambiental sempre foi uma preocupação dos deputados. Queremos desenvolver o estado, industrializar, gerar emprego e renda, mas para isso precisamos ter responsabilidade ambiental. Para incentivar essas ações, resolvemos assinar esse protocolo de intenções, que contém metas como a redução do uso de papel e plástico e a geração de energia limpa”, comentou o deputado Paulo Corrêa.

Conhecidas mundialmente, as campanhas Outubro Rosa e Novembro Azul remetem aos cuidados com as saúdes da mulher e do homem. Outubro Rosa é a campanha dedicada especialmente às mulheres, para maior conscientização sobre a importância de diagnosticar de forma precoce o câncer de mama e de colo de útero. No Estado, Outubro Rosa foi instituída pela Lei 4.541/2014, de autoria do 1º secretário, Zé Teixeira (DEM), e das então deputadas Mara Caseiro e Dione Hashioka. No dia 23 de outubro, na ALEMS, foram disponibilizados exames de mamografia e de prevenção ao câncer do colo do útero para servidoras. Os atendimentos foram feitos em parceria com a Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems) e a Escola do Legislativo também abordou o assunto em palestras. Os servidores da Casa de Leis participaram, ainda, da campanha “Doe Lenços”, onde foram arrecadados lenços para doação à Rede Feminina de Combate ao Câncer, iniciativa sugerida pela União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale) às Casas Legislativas.

Mãe e filha unidas contra a doença

A enfermeira e servidora da ALEMS, Marcela Horta, é um exemplo da dor que acompanha o diagnóstico, mas também da luta no enfrentamento a doença. Ela acompanhou o tratamento da mãe, diagnosticada com câncer de mama em 2015 e, um ano depois, viu a dor ser intensificada.

“Como não tínhamos históricos na família não imaginava que após conviver com a doença da minha mãe, eu seria diagnosticada. Levei um susto quando o médico informou e a minha mãe, que estava ao meu lado na consulta, ficou muito abalada. Naquele momento, pensei o quanto eu precisava reunir forças para apoiá-la e começar o meu tratamento”, explica Marcela, que atua na Sala Médica da ALEMS.

Marcela percebeu um caroço na mama esquerda, durante um exame rotineiro de toque. “Com as mãos elevadas à cabeça, fiz a palpação e detectei um caroço, mas achei que poderia ser a glândula mamária inflamada. Como minha mãe estava passando pelo tratamento, entendo que o risco é maior para parentes de primeiro grau, como é o meu caso. Foi então que procurei ajuda médica e, após consultas e exames, recebi o diagnóstico do câncer de mama classificação BI-RADS 3, o mesmo da minha mãe”, lembra Marcela.

No caso dela, a biópsia apontou que o câncer de mama era benigno e que, por apresentar tamanho pequeno, os médicos informaram que seria possível retirar o tumor. “Passei pelo procedimento cirúrgico e foram retirados ¼ das duas mamas. De 22 linfonódulos removidos, nenhum foi considerado maligno. Como foi realizado o esvaziamento linfático, as minhas mamas foram reconstituídas na mesma hora”, conta.

Por atuar na área da saúde, a servidora acredita que foi mais difícil lidar com essa situação. “Estudei, conheço o passo a passo e o que pode acontecer após o diagnóstico. Além disso, operei sem minha mãe saber para não abalar ainda mais sua saúde, pois além de ser hipertensa e apresentar alteração da diabetes, ficava nervosa com as nossas condições de saúde. Chorei muito escondida para não passar a ela nenhum tipo de desconforto. Após a operação, fiquei em repouso e percebi que perdi um pouco do movimento da mão esquerda, pois formigava bastante. Foram momentos difíceis, mas com fisioterapia e apoio da família, consegui me restabelecer”, pontua Marcela.

Diante da experiência de acompanhar a mãe em seu tratamento agressivo e de também enfrentar a doença, Marcela aprendeu a lidar com o sofrimento e hoje mostra que é possível se fortalecer após um período de turbulência. Ela sugere às mulheres que cuidem de sua saúde. “A mulher precisa entender a importância do exame do toque ser realizado com freqüência e observar qualquer alteração nos seios. Hoje, temos muito mais acesso às informações e precisamos nos prevenir por meio exames periódicos, como mamografia e ultrassom”, enfatiza Marcela Horta.

Sua mãe, Dona Maria Dorotéia, diagnosticada aos 61 anos, passou por inúmeros exames, sessões de quimio e radioterapia, e, após o procedimento cirúrgico de retirada de parte da mama direita, está no quarto ano de manutenção.

“Ela está curada, mas precisa passar pelo processo de tratamento ou manutenção até o ano que vem para então receber alta”, relata a servidora. Marcela Horta tem 38 anos, é casada e tem uma filha adolescente. Começou a trabalhar na ALEMS há 17 anos como técnica de enfermagem estagiária.

Saúde do homem

Novembro Azul promove conscientização e a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata e outras doenças relacionadas à população masculina. A ALEMS instituiu o mês por meio da Lei nº 4.636/14 de autoria do deputado Zé Teixeira (DEM) e do ex-deputado Marquinhos Trad. O Programa Sextou apresentou aos servidores temáticas relacionadas à campanha.

Na oportunidade, o médico especialista em Urologia, Jamal Mohamed Salem, mostrou dados da Organização Mundial da Saúde e explicou os tipos de doenças na próstata, recomendando aos servidores: “Os exames para o diagnóstico são indolores, não vão diminuir sua virilidade ou alterar seu desejo sexual, temos que eliminar esses tabus e se cuidar”.

Outras Ações

Novembro foi instituído, ainda, como o Mês de Enfrentamento à Tríplice Epidemia: Dengue, Zika e Chikungunya, por meio da Lei n° 5.370/19 de autoria do deputado Renato Câmara (MDB). A proposta é conscientizar a sociedade sobre os riscos oferecidos pelo Aedes aegypt e destacar a importância da participação popular na prevenção da proliferação das referidas doenças. No dia 12 de novembro, a Frente Parlamentar que leva o mesmo nome realizou reunião onde foi apresentada a campanha institucional da Casa de Leis e discutidas iniciativas de enfrentamento a doença.

Já em dezembro, em mais uma campanha, os servidores da ALEMS demonstraram solidariedade com a arrecadação de 450 brinquedos para a campanha Compartilhe o Natal, iniciativa do Ministério Público Estadual (MPMS). Por meio das parcerias, a ação presenteia crianças e adolescentes com deficiência e em situação de vulnerabilidade, oriundos de abrigos assistenciais do Estado.

“Nossa missão vai além da criação de leis. Neste ano de 2019 realizamos diversas ações voltas à conscientização. Muitas dessas campanhas foram oficializadas por leis e nosso compromisso é sempre lembrar a população da importância de estarem atentos a temas como prevenção de doenças, prevenção de acidentes, conservação ambiental, respeito aos direitos das mulheres, crianças, idosos e pessoas com necessidades especiais, entre muitos outros assuntos”, finalizou o presidente da Casa de Leis, deputado Paulo Corrêa.


Voltar


Comente sobre essa publicação...