Semana On

Quinta-Feira 29.out.2020

Ano IX - Nº 416

Legislativo

Projetos de combate ao machismo e de formação ética na educação são aprovados na Câmara

De autoria do Prof. João Rocha, projetos pretendem atuar em um processo de conscientização nas escolas municipais de Campo Grande

Postado em 10 de Dezembro de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Dois projetos de autoria do vereador Prof. João Rocha, presidente da Câmara Municipal, voltados para a educação de base foram aprovados.

Em segunda discussão e votação, os vereadores aprovaram o Projeto de Lei n. 9.391/19, que estabelece diretrizes para ações voltadas ao combate ao machismo e à promoção da valorização da mulher nas escolas municipais de Campo Grande. 

A proposta foi assinada, também, pelo vereador João César Mattogrosso e prevê a promoção de campanhas educativas com o objetivo de combater a prática do machismo nas escolas, bem como outros atos de agressão, discriminação, intimidação, bullying e violência contra mulheres e meninas.

“O projeto pretende erradicar comportamentos machistas e discriminatórios em relação às mulheres. Muitos jovens crescem vendo seus pais e familiares impondo práticas machistas e acabam tendo uma visão distorcida dessas condutas. Com isso, é necessário que sejam realizadas ações para a promoção da valorização das mulheres, principalmente nas escolas municipais, pois esses princípios devem ser ensinados desde cedo às crianças”, disse Rocha. 

E também foi aprovado o Projeto de Lei n. 9.420/19, com duas emendas, que institui o Projeto Educacional “Saber Direito” na escola, de formação humanitária, ética e cidadã dos alunos da Rede Municipal de Ensino da Capital.

Na prática, a proposta prevê noções de direito e deveres para os alunos da rede de educação básica em aulas periódicas, aulas e palestras sobre direitos humanos e civilidade, debates, leituras e outras atividades que forem importantes para o desenvolvimento.

“Em curto, médio e longo prazo os efeitos de uma educação emancipatória, certamente, contribuirão para a vida em sociedade e para o desenvolvimento da nossa cidade e do País. As crianças e jovens conscientes, com uma formação ética e com noções reais da vida em sociedade, estarão mais preparados para o convívio social em benefício de toda a comunidade”, justificou o parlamentar.


Voltar


Comente sobre essa publicação...