Semana On

Quarta-Feira 02.dez.2020

Ano IX - Nº 421

Brasil

Concentração de renda no Brasil pode estar subavaliada

Pesquisa da UnB sugere discrepâncias nos indicadores de redução da desigualdade.

Postado em 24 de Setembro de 2014 - Redação Semana On

Segundo o estudo, os 5% mais ricos detinham cerca de 40% da renda total do país em 2006 e passaram a responder por 44% em 2012. Segundo o estudo, os 5% mais ricos detinham cerca de 40% da renda total do país em 2006 e passaram a responder por 44% em 2012.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Ao contrário do que sinalizam os indicadores oficiais, a redução da desigualdade pode não ter ocorrido nos últimos anos no Brasil. E a concentração de renda no país pode ser maior do que se imaginava até então.

É o que indica o trabalho "O topo da distribuição de renda no Brasil" dos pesquisadores Marcelo Medeiros, Pedro Souza e Fabio Avila Castro, da Universidade de Brasília (UnB). Medeiros e Souza também são pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Segundo o estudo, os 5% mais ricos detinham cerca de 40% da renda total do país em 2006 e passaram a responder por 44% em 2012.

O maior aumento percentual ocorreu de 2006 a 2008 e, nos anos seguintes, não houve retração na parcela da renda total detida pelo grupo, definido pelos indivíduos com renda a partir de R$ 57,6 mil por ano em 2012.

O mesmo fenômeno ocorreu no grupo do 1% mais rico (renda a partir de R$ 552,9 mil por ano) e no segmento mais abastado da população, do 0,1% mais rico (a partir de R$ 871,7 mil por ano). Nos dois casos, o percentual da renda total permaneceu estável ao longo dos anos (veja quadro).

O trabalho é resultado da primeira estimativa de concentração de renda entre os mais ricos a partir da análise das declarações de Imposto de Renda. Os dados foram processados pela Receita Federal para preservar o sigilo fiscal, impossibilitando a identificação individual.

Tal abordagem produziu resultados diferentes dos apresentados na semana passada pelo IBGE, cujas informações são baseadas em pesquisas domiciliares.

Renda e riqueza

Pelo Censo 2010, os 5% mais ricos respondiam por 40% da renda total. Pela Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), a fatia detida pelo grupo vinha caindo desde 2006 e fechou 2012 em 35% –abaixo dos 44% indicados pelo estudo.

"É provável que a queda da desigualdade nesse período, identificada nas pesquisas domiciliares, não tenha ocorrido ou tenha sido muito inferior ao que é comumente medido", diz o estudo, publicado em 14 de agosto.

Os autores notam que as pesquisas domiciliares "identificam melhoras na base da distribuição, mas a desigualdade total depende também do que ocorre no topo".

A análise por meio das declarações de IR, usada há anos no exterior, permite que os dados sejam mais precisos do que os colhidos nas pesquisas domiciliares já que os entrevistados podem desconsiderar rendimentos como aplicações financeiras.

Mas há também limitações. Uma minoria da população é obrigada a fazer declaração de renda e não é possível contabilizar, por exemplo, a renda de pessoas jurídicas. Segundo os pesquisadores, "é possível", assim, que as estimativas da desigualdade estejam subestimadas.

Para o trio, diante dos achados da pesquisa, "o comportamento geral da desigualdade nesse período merece ser avaliado com mais cautela".


Voltar


Comente sobre essa publicação...