Semana On

Quarta-Feira 02.dez.2020

Ano IX - Nº 421

Coluna

O curta Cinzas é filmado com uma técnica que fez história no cinema

Filme narra a rotina e o sonho de um homem, contado em plano-sequência.

Postado em 19 de Setembro de 2014 - Elis Regina Nogueira

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Para quem não conhece ou não está habituado aos termos técnicos da linguagem cinematográfica, plano-sequência, na definição de André Bazin, co-fundador da lendária revista Cahiers du Cinéma, é a filmagem de uma ação contínua, independente de sua duração, no qual a câmera realiza um movimento sequencial, sem cortes. Em tese, sem cortes. Porque um plano-sequência pode ter cortes aqui e ali, desde que sejam mascarados, escondidos com maestria, como o clássico Festim Diabólico, de Alfred Hitchcock.

Esse recurso fez história no cinema com exemplos clássicos, que já renderam aplausos e prêmios a grandes diretores, como o já citado, Alfred Hitchcock com Festim Diabólico, e Orson Welles com A Marca da Maldade.

O cinema moderno tem muitos outros incríveis exemplos que você pode conferir aqui.

Mas não é só o cinema norte-americano que sabe explorar essa técnica.

Com muita ousadia e inventividade,  a  diretora Marinete Pinheiro e o roteirista Anderson Antunes resolveram explorar essa linguagem no curta  “Cinzas”, filmado inteiramente em plano-sequência.

Os desafios dessa produção você pode conferir nessa entrevista exclusiva para a nossa coluna.



Voltar


Comente sobre essa publicação...