Semana On

Sábado 05.dez.2020

Ano IX - Nº 422

Coluna

Evolução do ciberjornalismo e as peculiaridades do texto

O jornalismo produzido para a internet oferece amplas possibilidade de agregar, ampliar informação.

Postado em 19 de Setembro de 2014 - Gerson Martins

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O jornalismo produzido para a internet, que aqui se denomina ciberjornalismo reúne algumas características que o fazem singular e propicia que os consumidores de notícia, os leitores façam um aproveitamento melhor das informações. Para ser mais simples, as notícias publicadas nos jornais impressos estão dadas, são aquilo que se apresentam ao leitor, sem qualquer possibilidade de ampliar o contexto ou mesmo as informações. O mesmo ocorre com o telejornalismo, que mesmo com os recursos de imagem oferecem ao público um momento de informação, que deve ser processada naquele instante. Diferentemente, o jornalismo produzido para a internet oferece amplas possibilidade de agregar, ampliar informação, se pode dizer que é um jornalismo mais completo e até mesmo mais complexo.

Algumas características devem estar muito presentes nos portais de notícias, nos cibermeios, neste caso, em análise o novo portal do jornal O Estado MS e do Correio do Estado. Uma dessas características diz respeito ao jornalismo regional, ao jornalismo da cidade. Por mais que os cibermeios locais ofereçam informações nacionais ou internacionais, o foco da busca de notícia é regional, local. Se o leitor deseja informações nacionais ou internacionais, vai recorrer aos grandes portais de notícias como a Folha Online, O Globo e mesmo o G1 nacional. Entende-se subliminarmente que a apuração destas notícias será mais rigorosa, mais completa pelo fato que os grande jornais dispõe de equipes, de estrutura de reportagem melhor organizadas. Assim, não há porque um cibermeio local dispor de informações nacionais ou internacionais, ou seja, recorrer às agências de notícias, exceção se os fatos forem contextualizados localmente. Não há como concorrer com os grandes portais neste tipo de informação.

Além deste aspecto, outras características são implícitas aos cibermeios, como, por exemplo, o fluxo de leitura e consequentemente o posicionamento das fotos. É regra geral que jamais uma foto pode desvalorizar o texto e vice-versa se a mesma for colocada de “costas” para o texto. Essas mesmas fotos devem abrir, se for oferecido o recurso de visualização ampla, minimamente numa outra página.

Detalhes importantes foram bem trabalhados nos novos cibermeios do O Estado MS e do Correio do Estado.

Detalhes importantes foram bem trabalhados nos novos cibermeios do O Estado MS e do Correio do Estado, como por exemplo o posicionamento da seção Últimas Notícias, que neste formato de leiaute fica acessível ao leitor. Há que se destacar também o acesso às edições digitalizadas, em PDF, da versão impressa. Tanto no O Estado MS, quanto no Correio do Estado o leitor pode visualizar e até mesmo ler as notícias publicadas. Desta forma, e isso é um dado importante, ele, o leitor, poderá comparar a diferença que existe entre um texto escrito para a versão impressa, de outro adequado para a mídia internet. Neste aspecto, é imprescindível atentar para a qualidade do texto. Muitas vezes o repórter escreve para a versão cibermeio com certa displicência, sem se importar com o vícios de linguagem, que são recorrentes.

Um jornalista jamais deve esquecer que o texto jornalístico é, sem qualquer dúvida, uma forma de conhecimento. As pessoas aprendem, conhecem muito de geografia, história, política, economia, sociologia por meio do jornalismo, por meio das notícias. E o que se percebe é que além do texto não estar adequado ao cibermeio, há muitos problemas de linguagem que remete, inexoravelmente, aos vícios do cotidiano e que em nada contribuem para a efetivação comunicação.

E esta análise não para por aqui, continua na próxima semana.


Voltar


Comente sobre essa publicação...