Semana On

Domingo 17.jan.2021

Ano IX - Nº 426

Poder

De cada 10 eleitores, 7 ainda não têm candidato a deputado

O grupo com maior taxa de gente sem candidato a federal é o dos jovens.

Postado em 19 de Setembro de 2014 - Redação Semana On

O sistema eleitoral brasileiro também não ajuda o eleitor na hora da escolha. O sistema eleitoral brasileiro também não ajuda o eleitor na hora da escolha.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A pouco mais de duas semanas da eleição, de cada 10 eleitores, 7 não sabem em quem irão votar para deputado federal nem estadual. É o que mostra pesquisa Datafolha.

O grupo com maior taxa de gente sem candidato a federal é o dos jovens. Entre os que têm 16 a 24 anos, 80% ainda não escolheram. No caso dos estaduais, a maior taxa está entre os que têm ensino fundamental: 75% estão sem nome definido para votar. Em todas as regiões do país essas taxas estão sempre acima de 60%.

Os valores são muito altos se comparados com os da eleição presidencial, por exemplo. Na disputa pelo Planalto, segundo a mesma pesquisa, 67% citam algum nome quando o instituto pergunta ao eleitor em quem ele irá votar e pede uma resposta espontânea (sem a apresentação dos nomes dos candidatos).

Há várias hipóteses para explicar essa disparidade. Uma delas é a coincidência de cinco eleições na mesma ocasião. Além das disputas para as Assembleias Legislativas, para a Câmara e para o governo central, há ainda as eleições de governador e de senador.

Como a da Presidência e as de governadores naturalmente recebem muito mais destaque e atenção, as eleições parlamentares acabam sendo ofuscadas.

Desanimo

Outra hipótese é o desalento dos eleitores com o Congresso e com as Assembleias. Em pesquisas de confiança e credibilidade, os parlamentos invariavelmente têm as piores notas.

O sistema eleitoral brasileiro também não ajuda o eleitor na hora da escolha. O modelo de voto proporcional em lista aberta faz com que cada votante tenha que escolher um entre centenas de candidatos inscritos em cada Estado. Em São Paulo, por exemplo, há mais de mil opções, somando os candidatos dos mais de 30 partidos.

Uma oferta tão gigantesca pode mais atrapalhar do que ajudar. Ideias como voto em lista fechada (o eleitor só pode votar no número do partido, que apresenta uma relação de nomes antes) ou distrital (só pode votar nos candidatos de sua região) minimizaria esse problema.

O mais provável é que a alta taxe de eleitores sem candidatos seja uma combinação de todos esses fatores.

O Datafolha fez 5.340 entrevistas em 265 municípios entre nos dias 17 e 18 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos.


Voltar


Comente sobre essa publicação...