Semana On

Quarta-Feira 20.nov.2019

Ano VIII - Nº 372

Viver bem

7 distúrbios que podem prejudicar o seu sono

Da insônia ao bruxismo, conheça quais são os principais problemas relacionados ao sono e saiba como lidar com eles

Postado em 05 de Novembro de 2019 - Marília Marasciulo – Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Dormir bem não é fácil para muita gente. No Brasil, segundo a Associação Brasileira do Sono (ABS), quase metade da população no país sofre de insônia. Já a apneia do sono, condição que causa paradas na respiração por cerca de 20 segundos, afeta 69% dos brasileiros, de acordo com o Instituto do Sono. E há estimativas de que 72% da população do país sofra de alguma doença relacionada ao sono. Mas afinal, quais são os problemas mais comuns, como reconhecê-los e, mais importante, como tratá-los? Confira a seguir.

Insônia
A dificuldade de dormir e manter o sono durante toda a noite é o distúrbio de sono mais comum. Episódios de insônia podem ser ocasionais e variam de pessoa para pessoa, como um período de ansiedade antes de um compromisso importante, problemas clínicos (como febre ou gripe) e problemas emocionais passageiros.

Mas tal condição pode se tornar crônica. Entre os sintomas, estão o cansaço extremo, falta de concentração, irritabilidade e dor de cabeça e no corpo. O tratamento envolve principalmente terapias como técnicas de relaxamento e higiene do sono. Em casos mais graves, profissionais de saúde podem ser prescritos medicamentos, como antidepressivos.

Apneia Obstrutiva do Sono
Como o nome sugere, o distúrbio é causado por uma obstrução do fluxo de ar na garganta, provocando paradas respiratórias durante o sono. Em geral, quem tem o problema não sabe que sofre essa condição, pois as paradas nem sempre são suficientes para fazer a pessoa acordar. Entre os sintomas estão ronco, cansaço e sonolência durante o dia. O tratamento é feito com um aparelho chamado CPAP, que envia um fluxo de ar para as vias respiratórias e, em alguns casos, a cirurgia é recomendada.

Síndrome das pernas inquietas
Esse distúrbio é quase autoexplicativo, caracterizado pela agitação involuntária das pernas. Pessoas que sofrem com o distúrbio descrevem sentir muito desconforto, que é aliviado somente com o movimento das pernas. Pode ter relação com outras doenças, deficiência de ferro ou não apresentar uma causa aparente. O tratamento envolve mudanças de comportamento, como prática de atividades físicas, e eventualmente uso de medicamentos.

Bruxismo
Apertar e ranger os dentes é chamado de bruxismo, e o problema também pode ocorrer durante o dia. É associado ao estresse, ansiedade e problemas na articulação da mandíbula. Os sintomas, em geral, são dor na mandíbula e de cabeça. Placas dentárias, controle do estresse e medicamentos costumam ser indicados para casos de bruxismo.

Enurese noturna
Fazer xixi na cama durante a infância é natural, visto que nessas fases da vida o controle da urina ainda não está completamente desenvolvido. A partir dos cinco anos de idade para as meninas e seis anos para os meninos, urinar na cama mais de duas vezes por mês é considerado anormal. Isso pode ocorrer por fatores genéticos, problemas emocionais, redução na capacidade funcional da bexiga, anormalidades no trato urinário, entre outros. O tratamento inclui terapia comportamental, uso de remédios e de alarmes noturnos para ir ao banheiro.

Sonambulismo
É considerado uma parassonia, distúrbio que causa comportamentos inadequados durante o sono. No caso do sonambulismo, a pessoa caminha dormindo, com os olhos abertos, mas sem expressão. É mais comum em crianças, mas pode afetar adultos. Os fatores que desencadeiam essa condição estão relacionados a períodos de estresse, sono irregular e febre. O recomendado é tomar medidas de segurança a fim de de evitar acidentes e combater os fatores desencadeantes.

Terror noturno
Outra parassonia, essa é bem mais dramática, e também afeta principalmente as crianças. É caracterizado por gritos e períodos de muita agitação durante o sono, que podem ser tratados com terapia comportamental: em geral, tais sintomas desaparecem na idade adulta.


Voltar


Comente sobre essa publicação...