Semana On

Quinta-Feira 14.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Brasil

Estudo inédito atribui 31 mil mortes no Brasil a efeitos da recessão

Pesquisa, publicada em revista internacional, se baseia em dados de 5 mil cidades. Vítimas tinham 15 anos ou mais

Postado em 17 de Outubro de 2019 - Cássia Almeida – O Globo

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A recessão teve consequências mais nefastas que o aumento do desemprego. Estudo inédito mostrou que 31.415 pessoas de 15 anos ou mais tiveram a morte relacionada aos efeitos da crise econômica .

A pesquisa, resultado de parceria de economistas e médicos sanitaristas do Brasil e Reino Unido, constatou que, a cada ponto percentual de aumento na taxa de desemprego, a mortalidade sobe 0,5 ponto percentual. São mortes que poderiam ser evitadas, dizem os autores.

No período de 2012 a 2017, a taxa de desemprego subiu de 8,4% para 13,7%. E a taxa de mortalidade aumentou 8%, de 143 mortes por cem mil habitantes para 154 mortes por cem mil. Metade dessa alta está relacionada à recessão.

Os autores do estudo, publicado por uma das mais respeitadas revistas científicas do mundo voltadas para saúde, a Lancet Global Health, compararam dados de mais de cinco mil cidades brasileiras.

Constataram que onde havia mais gastos com o Sistema Único de Saúde (SUS) e programas como Bolsa Família, os efeitos da recessão foram pouco sentidos na mortalidade. Os mais atingidos pelo aumento da mortalidade foram homens negros, entre 30 e 59 anos.

— As recessões parecem particularmente ruins para a saúde em países que não têm programas de assistência médica e proteção social fortes. É essencial que o Brasil proteja os investimentos no SUS e no Bolsa Família, que são reconhecidos internacionalmente e fornecem proteção vital para a saúde e o bem-estar do país — afirmou o autor principal do estudo, Tom Hone, do Imperial College London.

Em países ricos, número de mortes cai na crise

Outro autor, Rudi Rocha, da Fundação Getulio Vargas (FGV) e coordenador de pesquisa do Instituto de Estudos de Políticas de Saúde (Ieps), fundado recentemente pelo ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, afirma que, por causa da recessão, houve restrição fiscal, o que piora o acesso e a qualidade dos serviços de saúde, principalmente para doenças que envolvem tratamentos mais complexos, como câncer:

— Na crise, pode haver migração de trabalhadores que tinham plano de saúde para o serviço público, o que provoca descontinuidade de tratamento. A recessão foi muito prejudicial à saúde dos brasileiros, com os membros mais vulneráveis da sociedade sendo os mais afetados negativamente.

Em países de alta renda, a mortalidade cai em períodos recessivos, devido à menor participação em atividades de risco, como dirigir. A jornada de trabalho fica menor, e o tempo gasto em atividades mais saudáveis aumenta.

Mas, em países de renda média, como o Brasil, esse movimento é o inverso. Houve mais mortes por problemas cardiovasculares e por câncer.

— As doenças cardiovasculares estão ligadas a estresse, situação agravada com a crise. A relação com o câncer não é tão clara, mas especula-se que há redução de acesso e menos diagnósticos precoces. Saúde não é só questão de serviços, está ligada às políticas sociais, econômicas. O que acontece de bom ou ruim no mundo econômico afeta a saúde — afirma outro autor do estudo, o médico Maurício Barreto, da Universidade Federal da Bahia e da Fundação Oswaldo Cruz.

Segundo Ligia Bahia, médica sanitarista da UFRJ, o estresse é reconhecidamente um fator de risco:

— É uma tempestade sanitária, corte de gastos com saúde pública, desemprego e queda da renda. Só há duas maneiras de resolver, com crescimento econômico ou mais gastos com saúde. Acho esta última solução mais fácil.

Impacto maior no Sudeste

Segundo Hone, no Nordeste, onde aconteceram 5.948 mortes que podem estar associadas à recessão — 18,9% do total —, o efeito da crise foi menor. A população da região representa 27% do país. Já no Sudeste, esse impacto foi maior. Foram 16.894 mortes, ou 53% do total, enquanto o número de habitantes responde por 42% do total do Brasil.

Para reduzir os efeitos da recessão na saúde, Hone aconselha aumentar a proteção social e o gasto público com saúde:

— Mercados formais de emprego mais fortes, com proteção e redes de segurança, incluindo benefícios e apoio para os que perdem empregos, minimizam os efeitos. Podemos dizer que as 31 mil mortes foram em áreas com gasto público baixo ou insuficiente.


Voltar


Comente sobre essa publicação...