Semana On

Sábado 19.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Brasil

É preciso fazer a disputa contra o fundamentalismo religioso, diz pastor

Evangélicos progressistas, que acreditam nos direitos humanos e numa cultura de paz, devem enfrentar o fundamentalismo

Postado em 03 de Outubro de 2019 - RBA

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Para o pastor Henrique Vieira, da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, os evangélicos progressistas, que acreditam nos direitos humanos e numa cultura de paz, devem fazer a disputa, nas redes sociais e nas famílias, contra os movimentos fundamentalistas, que acreditam num “deus de arma na mão”, vingativo e violento, que não encontra respaldo na narrativa bíblica.

“Infelizmente esse campo conservador fundamentalista tem poder econômico, político e midiático cada vez maiores. Está nos grandes meios de comunicação quase que 24 horas por dia”, afirmou o pastor. Henrique Vieira é um dos conferencistas do seminário internacional Democracia em Colapso?, que vai ocorrer no mês de outubro, na capital paulista. O evento é realizado pelo Sesc – em sua unidade de Pinheiros – e pela Editora Boitempo.

Segundo ele, a democracia no Brasil sempre foi muito frágil. “Mas estamos vivendo momento de risco ainda maior. Um ambiente de interdição de liberdades, de censura velada, de arbitrariedades, aumento da violência do Estado. É um momento ainda mais crítico para a nossa tão frágil e oscilante democracia, até porque os atuais governantes sequer têm apego real aos valores democráticos.”

Em referência ao lema “Deus acima de todos”, adotado pelo presidente Jair Bolsonaro desde a campanha eleitoral de 2018, Henrique Vieira rebate: “Não está acima de tudo. Deus está no meio de tudo e, na verdade, junto ao povo. Essa é a personificação de Deus na pessoa de Jesus Cristo de Nazaré. O Deus dos fundamentalistas é um Deus que dá medo, com pouco apego à vida, intolerante e sanguinário.”

Família e redes sociais

O pastor reforça que o neoliberalismo atual é marcado pela exacerbação do individualismo e da competição, pelo esvaziamento dos espaços públicos, com o desmantelamento de direitos e o aumento da exploração do trabalhador, fragmenta as relações humanas. Isso desagrega o núcleo familiar, que passa a ser alvo preferencial do discurso fundamentalista. Em vez do tradicionalismo do modelo de família pregado pelos fundamentalistas, Henrique Vieira propõe outros princípios, mais afeito aos ensinamentos do evangelho, segundo ele.

“Sou um cristão que questiona completamente esses valores do fundamentalismo. Costumo dizer que defender a família é algo necessário. Mas defender a família é defender moradia, emprego e renda, soberania alimentar. É combater a violência doméstica. É combater a LGBTfobia, que destrói muitas famílias por conta do preconceito e da intolerância”, afirma o religioso.

As redes sociais, segundo ele, também são marcadas por um ambiente de superficialidade nas relações humanas, em que sobressaem as notícias falsas e o discurso de ódio. Ele sugere, então, outro tipo de uso para essas ferramentas, ainda que nada substitua o encontro pessoal com as pessoas. “Procuro usar as redes sociais para estabelecer uma narrativa antifundamentalista, que busca resgatar a essência bíblica do evangelho de Jesus. Chego a muitas pessoas, com conversas muito profundas, do Brasil inteiro. Dá para usar as redes sociais para disseminar boa informação e uma cultura de paz, de encontro e acolhimento.”


Voltar


Comente sobre essa publicação...