Semana On

Sábado 19.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Brasil

Como se previa, retirada de radares fez aumentar tragédia nas estradas

Número de acidentes graves nas vias federais interrompe queda e volta a subir este ano

Postado em 03 de Outubro de 2019 - O Globo

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A conta da retirada de radares para controle de velocidade nas rodovias federais chegou. Como era esperado, o número de acidentes graves, em que há mortos ou feridos, subiu nos sete primeiros meses de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado. Foi a primeira elevação desde 2011, quando o país se comprometeu a adotar metas estabelecidas pela ONU para um trânsito mais seguro.

Levantamento do SOS Estradas e dados da PRF mostra que os acidentes cresceram quase 2%, passando de 10.038, em 2018, para 10.212 este ano. Mais que o aumento em si, preocupa o fato de ter interrompido sequência de quedas desde 2011.

Consequência natural do apagão promovido na fiscalização das estradas. Por determinação do presidente Jair Bolsonaro, o governo não renovou o contrato que previa o funcionamento de 2.811 radares nas vias federais, além de ter suspendido o uso de 299 equipamentos móveis. Segundo dados obtidos com base na Lei de Acesso à Informação, no início do mês havia apenas 439 pardais em operação.

No Rio e em São Paulo, rodovias federais que estão sob administração do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) já não têm radares em operação. Em Minas, onde acontece o maior número de mortes, são apenas 64 — o estado perdeu 388.

Ressalte-se que, após um acordo firmado com o Ministério Público Federal, em julho, o Dnit se comprometeu a instalar 1.400 pardais. Mesmo assim, ainda haverá um déficit de mil radares em relação ao governo anterior.

O uso de pardais tem sido eficaz para redução de mortes nas estradas, não só no Brasil como em outros países do mundo. Eles costumam ser instalados em pontos onde há risco de acidentes, como imediações de escolas, travessias perigosas, curvas fechadas ou locais de grande aglomeração. Casos em que o excesso de velocidade pode ser fatal.

Retirar radares das estradas pode significar alívio no Orçamento e no bolso de motoristas infratores. Pode até render votos. Mas gera grandes prejuízos para o SUS e as famílias de vítimas de acidentes — neste caso, incalculáveis. No fim das contas, o saldo é negativo.


Voltar


Comente sobre essa publicação...